Como fazer amigos no primeiro ano do ensino médio

Sou bissexual e estou apaixonado pela minha melhor amiga.

2020.10.23 05:40 LoveUm Sou bissexual e estou apaixonado pela minha melhor amiga.

Nós nos conhecemos desde o ensino médio, a uns 5 anos atrás, eu sempre contei tudo sobre mim pra ela, traumas, gostos, vontades e tudo que geralmente melhores amigos fazem. Eu gosto demais dela e nós somos amigos até hoje, mas eventos recentes me fizeram perceber que eu (ainda) estou apaixonado pela minha melhor amiga.
Tudo começou quando ela estava tendo um problema com um relacionamento, onde um "amigo" havia dito pra ela que estava apaixonado, e pela segunda vez foi rejeitado. Porém não é tão simples assim, ambos começaram a se distanciar e minha amiga tem problemas de ansiedade e isso estava afetando-a demais, ela gostava muito da amizade desse "amigo" mas sentia que as coisas não vão mudar por que ela não sente o mesmo por ele, e o meu papel nessa história, era aconselha-la da melhor maneira possível pra ela resolver esse conflito, tentando ao máximo não me meter no meio da situação.
Mas eu sentia algo por ela que eu sabia o que era, eu estava gostando dela e me confessei inclusive, ficando surpreso pela resposta dela dizendo que já sabia, mesmo assim eu fui rejeitado também, mas diferentemente do outro "amigo" dela que insistiu, eu não fiz o mesmo por que não gostaria de perder a amizade dela como estava acontecendo com esse outro "amigo". Eu disse que estava tudo bem, que não precisaria se preocupar com isso e continuei agindo normalmente, como se nada tivesse acontecido. Nunca falei sobre mulheres com ela por que sabia que não era do interesse dela. Mesmo sendo bissexual perguntei se isso seria um problema caso nós supostamente namorassemos, ela disse que não era isso, mas que me via como um irmão e achava estranho, sinto que talvez tenha algum problema na verdade. (Fui parar na Brotherzone, pior ainda.)
Então eu não comentei mais nada e continuamos sendo bons amigos como sempre fomos, falando de homens que gostariamos de pegar, trocando fotos zuadas, falando as experiências de vida, indo ao cinema, saindo e enfim.
Resultado de uns 2 meses depois, ela comecou a namorar com o outro "amigo".
Até aí tudo bem, eu tinha ficado muito feliz pela minha amiga por que achava que ela finalmente tinha entendido o que sentia por ele, mas ao mesmo tempo eu me sentia triste e não sabia o porquê, achava que era pelos meus amigos estarem encontrando seus pares e no fundo eu tinha um leve medo de ficar sozinho.
Conclusão, instalei o Tinder por recomendação da mesma. (KKKK)
Entre "sins" e "nãos", eu acabei conhecendo um garoto que acabou me chamando a atenção. Começamos a namorar e contei pra minha amiga que estava gostando dele, ela estava super feliz com isso, mas como nem tudo são rosas, acabei me relacionando por 3 meses, eu gostava dele mas as coisas nesse relacionamento começaram a se tornar tóxicas pelos dois lados e então eu pulei do barco. E surpreendentemente, pasmem, minha amiga disse que terminou também.
Eu já não sabia o que eu estava sentindo, conversando ela me disse que gostava dele como um amigo, mas sabia que se voltasse a falar com ele não seria mais a mesma coisa por que sempre teria aquele ponto do "Nunca vai ser o suficiente." Então ela começou a namorar com ele pra tentar contornar isso, mas ela não sentia o mesmo de qualquer forma por ele e o "Nunca vai ser o suficiente" continuou ali então ela decidiu acabar com isso de uma vez, não está nem se importando com a amizade que perdeu e ficou muito bem com isso.
E aí meu medo acabou multiplicando, mesmo eu ainda não admitindo que ainda estava sentindo o que eu sentia pra mim mesmo.
Mas eu estava de boa com tudo isso até que um dia ela disse que estava afim de um colega meu. E nós começamos a fofocar, eu "encorajando" ela pra falar com ele e tudo mais, zuando sobre pinto e primeira vez, achando que ela não teria coragem pra chamar ele. Mas quando ela finalmente teve coragem, eu senti alguma coisa, preocupação talvez.
Os dois começaram a conversar de uma forma bem suja no contexto sexual da palavra, não que eu tivesse lido as conversas, mas pela minha melhor amiga me contar o que rolava entre as mensagens, eu ficava curioso pra saber, não por que o garoto era bonito ou algo do tipo. Mas pelo progresso dos dois, até que ela me contou sobre umas mensagens que eles trocaram entre si que me fizeram perceber o que eu tava sentindo.
Apesar de ser o melhor amigo "viado", eu amo ela, não só como amigo, eu estou realmente apaixonado apesar de fazer o possível pra não demonstrar isso por medo de perder a pessoa que eu amo por já ter sido rejeitado duas vezes e fingir que não ligo. Ao mesmo tempo que me dói pelo fato de saber que eu nunca vou ser o primeiro sendo que nem sei se ela vai aderir a esse possível relacionamento com o outro garoto, o que não deveria ser problema meu, já que eu "escolhi" não me importar.
Eu acreditava que depois de um tempo isso passaria, mas ainda está aqui. Apesar de eu tentar de tudo pra matar esses sentimentos e ao mesmo tempo conviver com a pessoa que o provoca. É possível que eu esteja sendo covarde não sendo sincero sobre o que eu sinto, mas se alguém já deixou claro que não tem interesse romântico em você, mesmo você demonstrando e dando sinais de que você está ali, talvez isso seja uma batalha perdida e eu não estou pronto pra perder mais do que já perdi.
submitted by LoveUm to desabafos [link] [comments]


2020.10.16 22:23 Creative_Oven_6350 Estou na minha segunda formação e há quase três anos procurando emprego. Não consigo nada. A frustração está acabando comigo há muito tempo.

Bem, antes de começar, essa conta é uma throwaway, já que pessoas próximas podem ver o post.
A questão é a seguinte: logo que saí do Ensino Médio, consegui entrar em uma universidade federal. Na época eu tinha algumas ideias do que queria fazer para a vida e decidi arriscar na que me parecia mais legal. Não me entendam mal, não é que eu me arrependa de minha escolha, honestamente se não fosse por ela eu não acho que seria a pessoa que sou hoje e não conheceria minha namorada (com quem tenho um relacionamento há 5 anos).
Para ser mais específico, eu entrei em Licenciatura e Bacharelado em História, na UFPR. Eu realmente gostei do curso. História sempre foi uma área que me fascinou e durante a formação pendi cada vez mais para a pesquisa. No entanto, claro que na metade da graduação percebi a falta de perspectivas de pesquisas nessa área no Brasil e comecei a pensar em alternativas de onde trabalhar.
Sempre gostei de dar aula, apesar de nunca querer ser professor do Estado. Então entrar em PSS não era uma opção. Antes da minha primeira graduação, durante e até um tempo depois, sempre trabalhei informalmente em negócios da família. Fui assistente administrativo no escritório de contabilidade dos meus pais. Ajudei na pequena gráfica digital que meu tio tinha, tanto no balcão quanto no setor de compras. Esses trabalhos me ensinaram muitas coisas e me deram muitas habilidades diferentes. Sempre sou elogiado por ser comunicativo, tenho habilidades avançadas no pacote Office completo, aprendi a mexer em estoque, arquivo, realizar trabalhos braçais etc.
Só que em certo momento percebi que precisava de um trabalho formal. Algo que estivesse registrado em minha carteira de trabalho. Aqui entra outra coisa que gosto muito: idiomas. Desde cedo sempre estudei outras línguas por conta própria. Sempre foi um hobbie meu. Me tornei fluente em inglês, consigo conversar em francês e japonês e tenho certo conhecimentos de espanhol e LIBRAS. Aproveitando essas minhas habilidades, consegui me tornar professor de inglês.
Mas a ideia de virar professor de inglês nunca me foi permanente. A falta de perspectiva de uma carreira nunca fez com que eu quisesse ser professor. Pesquisador sempre tive vontade. Por outro lado, vejo amigos meus com 30, 35 anos fazendo doutorado, pesquisas maravilhosas, mas precisando arrumar outros empregos para se manter e ganhar mais ou menos mil reais por mês. Não é uma vida que quero ter.
Estou com 23 anos no momento. Quando estava com 20, decidi que iria para outra área que sempre tive muito interesse: a parte comercial. Sempre fui bem com números. Não só enquanto trabalhava no escritório de contabilidade de meu pai, mas também participei e "ganhei" algumas Olímpiadas de Matemática enquanto estava na escola. A área administrativa também era interessante. Então pensei bastante e cheguei a conclusão que se conseguisse algo na área de Relações Internacionais ou Comércio Exterior, teria a carreira que sempre quis.
Isso se deu por volta do início de 2018. Achar estágio na área de História (em museus e coisas do tipo) nunca deu certo, tanto pela falta de vagas quanto pela carga horária diária do meu curso que nunca batia com o que eu achava. Consequentemente, fui procurar estágios e empregos em Relações Internacionais e Comércio Exterior. Assim se deu o meu ano de 2018. Obviamente, sem nenhum resultado.
Eu mandava todo mês meu currículo para inúmeras vagas. Nunca recebi uma única resposta. Tudo bem. Bola pra frente. 2019 chegou e eu me formei na metade do ano. Mais 6 meses sem nenhuma resposta. Nesta época, eu já enviava o currículo semanalmente. Queria alguma oportunidade em RI ou Comex. Eu achei que História era um curso similar o suficiente. Pelo jeito, as empresas não concordavam.
Depois de minha formatura, há quase um ano e meio procurando, decidi investir em concursos públicos. Talvez eu conseguisse uma área no setor comercial ou administrativo do Estado. Não seria um problema se eu pudesse migrar posteriormente. Prestei vários concursos que fiquei três ou quatro vagas abaixo da linha de corte. A frustração era grande, mas eu continuava.
Enquanto isso, precisava me sustentar. Portanto, permaneci dando aulas de inglês. Não posso negar, sou bom nisso. Não muito bom, mas o suficiente para receber elogios esporádicos tanto de alunos quanto colegas. Quem sabe se em algum momento eu me dedicasse à área pedagógica, pudesse crescer e construir uma carreira ali.
Porém, eu sabia que investir na área pedagógica me afastaria completamente de RI e Comex. Então nunca fiz isso ou fui para esse lado. Em certo momento de 2019, passei no edital do IBGE para o Censo 2020. Meu nome foi homologado no Diário Oficial da União. Eu estava dentro. Tinha conseguido algo diferente, além de dar aula. A frustração parecia ter acabado. Só precisava esperar março de 2020 para ser chamado. Minha namorada chorou de felicidade por mim. Eu também estava transbordando por dentro.
Aí aconteceu que... a pandemia. Todos sabem. A verba do Censo 2020 foi cortada completamente nesse ano e transferida para o segundo semestre de 2021, isso se não for postergada mais uma vez. Depois, descobri que o concurso que tinha passado era PSS e mesmo eu estando dentro, não significava que seria chamado. Nisso já era metade do primeiro semestre de 2020 e eu também não havia parado de mandar currículo para RI e Comex. Se eu conseguisse um emprego nessa área, não ficaria no IBGE (pois o cargo era temporário de apenas um ano).
Extremamente frustrado, depois de muitas e muitas (e muitas) crises de raiva, tristeza e angústia, decidi investir em alguma coisa que fosse mudar tudo. Comecei uma segunda graduação. Moro em Curitiba e diante das possibilidades de cursos que poderia fazer nessa área, optei pela que me pareceu melhor: Comércio Exterior.
Minhas aulas começaram em julho desse ano. Desde o mês sete, tenho uma única rotina: todo dia da semana eu acordo, vasculho a internet, sites especializados, grupos de WhatsApp e Telegram, em busca de empregos para a área comercial, administrativa, financeira ou até logística. Existem muitas coisas em cada um desses setores com as quais eu adoraria trabalhar. Todo dia, literalmente todo dia mesmo, eu me inscrevo em média de uma até três vagas - tipo, todo dia.
Desde julho, sou rejeitado em umas 30/40 vagas mensalmente. Entrar em uma segunda graduação de Comércio Exterior realmente ajudou: agora sou chamado para entrevistas e provas. No entanto, sempre que me perguntam se eu faço alguma coisa, se ainda trabalho, digo que tenho o trabalho temporário de instrutor de línguas. Algo que quero largar assim que conseguir outro trabalho na área que quero, ou seja, na área para a qual estou me inscrevendo.
Só que é sempre nessa parte, é sempre nesse momento que vejo claramente que sou colocado de lado. Ninguém quer contratar alguém que precisou trabalhar como professor. Algo pedagógico, muito diferente do mundo comercial. Sempre elogiam minha curiosidade por línguas, acham legal meu contato com setores administrativos e financeiros no passado, mas por terem sido trabalhos informais, ninguém se importa. Sim, estou frustrado.
Dia após dia recebo e-mails falando que não foi dessa vez. Isso quando os recebo. A maior parte das inscrições por e-mail não são respondidas. As que realizo por sites diversos, estão marcadas 90% como "Rejeitado por falta de experiência". Todos estágios. É sério. Tenho mais de 40 vagas de estágio rejeitadas por "falta de experiência". Repito novamente porque estou frustrado: estágios.
Eu não consigo um único estágio. Em nenhuma área. Todo dia sou recusado. Não importa se é RI. Setor de compras. Setor administrativo. Setor financeiro. Setor de logística. Só preciso desse primeiro emprego na área. Aposto que os demais vão vir muito mais facilmente (porque mais difícil não tem como existir).
E receber constantemente, apesar do esforço diário de mandar currículos, atualizar informações em sites (sim, tenho perfil em LinkedIn e mais outros diversos sites de emprego), apenas me lembra do meu fracasso. Não tenho perspectivas nenhuma de que vou conseguir. Nenhuma perspectiva que vou mostrar para alguém quão esforçado posso ser. Quão dedicado. Eu só preciso de uma chance para a primeira oportunidade.
Estou nessa há 3 anos. Acumulo quase 100 rejeições totais desde que comecei minha segunda graduação. Cada vez me empenho mais para tentar. Cada vez tenho menos vontade e fico pior. Menos motivado. Antes que alguém fale alguma coisa (se alguém aguentou ler esse textão de desabafo até aqui), estou sempre verificando meu currículo: como apresentar informações, tirando, colocando coisas. Já contratei profissionais de currículos que analisaram e mudaram algumas coisas. Já apresentei pra muitos profissionais colegas e da família que deram algumas sugestões e elogiaram outras coisas. É algo que estou sempre tentando melhorar, mais e mais.
Pra encerrar, existe um fator nisso tudo que aumenta ainda mais a frustração comigo mesmo, a frustração com todo esse cenário. Minha namorada trabalha na área de tecnologia. Em 2019, decidiu arranjar um estágio. Se inscreveu para três e conseguiu um deles. Agora em 2020 decidiu ir para outro, se inscreveu em uma única vaga e foi aprovada. Não tenho raiva nem dela. O que mais me afeta é a diferença da facilidade de conseguir emprego em uma área comparada à outra. Ela é minha namorada. Amo ela e estou feliz que ao menos um de nós está tendo conquistas dessa área. Mas não consigo deixar de ficar pior, o problema sou eu? Nunca vou conseguir uma vaga simplesmente por causa da minha primeira formação? Porque precisei dar aulas para me sustentar? O problema é algum outro?
Enfim, esse é o meu desabafo. Desculpem pelo tamanho do texto e obrigado se alguém chegou até aqui.
submitted by Creative_Oven_6350 to desabafos [link] [comments]


2020.10.14 23:58 starvkir me odeio e me acho um fracassado

bom, então, estou escrevendo isso pq preciso muito desabafar e não tenho ninguem pra falar sobre. meu nome é lucas, tenho 15 anos e me sinto um completo merda. atualmente nao tenho nenhum amigo, só alguns colegas, e ja estou no meu primeiro ano do ensino médio, sinto como se meu tempo de fazer uma amizade ou me relacionar com alguém está se esgotando e tenho medo de ficar sozinho e solitário para sempre. sempre tive baixa autoestima, insegurança e ansiedade. nesses meus 15 anos nunca tive nenhuma interação com uma menina e sla, como qlqr adolescente obviamente eu gostaria de namorar, ficar, etc. nunca fui chamado pra uma festa, ou uma resenha. passo todos os meus dias sozinho em casa. apesar de eu ter todas essas caracteristiscas, eu nao gosto muito de jogar videogame ou ficar no pc, preferiria muito mais sair com meus amigos ou jogar bola, etc. me sinto muito triste e choro praticamente todos os dias. é mto ruim ver as outras pessoas saindo, se divertindo, indo a shopping, shows, festas, etc e eu sozinho em casa. sinto que desperdicei e estou desperdiçando toda minha adolescência. no geral, é isso.
submitted by starvkir to desabafos [link] [comments]


2020.10.10 10:04 biel2907 Muitos problemas mentais

Boa madrugada, ou nem tão boa assim... Pra você que vai ler o que vou dizer, entenda que sua mente tem que ser muito aberta, principalmente a perdão, e o que você vê como ser humano ou não...
Enfim, indo do passado ao presente, meus pais nunca tiveram um relacionamento muito bom, desde que eu me entendo por gente, e estou falando disso porque é o que eu penso que pode ter provocado algo em mim do que vai vir a seguir... desde que eu me entendo por gente eles sempre brigaram, meu pai é muito mulherengo e minha mãe era bem menos "fogosa" que ele, e o casamento não deu muito certo, nunca vi meu pai bater nela, mas a pior briga que eu já vi foi ele ameaçando bater nela, mas isso nunca aconteceu, e eu não queria que eles terminassem de jeito nenhum até os meus 14/15 anos mais ou menos, pra mim era como se fosse o fim do mundo, depois eu entrei em uma escola técnica/ensino médio e vivia lá porque era muito tempo estudando e em uma cidade vizinha, conheci uma garota 2 anos mais velha que eu, foi a primeira pessoa que fiquei e assim que ficamos a primeira vez ela me pediu em namoro eu aceitei, não sei bem porque, mas foi indo, meu pai foi pra são paulo trabalhar porque tinha mais oportunidade (sou do rio de janeiro com minha mãe) e vinha as vezes 1 ou 2x por mês só visitar a gente, então o casamento foi só piorando... mas meu pai já tinha traido minha mãe antes e ela "perdoou" uma vez. Agora entra outro problema, eu não sei o porque, mas eu comecei a exercer um relacionamento tóxico/abusivo com essa garota que eu namorava, ela fazia tudo por mim me amava de verdade, e eu não conseguia confiar de jeito nenhum! E eu fui doente demais, fiz ela passar por coisas horriveis, a mãe dela controlava ela também, e eu também, e acabei brigando com a mãe dela (só discussão), enfim, mas a minha namorada foi a que mais sofreu, sério, são coisas terriveis, durou 4 anos nosso namoro, mas eu só ia piorando nas humilhações a ela,principalmente quando terminei a escola e fui pra faculdade em outra cidade, já fiz ela passar papel higienico no rosto, etc, inclusive já cheguei a agredir ela fisicamente (especificamente dei um tapa no rosto, não foi forte pra deixar marca nem nada disso, mas mesmo assim é TOTALMENTE errado, e eu nunca mais quero repetir algo do tipo), durante esse tempo meu pai engravidou outra mulher em SP minha mãe descobriu e eles finalmente terminaram (e eu agradeci por isso, não aguentava mais o relacionamento deles), uns meses depois a minha ex namorada finalmente se ligou com a ajuda das amigas dela e etc, e eu acabei terminando com ela por uma besteira minha e ela não voltou mais, e cortamos o contato dali, a partir daquele momento eu fui instantaneamente pro psiquiatra/psicólogo e comecei a frequentar bastante, eu passava mal durante meu relacionamento também por ansiedade de vomitar, ter caimbra no corpo todo, entortar ir pro hospital etc, isso já aconteceu varias vezes, eu acordava assim, em viagem de onibus sozinho, e era duro pras pessoas perto de mim ver aquilo, mas meus pais não gostavam de médicos de saúde mental, e só depois de tudo isso que eles resolveram que eu "deixar" eu ir. Eu ia bem na faculdade, porém nunca tive um sonho do meu curso em especifico, mas meu sonho era ter uma familia e só, nunca fui muuuito social, mas tinha uns amigos, até hoje tenho, depois que terminamos, eu não via motivo pra continuar na faculdade que pra mim era só pra dar um futuro pra minha familia que eu construiria, uma vez que fiquei sozinho perdi totalmente a vontade, tranquei voltei pra casa pra ficar com minha mãe, e ela também trabalha em algo bem simples e nunca teve vontade de melhorar na vida em questão de estuadr etc, e acho que acabei pegando esse jeito dela, mas é mais problema meu, n posso culpr os outros, hoje com 21 anos em plena quarentena com muito tempo livre eu não tenho emprego, não consigo lidar com os estudos EAD da faculdade (que tentei voltar) não tenho vontade, mas também não tenho vontade de fazer nada, eu queria um sonho, um motivo, algo profissional pra eu tentar aprender e melhorar, mas eu não consigo ter vontade de nada disso, chorei uma ou 2x e liguei pra uns amigos pra desabafar, mas sinto que já não tenho mais amigos pra isso... e também não adianta muito, porque eu quero uma solução, e acho que só tem como vir de mim, eu dei uma parada nos médicos mas já marquei psiquiatra/psicólogo novamente, tenho uma relação horrivel com meu pai desde então também, ele ja ameaçou brigar comigo e eu ameacei matar ele (falei da boca pra fora, bem eu acho) e tenho sonhos em que ele volta de SP pro RJ e sou obrigado a conviver com ele e é pertub ador, porque ele sempre foi uma pessoa mt grossa, e eu não sei mas tenho uma raiva guardada dentro de mim dele e não consigo lidar com isso, eu só queria esquecer q ele existe, mas sei que ele vai voltar aqui uma vez ou outra pra querer me ver, ver minha mãe, os pais dele q são meus vizinhos, etc. Enfim, a ansiedade eu consegui melhorar bastante com os remédios, os problemas de ser abusivo e tóxico eu falei tudo isso em diversas terapias, e acho que lido bem melhor hoje (só pondo a prática, eu namorei uma menina depois dessa mas foi por menos de 1 mes, foi bom pra nós apesar de ser curto kkkkk porque eu passei um tempo em SP assim que eu terminei o primeiro namoro, mas só piorou as coisas com meu pai lá e eu voltei e acabei terminando com a menina, na verdade foi bem consensual, ela gostou de mim mas também nem tanto pra namorar kk n tinha a magia, mas de verdade fui uma pessoa bem boa pra ela no tempo curto que tivemos e foi legal pra mim tentar me provar que melhorei mesmo que um pouco. Enfim é isso, não sei se pode ser curiosidade de vocês, mas eu me desculpei com minha ex 1 mes depois q terminamos, e ela tava bem melhor, acredito que possa ter buscado ajuda profissional depois de ter passado tantos problemas comigo, mas a ultima vez que vi algo dela, inicio desse ano (terminamos ano retrasado), ela aparentava estar bem, não nos falamos, eu até hoje me sinto culpado pelas merdas, mas isso n apaga o passado... enfim, eu to tentando reconstruir tudo, inclusive quero tentar esquecer isso com meu pai, mas primeiro preciso achar um futuro pra mim profissionalmente, e isso tá foda, porque preciso não depender mas da minha mãe, mas ajudar ela em casa que não é nada fácil nos dias de hoje...
submitted by biel2907 to desabafos [link] [comments]


2020.10.06 15:24 Creids258 Não sei tomar um rumo na minha vida

Bom dia! Acompanho este subreddit há um tempo e hoje resolvi postar algo pela primeira vez, vamos lá. Durante muito tempo na minha vida desde a infância sempre fui fechado e tímido, sofri bullying por andar torto, ando assim até hoje, fiz fisioterapia e pilates desde criança e aos 7 anos fiz uma cirurgia porque eu tinha um encurtamento no fêmur , fiquei com depressão no ensino médio, nunca tive muitos amigos, e quase nunca saia de casa para fazer as coisas por ser um medroso e meio paranoico, sempre quando tinha algo na minha escola, uma social da sala eu ia, mas depois de um tempo comecei a perceber que eu não fazia diferença pra eles e que isso não agregava em nada para mim porque eu não sei puxar assunto com uma pessoa direito e ficava excluído isolado em um canto e isso me trouxe alguns problemas como não saber me relacionar direito com as pessoas, tenho uma ansiedade grande e isso acaba me prejudicando e me sinto um covarde por não saber fazer as coisas que pessoas da minha idade já sabem, tenho 20 anos e faço faculdade de direito aqui na minha cidade, sendo que nem sei andar nela, muito menos pegar um ônibus. Hoje em dia eu tenho algumas amizades com o pessoal da faculdade e converso com eles, mas não quero ser uma pessoa carente e ficar enchendo o saco deles o tempo todo, eles até me chamam para sair com eles( isso anos antes da quarentena), mas eu saí poucas vezes com eles para churrasco na casa de um deles, mas eu tenho uma autoestima baixa e sempre acabo pensando que nunca vou conseguir nada, não vou acalmar minha ansiedade, muito menos arranjar uma namorada(sou bv até hoje). Esse ano eu até queria começar a malhar na academia, conversando com meu psiquiatra ele falou que isso ajuda a melhorar a autoestima(sou um cara magrelo, praticamente pele e osso kk), mas meus pais estão passando por dificuldades financeiras e não tem condições de pagar. Eu olho as fotos dos meus colegas com os amigos deles e as vezes penso será que eu nunca vou ter isso direito? Sempre será uma coisa fútil? É isso me desculpe que ficou muito grande, ainda há certas coisas que eu gostaria de postar para ver se podem me ajudar, dar dicas, mas esse é o primeiro.
submitted by Creids258 to desabafos [link] [comments]


2020.10.04 14:54 BolinhaSemCristal Meus erros e desiluções com o mundo do T.i

Durante todo o ensino médio e também nos dois ultimos anos do ensino fundamental, eu gostava de ler sobre Psicologia e filosofia, em si são dois temas que amo de corpo e alma até os dias de hoje!Mas quando terminei o ensino médio (2019) veio a pandemia e com isso meus pais me convenceram a fazer a faculdade de T.i por conta de questões financeiras (Digo, o curso q estou fazendo sai por 119 reais a mensalidade, em contrapartida que o de psicologia sairia por 600).
E tipo, okay, de inicio eu aceitei mesmo não sendo minha área, e logo após isso surgiu o primeiro erro que foi pedir orientação a conhecidos que tenho que são do T.i, eu queria saber o que que eu deveria focar em estudar e todos me falaram sobre uma tecnologia chamada "JavaScript".Blz, estudei JavaScript e as tecnologias que geralmente vem junto a ele (que para quem é da área, eu estou falando de HTML5 e CSS3).
E ai que surgiu a desilução:Com a pandemia o mercado de T.i ficou aquecido como fala tanto os jornais? Sim, ficou, mas ficou pra quem entende uma gama imensa de conteúdos na área!E por mais que os meus conhecidos tenham tido boas intenções em recomendar o estudo do JavaScript e tudo que vem junto a ele (Node, React, Redux e etc...), o mercado para desenvolvedores JavaScript está bem dificil para os programadores juniors entrarem agora!
Pode até parecer excesso de ansiedade (considerando que comecei a estudar essa área em março deste ano), mas a real é que estava nas minhas expectativas conseguir um emprego na área ainda este ano para conseguir dinheiro para sair com minha namorada e meus amigos...Com a pandemia o namoro acabou e nn da pra ver os amigos.Ou seja, no final eu quebrei a cara com desejos grandes sem um pingo de pé na realidade.
O mercado de T.i ta muito intenso e cobrando muito, tanto que se vc quer iniciar na área, ja digo que na outra via desse papo "tem muito emprego", existe também outro rolê que é:"tem que estudar pra caralho!"
é isto.
submitted by BolinhaSemCristal to desabafos [link] [comments]


2020.10.01 17:36 Lost-Walker As Personas de um Ignorante

É meu primeiro post no reddit, então enfim, me vejo na necessidade de falar um pouco sobre mim (provavelmente por algum egocêntrismo que eu deva ter).

Primeiro, o ignorante que menciono no título sou eu mesmo. Uma frase qu me marcou por uma amiga foi "Você fala como se sempre estivesse certo, bom, na maioria das vezes está mesmo". E primeiro, não, eu não falo e debato sobre os mais diversos assuntos, falo mais sobre o que eu tenho alguma confiança, imagino que seja por isso que eu "esteja certo na maioria das vezes" o que claro não me evita de falar algum absurdo de nível estratosférico. Pessoalmente, quando me convencem que estou errado em algum assunto, inicialmente eu fico mal comigo mesmo, afinal, posso ter induzido uma pessoa ao erro pelos meus posicionamentos, mas ao menos, corrigo o que eu considerava errado e sigo a vida.

Segundo, para a parte seguinte e real do post, recomendo pensar em mim como uma pessoa um pouco psicótica. Não, eu não tenho psicose (creio eu de nenhum grau), mas fica mais fácil assim para você, leitor, entender como minha "imaginação" afeta minha percepção.

Na minha adolescência, eu me considerava uma pessoa bem extrovertida, entratanto, após mudar de escola eu comecei a ter algumas instabilidades internas. Ironicamente, eu sim me adaptei bem a nova escola (mesmo entrando nela quase 2 meses do início do período letivo; mudei por transferência), entretando eu comecei a ter pensamentos mais introvertidos, eu não me sentia se encaixar socialmente mesmo que de forma controvérsia eu era um aluno com algum grau de popularidade (não grande o suficiente para alguma relavância, but anyway) e também por ser considerado um dos alunos mais inteligentes do meu ano (o que se repetia nos anos escolares).

Não nego algumas amizades que fiz, mas se abrir emocionalmente não me era uma prática comum (considere que essa transfêrencia foi no nono ano e conclui meu Ensino Médio naquela escola, ou seja, imagino que tenha alguma influência ter vivido isso na minha adolescência). Então eu comecei a fazer algo que faço até hoje; comecei a "personificar" sentimentos e emoções que eu tinha.

Normalmente eu fazia isso mais para escrever alguma poesia (o que, as relendo hoje eventualmente causa algum constrangimento), mas pessoalmente isso me aliviava um pouco. De forma geral, minhas personificações eram a Alegria, Tristeza, Medo, Orgulho. E a maneira que eu as descrevia era como eu as via, mas sempre foi uma metáfora para como eu as sentia. Um trecho de um deles:
"Onde a Tristeza e a Alegria são Irmãs, a Orgulho é Gatuna, o Medo é Solitário e a Confiança é descrente. A Paciência conversa com todos e a Raiva é Empática"

De maneira que as sinto: Tristeza e Alegria são emoções que eu acabo por desvalorizar quando se tratam de mim, então digo que elas são próximas, se fosse corrigir, diria que elas são irmãs gêmeas, geralmente não me importando muito com o que sinto. Orgulho sendo gatuna (ladrã) por ser um sentimento meu que fica nas entrelinhas, escondido, você pode não ver, mas ele está lá. A Raiva empática, pois nesse estado, costumo ainda me preocupar com as pessoas. Enfim, imagino que da para compreender a ideia. Fato importante eles são diferenciados entre gêrenos (não respeitando a gramática, como pode ver em A Orgulho) e idades.

Atualmente eu tento entrar numa faculdade. Preciso estudar todos os dias (ou ao menos deveria), meus dias normalmente se resumem a isso. Ou estou estudando, ou eventuamente estou, por alguma raiva a mim mesmo, evitando estudar (como está ocorrendo nos últimos 3 dias); mesmo sendo uma fã de animes e mangas não estou acompanhando nada. Mesmo sendo apaixonado por jogos, não tenho um console ou computador (nem mesmo tempo eu teria caso os tivesse). Pessoalmente, não reclamações não ter estar acompanhando esses meus hobbys, mas recentemente ando me sentindo como se estivesse desperdiçando parte da minha vida.

Acho muito difícil eu passar na faculdade que quero esse ano (estudo para ela vai completar dois anos que estudo apenas para ela após ter concluído Ensino Médio). Ano que vem terei excelente chances, mas provavelmente entrarei em alguma faculdade por vontade dos meus pais. Não os culpo por essa preocupação deles da mesma forma que, caso entre em alguma, continuarei estudando para a que eu quero. Minha vida parece lenta. Eu nunca tive um relacionamento com alguém, pessoalmente não vejo problema nisso, mas deve me afetar de alguma forma, visto que a maioria das minhas personificações são do sexo feminino.

Atualmente, "vejo" mais 3 personificações para conversar, sendo a Solidão (aparência infantil, nome Lili, como referência a lilas, sua cor de pele e cor que costuam vestir; único sentimento que dei nome; em tese ela varia um pouco, pois, eventualmente age como solitude), minha amiga imaginária Rose (pronúncia no inglês, adolescente, ela seria alguns meses mais velha que eu; possui como preocupação exclusiva me manter estável, pouco se importando com meus amigos reais desde que esses não causem oscilações nos meus sentimentos) e por fim, a Melancolia (essa é mais recente, pois uma aparência jovem, sendo alguns anos mais velha que eu e eventualmente sedutora)

Sim, há muitas metáforas e o post já está enorme para que eu fique explicando elas. Pensar nessa forma e ver como minhas Personas reagem se portam me ajudam a compreender o que de fato estou sentindo. Atualmente eu me nego a consultar um terapeuta (novamente, por algum egocêntrismo que eu deva ter). Não posso negar o eventualmente vazio ou desmotivação que sinto, mesmo que ester só afetem minha produtividade em casos específicos. Eu as chamo de persona por eventualemente usar alguma delas para conviver socialmente. No geral, dizem que eu sou uma pessoa muito confiável, sei interagir bem e controlar bem uma situação, podendo aprender rápidamente e principalmente sendo uma boa companhia para ouvir desabafos ou dar conselhos. Pessoalmente tenho algumas críticas a minha maneira atual de levar a vida, mas eu diria que atualmente é uma maneria bem mais estável de levar a vida do que não ser assim. Aceito críticas sobre minha forma de ver o mundo, afinal, não acho que eu posso usar tanto isso daqui uns anos.
submitted by Lost-Walker to desabafos [link] [comments]


2020.09.27 02:55 ruxbe Eu estou oficialmente desistindo das aulas online porque elas estão me matando emocionalmente

Eu estava animado pelo meu primeiro ano no ensino médio e logo descobri que eu tinha 17 matérias (escola estadual),até aí tudo bem,o problema é que eu nunca tinha tido um cronograma pra tantas matérias e eu não estava entendendo a proposta de algumas delas
(caso esteja se perguntando quais seriam essas matérias aqui está a lista: história, artes, português, matemática, inglês, quimica, fisíca, Eletiva 1,Eletiva 2 e Eletiva 3, Projeto de vida, Pesquisa e autoria, Biologia, Geografia, Filosofia, Sociologia e Ed fisica)
A partir dai a bola de neve de bosta começou a rolar,eu não tava entendendo na sala de aula, e quando o corona chegou eu não entendia nada nos grupos do zap, ALIÁS, eu faltei uns dias antes da quarentena começar e eu NÃO sabia que eles tinham um grupo do zap pras tarefas,só fui saber 3 semanas depois quando eu perguntei pra um amigo se eles tinham algo como um grupo do zap de tarefas pq fiquei com medo de estar fazendo nada
Primeiro bimestre se passa e eu tava com um NADA em algumas matérias e a porra do meu professor de história CONFUNDIU MINHAS ATIVIDADES E TOMEI UM ZERO GRATUITO NO BOLETIM,EU NÃO ESTOU ZUANDO,EU PERGUNTEI PRA ELE DAONDE ELE TIROU AQUELE ZERO PQ EU TINHA FEITO TODAS AS ATIVIDADES QUE ELE ME PASSOU,E ERAM DUAS E ELE FALOU QUE EU ESTAVA CERTO,OU SEJA EM TODA A MINHA HISTORIA DE ESTUDANTE EU TIREI UM ZERO PQ ELE SE COMFUNDIU
Ok uma pausa pra mim mesmo agora
Segundo e terçeiro bimestre se passam, minha sala é considerada a pior no indice da escola de entrega de atividades
Eu estava ficando louco de tanta atividade que os desgraçados me passavam,17 professores mandando atividade por semana é uma desgraça, E dessa vez ouve um acontecimento que eu não esqueço, Eu perguntei pro meu professor de matematica me ajudar a fazer uma tarefa dificil umas 3 vezes, Por três dias (uma por dia) e ele não me respondeu e só visualizou a mensagem, não preciso nem falar mais nada
O resultado disso é que eu to sem motivação nenhuma,cheguei a minha decisão,vou reprovar propositalmente pra ter uma chance de entender o que foi esse inferno que chamo de escola
É mais triste ainda saber que 4 alunos da minha classe InTeLiGeNtEs se juntaram pra fazer a própia panelinha deles pra passarem de ano,e que nenhum deles quer ajudar os outros
submitted by ruxbe to desabafos [link] [comments]


2020.09.22 03:49 Centurionzo Quero perguntar, alguém que faz uma faculdade, se arrependeu de ter feito o curso ?

Estou passando um momento complicado na minha vida, cresci em uma cidade pequena no interior (embora já tenha se tornado bem maior agora), meu pai era advogado e ganhou bem no trabalho (já é aprosentado), durante minha infância eu era ignorante e não sabia como complicado as coisas iriam ser quando fosse adulto, tenho um problema físico que fez com eu ficasse muito em casa e não sai muito, no ensino médio eu só estava concentrado em me conseguir notas boa, decidi entrar na faculdade de direito por que as matérias nas quais eu era melhor era usadas no direito, além do fato de muitos dos meus amigos e familiares recomendarem
Vocês podem imaginar onde a situação está indo, eu passei em todos os testes vocativos, exames para bolsa e entrei na faculdade, meu primeiro período foi horrível, não gostava da matérias, peguei 3 dos considerados os professores mais difíceis da faculdade, além de ter problemas no ônibus e ter passado vergonha na faculdade
Quando eu terminei o período pensei em trancar e tentar outro curso que não tinha na faculdade que estava fazendo, Ciências da computação, quase mudei mas houve várias complicações e má decisões, também achei depois de falar com um amigo que fez que não daria conta, meu pai também aconselhou contra, queria que eu buscasse algo como farmácia ou contabilidade mas no final ele me encorajou para ir de volta ao direito, minha mãe, minha avó e outros amigos me recomendaram a volta, então voltei para o direito
Do segundo período em diante melhorei no curso, comecei a gostar e realmente comecei a aprender, mas veio alguns problemas, minha memória não é das melhores e me dava certos problemas, além do fato de eu realmente não saber o que queria ser quando completasse o curso, no entrando não pensei mais em parar e já estava até pensando em conseguir um estágio na minha cidade (embora eu estava com um pouco de preguiça) quando chegasse no 6 período, então veio essa epidemia, meu 5 período foi quase todo online, durante esse tempo eu sabia que as coisas iriam ficar ruim para o país mas não imaginava que iria ser tão ruim
Não consigo lembrar quase nada do que aprendi no 5 período, meu 6 período que esta acontecendo agora está sendo bem estranho, gosto de ficar em casa mas não sair está dando um certo estresse em mim e na minha família, mais de 6 amigos do meu pai morreram do corona, meu pai também mudou a opinião sobre eu fazer direito e agora quer que eu busque outro curso novamente, não tenho certeza se irei ganhar bem, agora tem o problema de eu já estar na perto do final do 3 ano, sem rumo mais, cheio de dúvida com um enorme medo de seguir o curso e não conseguir nada, também existe a chance de eu trocar de curso e não gostar, perdendo ainda mais tempo e dinheiro, o pior é a minha avó, ela é bem velha, tem 3 netos contando comigo mas somente eu fui para uma faculdade, ela sonha em ver uns dos netos se formando na faculdade, e realmente fica difícil desapontar ela vendo que ela provavelmente não irá viver muito tempo, metade das irmãs dela já morreram
Tem a chance de quando terminar a faculdade de direito, eu posso fazer mais uma, mais acho que já estarei bem velho comparado com a maioria da classe (me lembro que no ensino médio terminei meu 3 ano com 18 anos, mais da metade da sala tinha 16, quando comecei meu primeiro período a maioria era com 16 para 17, tinha alguns mais velhos que eu no entanto) e não sei se terei dinheiro e tempo para suportar outro curso
Sério, eu não vou mentir, acredito que todo mundo já passou um tempo de dúvida e medo, e sou bastante egoísta e talvez um hipócrita em não estar determinado, fico triste só pensando diversas pessoas que nunca tiveram as mesma oportunidades que eu e mesmo assim contínuo nessa
Sério, esse ano me fez odiar ainda mais os políticos e as pessoas desse nosso país, muita vezes queria que um milagre acontecesse e as coisas melhorarem mas é difícil ver isso acontecer
A única coisas que tenho certeza que quero e que minha família ainda viva em boas condições por muitos anos
Desculpa o desabafo, mas realmente estou precisando ouvir a opinião e experiência dos outros, alguns já passaram por experiência parecidas ? Vocês se arrependeram mas conseguiram superar? Como estam passando nesse tempo de epidemia?
submitted by Centurionzo to brasil [link] [comments]


2020.09.20 01:39 Rod-Molina Eu detessto a mimmnha família

Eu tenho 23 anos, vivo com minha mãe e meu irmão, e desde que meu pai nos deixou, minha mãe depositou um monte de expectativas em mim e vive me cobrando, e no geral me trata como propriedade dela, querendo tomar decisões sobre minha vida por mim e tem zero tolerância quando eu demonstro desinteresse em fazer algo por ela; por exemplo, ela me interrompe enquanto estou estudando para fazer algo por ela, e quando ela quer imediatamente, ela tem um acesso de choro se eu não escondo que estou contrariado; sem ironia, um dia, anos atrás, eu estava fazendo um trabalho de faculdade urgente, trabalhava nele umas 4 horas por dia, e um dia em particular ela ficou me interrompendo repetidas vezes para falar um monte de besteiras, aí uma hora eu falei pra mãe que eu não podia falar com ela, por que estava ocupado demais, logo depois ela teve um acesso de choro; eu não insultei nem ergui a voz para ela, mas é só eu demonstrar um pingo de insatisfação com a atitude dela e pronto, ela chora e depois do choro faz um discurso sobre como tratar as pessoas; isso foi anos atrás, mas esse mês aconteceu de novo, dessa vez ela me obrigou a ir numa casa lotérica num sábado quente para pagar contas para ela, por que ela esqueceu de me pedir no meio da semana, quando eu podia pagar pelo meu celular; e uma das contas vencia naquele sábado, então TINHA que ser pago; outra vez me senti contrariado, e outra vez ela chorou e deu discurso. E ano passado ela me forçou a me juntar a um culto por que uma amiga me convidou dizendo ser um “grupo de estudos”, mas na verdade era um culto; eu falei não antes de iri, falei que não queria ir depois de ir, e ela insistiu até eu me dobrar à vontade dela; fiquei meses me contendo de raiva, por que eu queria fazer qualquer coisa além de perder uma tarde inteira meditando e ouvindo coisas holísticas que não tenho um pingo de interesse em aprender.
Meu irmão tem autismo severo, não tem um pingo de autonomia, ele é praticamente uma eterna criança, então de vez em quando eu também tenho que cuidar dele. Eu também tenho autismo, mas mais leve, tanto que só fui diagnosticado aos 18 anos, e foi poro que um colega de ensino médio, também autista, comentou que eu posso ter Asperger, e isso é mais um motivo que eu detesto a minha mãe; meu irmão foi diagnosticado aos 2 anos (eu tinha 4 na época), minha mãe levou ele a 5 pediatras diferentes, para ouvir a mesma coisa, enquanto eu demonstrava sintomas desde que me lembro como pessoa; eu fazia movimentos repetitivos (fazemos isso para nos acalmarmos, para colocar os pensamentos em ordem), andava pra lá e pra cá (ainda faço isso às vezes), etc, e a minha mãe fazia comentários embaraçosos, tipo “pra quê isso?”, ou “não tem nenhuma necessidade de fazer isso!”, e nunca me levou para ser diagnosticado, no máximo me levou a uma psicóloga aos 14 anos por que eu não fazia amigos na escola; eu fui a primeira pessoa com autismo que ela recebeu no divã dela, então a mãe não fez nenhum esforço para eu receber um diagnóstico. Além disso, ela é muito negligente com o meu irmão, há anos ela o deixa usar a internet sem nenhuma restrição ou controle parental enquanto ela trabalha, e o comportamento dele só foi piorando com o passar dos anos, além de que ele não consegue mais separar realidade de ficção; ele vive falando que tem medo dos antigos colegas de escola dele estarem em perigo, por exemplo da Úrsula (a vilã de A Pequena Sereia 2), e não faz nenhum esforço para ele ter uma rotina saudável de sono, então é comum ele dormir enquanto assiste TV na sala ou até passar a noite acordado. Já tentei conversar com ela mil vezes sobre o comportamento dele, mas ela vive negando, dizendo “filho, a fala dele está melhorando, você não pode dizer que ele não está melhorando.”
Quanto ao pai, não tem muito a se falar; ele não esteve presente a maior parte da minha vida (na real ele perdeu a minha adolescência inteira), e nas poucas vezes que eu o vi depois do divórcio, ele prometia visitar mais vezes e me levar em viagens de pai e filho; eu sendo uma criança autista, acreditava em tudo que ele falava. Hoje em dia eu não sinto mais nada por ele, já falei que não o vejo como pai, mas ele insiste em ser mais presente na minha vida, mas, sinceramente, eu não vejo por que eu precisaria de um pai a esse ponto na minha vida.
Eu já tenho um bom emprego e posso morar sozinho, mas eu não conseguiria deixar a minha mãe e meu irmão, primeiro por que ela está muito velha para cuidar dele sozinha, e tem outros problemas de saúde, segundo, eu não conseguiria não me comparar com o meu pai se fizesse isso.
Por último, eu me odeio; virei um cara amargo, não consigo fazer amigos, tenho problemas de raiva (hoje está sob controle, mas já machuquei tanta gente…), e não me permito ficar vulnerável, é como um reflexo que me faz tirar a minha mão do fogo, simplesmente não dá, a menos que eu beba; já cheguei a beber no expediente para ficar mais “de boa” com meus colegas, nada aconteceu comigo mas não fiz de novo.
Eu não quero conselhos, só quero deixar isso registrado em algum lugar, mas não quero que ninguém que me conheça saiba, pra eu não me aborrecer depois. É isso.
submitted by Rod-Molina to desabafos [link] [comments]


2020.09.19 14:53 TezCalipoca A ignorância é uma bênção

A ignorância é uma bênção. Não sei se alguém já cunhou essa frase antes, mas cada vez mais consigo perceber o quão verossímil ela é.
Não me refiro a ignorância bruta, à forma humana agressiva e violenta, de tratar das coisas sem conhecimento. A ignorância de não saber o que aconteceu com o computador e tentar consertar através de golpes na máquina. A ignorância de um homem que é incapaz de compreender a liberdade e a independência de uma mulher e com isso, parte para agressões, como maneira de justificar a posição superior que supõe estar.
Falo de uma ignorância intelectual. De uma falta de interesse sobre o mundo. Até mesmo de uma falta de ambição. Uma despreocupação com o futuro, com o que se passa em Brasília, com qualquer outra coisa que não seja o agora. Grande parte da população brasileira (quiçá latino-americana) se encontra nesse âmbito da ignorância.
Essas pessoas não possuem grandes metas de vida. Normalmente, no caso masculino, a grande preocupação, o grande sonho, é possuir um carro. Não precisa ser um carro completo, não tem problema pagar 72 prestações de R$500,00. O importante é ter um carro para chamar de seu, que possa usar nos fins de semana, ou quando quiser “dar uma banda”, como se diz por esses rincões gauchescos.
Até mesmo o carro pode ser algo simples. Afinal, o Gol caixa de 1992 é estiloso. Esses homens, que denomino aqui como ignorantes (e veja bem, não me cancele antes de entender o significado e a razão pela qual uso dessa nomenclatura!) almejam, simplesmente, um carro. Trabalham suas oito horas por dia em fábricas, lojas, mecânicas, eventualmente escritórios, com seu salário em torno de R$1.700,00 por mês. Não precisam de mais do que isso. É o suficiente para pagar as prestações do financiamento, os boletos de água, luz, internet e da TV a cabo que não usa. Até consegue fazer sobrar um dinheiro para sair beber uma cerveja com os amigos no fim de semana, ou ir em uma “baladinha pegá as mina”. Ou para tornar esse texto mais próximo da minha realidade geográfica, “pra pegá muié”.
Qual é a meta desses homens, após conseguir seu carro? Investir em uma educação, para poder ter um emprego melhor e que lhe seja mais aprazível? Preparar-se para viajar para lugares diferentes do mundo? Abrir um empreendimento? Não. O homem ignorante não tem ambição, não tem a capacidade de planejar. Para ele, alcançado o seu sonho de ter um carro com 24 anos de idade, é hora de seguir com a vida.
Muitos passam mais alguns anos usando o salário para fazer investimentos. Mas não em ações, negócios ou educação. Investimento no carro. Rodas, som, estofamento de couro, qualquer coisa é suficiente para que o homem ignorante queira usar seu suado dinheiro para fazer seu Kadett 1988 ficar mais atraente, mais potente, mais bonito. Outros homens, porém, não sentem tanta atração assim pelo seu carro. Que fazem então com seu salário? Usam com sua namorada.
A namorada. A mulher. Todo homem ignorante quer ter uma companheira. Não significa que ele seja fiel a ela, ou que ele a ame de verdade. O mesmo talvez seja verdade para com a mulher. O homem ignorante quer uma mulher porque para ele, somente assim ele poderá ter uma família. Mas que tipo de mulher iria se interessar por esse tipo de homem?
A resposta é muito simples. A mulher ignorante. Assim como sua contraparte masculina, ela também não tem ambição, não tem metas, não tem planos. Findo o Ensino Médio, com sua gloriosa festa de formatura, momento mais alto de sua vida, onde está embebida do carinho (nem sempre verdadeiro) de suas amigas. Onde recebe elogios pelo simples fato de respirar. Onde sente que alcançou uma conquista deveras relevante – e que talvez realmente o seja, se considerarmos o contexto da mulher ignorante.
Após esse apogeu da sua juventude, a mulher ignorante segue o mesmo caminho do homem ignorante. Algum trabalho simples, com pouco esforço intelectual, em lojas, supermercados, eventualmente como secretárias ou recepcionistas. Ninguém quer lhe oferecer uma função melhor. Ela não quer uma função melhor.
Qual o sonho dessa mulher ignorante? Ao contrário do homem, não é algo que se materializa em um carro. É algo maior: uma família. Em cidades interioranas, a forte presença de ideários machistas ainda faz as mulheres sonharem em ter um casal de filhos e um marido, em um casamento onde dificilmente haverá amor. Mais justo dizer que há uma obrigação nesse casório. Não querem ter suas vidas, seus sonhos, seus projetos. Querem apenas um lar para cuidar.
É nesse momento que os dois ignorantes se encontram e assim, dão início a sua longeva vida como casal. Talvez se conheçam em uma festa genérica. Talvez se conheçam nas redes sociais, com uma conversa genérica. Talvez sejam apresentados por amigos em comum, também genéricos. Independente de tudo, os ignorantes se encontram e começam sua vida ignorante de maneira conjunta.
Aos poucos os filhos nascem. Normalmente os ignorantes querem um casal de crianças, para que o guri seja educado pelo pai e a guria pela mãe. Assim como seus progenitores, esses pequenos também serão ignorantes, também herdarão essa falta de ambição, de visão, de planejamento.
Mas não vamos nos adiantar. Antes, vamos analisar o casal ignorante. Muitas vezes as amarras machistas se mantem nesses casais, onde a mulher assume o papel de dona-de-casa, como isso função natural feminina. Mas existem casos – muito mais movidos pela necessidade material – onde ambos trabalham. De qualquer forma, a rotina da família é sempre a mesma. As crianças estudam, pai e mãe trabalham. Às vezes há a visita de familiares, primos e tios igualmente ignorantes. As férias, no máximo, consistem em viajar para uma praia. E durante todo o tempo, a família ignorante vai para a mesma praia e faz a mesma coisa. Sentam-se na areia olhando para o nada, bebendo cerveja e mexendo no celular. As crianças, como lhes é próprio da infância, aproveitam para brincar no mar. A imaginação faz com que qualquer grão de areia possa ser único e divertido à sua maneira.
Mas as crianças viram adolescentes. Adolescentes ignorantes. Não há um interesse em estudar, a maior preocupação são as fofocas dos amigos (e dos inimigos) e dar uns beijos, eventualmente. Pai e mãe não fazem essa cobrança dos estudos. Afinal, única coisa que importa é passar de ano. Para que exatamente, não se sabe, mas é importante.
Durante toda essa existência familiar, esse homem, essa mulher e essas crianças ignorantes não almejam nada que esteja fora do alcance. Talvez não saibam da possibilidade disso. São facilmente maleáveis pelos fluxos constantes da sociedade, em suas vertentes sociais e políticas. O pai não entende nada de economia, mas sempre dá sua opinião infundamentada sobre alguma coisa. Normalmente leva em conta o que alguém lhe disse em uma mesa de bar. A mãe, se quer se preocupa com esses assuntos. À mulher ignorante lhe interessa apenas a fofoca, a intriga, os assuntos mundanos próximos da sua realidade. O arroz está caro? Que pena, mas sabia que a tia da Neusa, que era casada com o Robson, agora se casou pela terceira vez, dessa vez com um paranaense?
E os adolescentes ignorantes? São esponjas de ondas políticas e sociais, nem sempre com boas intenções. Quantos por aí sequer abriram um livro na vida? Não possuem nenhum senso de cultura a não ser aquilo que a massa consome. Tom Jobim? Legião Urbana? Djavan? O que lhes interessa é o MC alguma coisa, a dupla sertaneja de nomes genéricos, no máximo alguma cantora pop de renome internacional, como uma Anitta.
Ainda assim, essas pessoas são felizes. A maior preocupação é o entretenimento. O homem ignorante só quer sair nos fins de semana com seus amigos beber cerveja, comer carne e assistir ao jogo de futebol. Mesmo depois de casado, sua maior preocupação continua sendo o futebol e uma eventual bebedeira com seus amigos. A mulher ignorante, mais limitada ainda, só se preocupa com a vida dos outros. Nada lhe deixa mais feliz do que se reunir com suas amigas para conversar sobre a vida das vizinhas. Não há satisfação maior na vida.
E aqui venho novamente dizer que a ignorância é uma bênção. Por quê?, talvez você me pergunte. Afinal, após toda essa crítica a esse lifestyle dos ignorantes, como posso afirmar que isso é uma bênção?
Certa manhã, estava eu, estudando, como tenho feito nos últimos meses. Após estudar o que havia planejado, decido ouvir um pouco de música. Minha criação não foi a mesma de uma pessoa ignorante. Desde criança, minha mãe sempre me incentivou a estudar. Quando eu tinha cinco anos, ela me comprou uma Revista Recreio. A partir daí, desenvolvi um grande interesse pela leitura, pelo conhecimento. Paleontologia, arqueologia, história, até mesmo a criação geológica do planeta, tudo isso me fascinava e me instigava a ir atrás de explicações, de respostas.
Mas estou divagando. Voltemos à música. Meu gosto musical, não sei como foi desenvolvido, mas é um tanto, digamos exótico. Sou um grande aficionado por estilos musicais que não são muito ouvidos pelos rincões do Rio Grande do Sul, onde vivi minha adolescência e meus primeiros anos como adulto. Tango, salsa, jazz, blues, bossa nova, só para mencionar alguns. É claro, não quero dizer que sou um erudito, até porque também gosto de ouvir estilos musicais mais populares.
O ponto que quero tratar aqui, é que nessa manhã, após os estudos, decido ouvir um tango, enquanto me arrumava para sair. A elegância e a qualidade musical me deixaram estupefato de maneira única e logo comecei a refletir sobre meu futuro e como adoraria, em alguns anos, visitar novamente Buenos Aires.
Logo que penso nisso, vejo o que tenho feito da minha vida. Quantas preocupações, ânsias, tormentos não tenho passado por conta do futuro? Em pensar se terei sucesso no que almejo? Não pretendo compartilhar meus sonhos, mas com certeza é algo muito mais grandioso (é claro que é relativo, mas me refiro no sentido de esforço) do que um simples carro.
Pensar em quanto eu e tantos outros, que estão fora dessa categoria de ignorantes, se preocupam com essas questões, me deixou reflexivo. Basta ver a quantidade de pessoas ansiosas no Brasil. Ansiosas por esses mesmos temores: será que terei sucesso? Será que conquistarei o que almejo? Será que vai dar tudo certo? Preocupações essas que os ignorantes não possuem. Afinal, a cerveja da sexta-feira é garantida.
É claro, os ignorantes ainda se preocupam em quem sabe perder o emprego. Mas normalmente, seus trabalhos não requerem muito esforço. Os ignorantes só querem receber o salário, sem se preocupar em buscar uma posição melhor, uma renda melhor.
Com isso concluo que a ignorância é uma bênção. A ignorância lhe permite ter uma vida feliz. Uma vida simples, sem variar muito, mas sem dúvida feliz. Uma vida protegida das hostilidades do mundo, uma vida abençoada, pela ignorância. Através desse véu que ilude e que engana, os ignorantes são satisfeitos.¹
¹É claro que existem inúmeras questões sociais em torno do que compõe os ignorantes. Educação fraca, ausência de ações sociais, pobreza, enfim. Mas o propósito desse devaneio, não é questionar esses problemas, ou sequer apontar as consequências dessa ignorância intelectual. É refletir sobre como a vida é simples para aqueles sem conhecimento. Se você considera como boa, ou ruim, depende de você.
submitted by TezCalipoca to desabafos [link] [comments]


2020.09.19 03:33 Wizard_without_magic O melhor professor

No ano de 2017 eu conhecia o professor que eu considero o melhor que eu ja tive. Muito mais que um professor, ele foi como um amigo pra mim.
Eu era aluno repetente, tinha apenas 2 amigos na quela sala, e conhecemos ele, um professor estagiário de ciências que havia em torno de uns 30 anos, super gente boa com todos alunos e outros professores, não existia aluno ignorado por ele, ajudava a todos. Ele não era aquele tipo de professor rígido e chato, não tinha muito controle da turma, nas aulas dele o pessoal fazia o que queria (infelizmente). Por mais que ele tentasse dar as aulas certo, a turma tava nem aí, e isso parece que desmotivava ele.
Eu não sei exatamente quando que eu e meus outros 2 amigos nos tornamos tão amigos deste professor... aos poucos fomos conversando... sobre experiências da vida semelhantes... sobre games... sobre a própria matéria. Chegamos a fazer churrascos juntos, jogávamos em call e etc...
Quando precisava de uma ajuda podia contar com ele, seja sobre ciência/relacionamentos/ desabafo e etc...
Bom... o tempo passou, tive 2 anos de aula com ele, 2017 no 8° ano e 2018 no 9° ano onde eu havia reprovado e meus outros amigos aprovados.
E aí que tive uma demonstração de quão bom é esse professor. Na situação na qual eu estava... me sentindo um lixo... recebi uma mensagem dele no qual me motivava... não vou entrar muito em detalhes, porém aquela mensagem me ajudou muito mesmo.
No ano de 2019 eu havia mudado de escola para uma que tinha o EJA e meus amigis para o Ensino médio ele continuou dano aulas como estagiário na quela escola por um tempo. Nós mantinhamos contato apenas pelo grupo que haviamos criado no Whatsapp, fizemos apenas um encontro para fazer um churrasquinho e jogar videogame. E fcou por isso só.
No início deste ano... fui convocado pro Serviço Militar Obrigatório, nos primeiros dias foi muito difícil pra me adaptar a rotina daqui, o que é normal no exército (os primeiros dias sempre são fudidos)... Bom, nestes dias difíceis, tive o apoio de meus amigos e meu professor (sim, eu ainda chamo ele de professor, na verdade "sor") , e minha família tmb.
Por mera coincidência, o quartel aonde eu vim é o mesmo que o meu professor serviu, e mais ainda... eu caí no mesmo esquadrão que o dele...
Atualmente mal vejo ele...apenas mantenho contato...
Bom... a idéia era só compartilhar aqui a história de um profissional que eu considero muito. A maioria dos professores que eu tive só faziam o previsto e nada mais, diferente desses, o o tal professor que eu conheci... faz muito além de seu trabalho. Mesmo que algum dia eu perda seu contato, ficará em minhas lembranças como um verdaeiro amigo que tive nesta vida.
submitted by Wizard_without_magic to ProfessoresBR [link] [comments]


2020.09.16 21:10 takamikanchika Desmotivação para tudo (principalmente estudar) e desgosto pela faculdade

Olá, pessoal!

Entrei na faculdade esse ano (2020) e, quando eu comecei, estava impressionada. A universidade é EXCELENTE, tem uma baita de uma estrutura boa e o curso parecia ser tudo o que eu queria. Mas aí, um mês depois, começou a quarentena e o instituto em que estudo na universidade não parou, aí os professores e os alunos tiveram que se adaptar para o ensino remoto. O primeiro semestre foi puxado, mas foi "ok" e os professores foram bem compreensivos.

O segundo semestre começou há pouco menos de um mês e já está beeeeem mais difícil, estou fazendo 7 matérias. Sei que parece pouco, mas cada uma tem um grande número de "horas-aula" e a quantidade de conteúdo e atividades que me passam por semana é enorme.
Ultimamente tenho vivido apenas para a faculdade, até mesmo porque o meu curso é em período integral. Não trabalho, não tenho amigos, não tenho vida social e, desde que começou a quarentena, tenho vivido de forma sedentária.
Além de ver aulas e fazer as atividades acadêmicas, as únicas coisas que faço são os afazeres domésticos, comer e dormir. E, mesmo vivendo só para a faculdade, estou deixando acumular quase tudo, o que sinto que é inevitável, não importa o quanto eu me dedique. Acaba sendo realmente muito grande o tanto de coisas que tenho que fazer para a faculdade.

O problema é que eu não quero me dedicar à faculdade (me dedico bastante, mas não queria). Ao ligar o computador para ver as aulas, estudar ou fazer atividades, a única coisa que sinto é frustração. Não sei ao certo o motivo disso. Não sei se isso pode estar associado com a quebra de expectativa (por conta do ensino remoto) ou se talvez possa ser o fato do meu curso ser muito mais difícil do que eu esperava (o curso é Matemática e, particularmente, acho bem difícil) ou se talvez eu não goste de algo que achava que gostava ou se talvez tenha a ver com eu estar simplesmente desmotivada para tudo e isso estar influenciando na maneira como vejo o curso ou algo do tipo.
Me sinto simplesmente desmotivada para qualquer coisinha. Nem mesmo jogar joguinhos eletrônicos e ver filmes/animes me motiva mais (e olha que eu adoro isso). Ultimamente, a única coisa que quero é ouvir música ou dormir. Só me sinto confortável se estiver ouvindo música, lendo alguma coisa não relacionada com a faculdade (já que escuto música quando leio) ou dormindo.

Quando entrei na faculdade achei que eu amava Matemática, mas estou duvidando cada vez mais disso.
Estava me perguntando se eu não deveria trocar de curso, mas há um grande problema com isso:
As minhas únicas opções de curso eram Matemática e Filosofia. Em Exatas, a única área que eu gosto é Matemática pura. Detesto Matemática aplicada, Engenharia, etc. Adoro Humanas, mas não sinto vontade de fazer outros cursos na área de Humanas que não sejam Filosofia. Não me dou bem com Biológicas (embora eu ache interessante). Se eu for fazer Filosofia, minhas chances de conseguir emprego serão muito piores do que com eu fazendo Matemática (sinto que, em Filosofia, até mesmo conseguir emprego como docente é difícil... isso se não tirarem a Filosofia do Ensino Médio, o que é bastante possível...). E eu provavelmente vou dar um desgosto enorme para a minha família, de sair de um curso de exatas para ir para as humanas (já conversei com a minha mãe sobre isso e ela não gostou nem um pouco da ideia).
Ainda estou no primeiro ano do curso e já estou me sentindo assim. Pode ser que nos outros anos eu mude de ideia, mas estou com muito medo de só piorar.

Entrei na faculdade com o propósito de ser pesquisadora, fazer mestrado e doutorado e me tornar professora universitária no campo de Matemática. Mas sinto que não tenho mais vontade disso. Na verdade não tenho certeza disso, mas não tenho certeza de nada.

Não sei se estou desmotivada para tudo por causa da faculdade ou se me sinto assim em relação à faculdade porque estou desmotivada para tudo.

TL;DR: o título diz tudo.

Obrigada a quem leu até aqui!!!! :)
submitted by takamikanchika to desabafos [link] [comments]


2020.09.08 19:39 Malarazz Resultados do censo do /r/futebol 2020

Introdução
Primeiramente, obrigado a todos que responderam o censo! Tivemos 371 respostas esse ano, comparado com 68 em 2018.
Essa thread vai ser enorme. Nela, vou descrever e comentar sobre as estatísticas mais interessantes de cada uma das perguntas, principalmente respectivas aos 13 clubes grandes do Brasil. Quem preferir visualizar sozinho de maneira mais completa pelo google forms, aqui está o link do censo. Já quem gostaria de comparar com o último censo de 2,5 anos atrás, aqui está ele. Lembre-se que o censo foi separado em 4 categorias. Sinta-se à vontade pra pular pra categoria mais interessante (na minha opinião a 3) se não quiser ou não aguentar ler tudo. As perguntas estão numeradas e na mesma ordem que estavam no censo, então vocês também podem pular pra discussão das perguntas que acham mais interessantes.
Parte 1: Perguntas Demográficas
1) Aonde você nasceu? -- De 2018 pra cá, o subreddit ficou bem mais diversificado com esse quesito. Apesar de São Paulo continuar liderando, proporcionalmente o estado caiu muito. 76 (21%) dos usuários nasceram lá, enquanto que 22 (32%) ano passado. Rio Grande do Sul vem em segundo e Rio de Janeiro em terceiro, com 67 e 55 membros respectivamente (18% e 15%).
Curiosamente, apesar de ter metade da população e um futebol menos tradicional, o Paraná tem mais usuários do que Minas Gerais: 34 vs 25 (9% vs 7%). Outro fato bastante curioso são os estrangeiros. Os 4 portugueses nós já esperávamos, até por causa do Jorge Jesus. Mas além deles, 2 usuários nasceram em outro país da América do Sul, 3 na América do Norte, 2 em outro país da Europa, e 1 na Ásia, pra um total de 12 (3%) usuários que são estrangeiros. A proporção esse ano ficou parecida com a do censo passado, quando 2 (3%) dos usuários nasceram fora do Brasil. Fico muito curioso pra saber da vida desses usuários: se vêm de pais brasileiros ou simplesmente falam português e gostam da cultura e/ou futebol brasileiro.
2) Aonde você mora? -- Ranking muito parecido com o de nascimento, porém claro, com mais usuários morando no exterior do que nascendo lá. 30 (8%) usuários moram no exterior, sendo 13 (43% deles) na América do Norte. Essa proporção foi um pouco menor que os 9% de 2018.
3) Qual é o seu gênero -- 8 (2%) usuários são mulheres, enquanto em 2018 eram 2 (3%). Nenhuma surpresa aqui, quando combinamos duas coisas extremamente masculinas (futebol, e reddit para brasileiros).
4) Qual é sua cor ou raça? -- Similar ao censo do /brasil que agora perdi o link, 275 (75%) dos usuários são brancos, 70 (19%) pardos, 12 (3%) negros, 6 (2%) asiáticos, 2 (1%) árabes e 1 indígena. Tanto aqui quanto no gênero a gente vê que a população do /futebol não é nem um pouco representativa da população brasileira em geral.
5) Qual é sua idade? -- Semelhante ao censo passado, a faixa etária mais comum é 23 a 27 anos com 138 (37%) usuários. Em seguida vem 18 a 22 anos com 114 (31%), 28 a 32 anos com 66 (18%) e menos de 18 anos com 25 (7%). Os 2 (1%) usuários mais velhos têm entre 43 a 47 anos.
6) Qual é o seu grau de escolaridade? -- 159 (43%) usuários atualmente cursam o ensino superior. 77 (21%) têm graduação completa, 33 (9%) estão cursando pós-graduação, e 32 (9%) têm pós-graduação completa. Acho que seria bom ter separado mestrado e doutorado nessa questão. Talvez seja uma ideia interessante pro próximo censo.
7) Se você cursou ou está cursando o Ensino Superior, qual é sua área de formação? -- Dos 307 respondentes, 64 (21%) fazem ou fizeram Engenharia, 58 (19%) ciências sociais ou humanas, 47 (15%) ciência da computação ou similares, 35 (11%) administração e negócios e 34 (11%) direito. Essa é um pergunta complicada de analizar porque muitas pessoas escreveram "Other: xx" quando talvez se encaixava numa das opções dadas.
8) Qual é sua situação no mercado de trabalho? -- 146 (40%) usuários apenas estudam, enquanto 94 (26%) estudam e trabalham, 91 (25%) só trabalham e 34 (9%) estão desempregado.
9) Qual é seu status de relacionamento? -- Confirmando um estereótipo do reddit, 256 (69%) usuários estão solteiros. 79 (21%) em um relacionamento estável, 26 (7%) casados e 7 (2%) noivos. Me pergunto qual as porcentagens pra população brasileira em geral pra essa faixa etária. PS: não leiam as respostas manuais.
10) Há quanto tempo você usa o reddit? -- 89 (24%) usuários usam o reddit há mais de 5 anos, enquanto 69 (19%) usam há entre 1 e 2 anos. Apenas 41 (11%) usam há menos de 1 ano, sendo 17 desses (41% dos 41) há menos de 6 meses.
Parte 2: Futebol Como Passatempo
11) Há quanto tempo você acompanha o /futebol? -- Curiosamente, ao contrário da última pergunta, a maioria dos usuários são novos no pedaço. 133 (36%) entre 1 e 2 anos, 90 (24%) entre 6 meses e 1 ano e 73 (20%) há menos de 6 meses. Apenas 39 (11%) estão aqui há mais de 3 anos.
12) Que tipo de usuário você é? -- Aqui a gente vê algo que já é conhecido no reddit afora. A regra de Pareto, 80% do conteúdo é criado por 20% dos usuários.
228 (62%) usuários lêem as threads e/ou comentários mas raramente fazem o próprio, enquanto que 110 (30%) escrevem comentários mas raramente criam threads. Sobram apenas 30 (8%) que criam threads com certa frequência.
13) Como você descobriu o /futebol? -- Essa foi uma das questões mais surpreendentes pra mim. 207 (56%) usuários descobriram o /futebol no /brasil ou em outro lugar do reddit, enquanto que 148 (40%) simplesmente digitaram futebol no reddit torcendo pra existir. Apenas 7 (2%) vieram aqui por indicação de um amigo, enquanto que só 3 (1%) acharam o /futebol pelo google.
Para os veteranos que lembram do golpe ano passado, imagina se a gente tivesse migrado pro /FutebolBR? Ia perder um monte do fluxo de novos usuários.
14) Quantas partidas você costuma assistir por semana? -- 181 (49%) usuários assistem futebol 1 ou 2 vezes por semana, enquanto que 104 (28%) assistem 3 ou 4 vezes por semana e 33 (9%) assistem entre 1 vez por mês e 1 vez por semana. Apenas 19 (5%) usuários assistem 7 vezes ou mais por semana, enquanto que só 6 (2%) nunca ou quase nunca assistem. Uma ideia pro próximo censo seria separar as opções por 1, 2, 3, etc. invés de "1 ou 2".
15) Como você mais costuma assistir as partidas em casa? -- 159 (43%) costumam assistir por streaming, enquanto que 90 (24%) pelo premiere, 63 (17%) por TV a cabo sem ser premiere e 45 (12%) por TV aberta.
16) Você assistiu a quantas partidas no estádio em 2019? -- 178 (48%) usuários não assistiu nenhuma partida no estádio em 2019, o que eu achei bem curioso. 84 (23%) assistiram a 1 uma 2 partidas e 37 (10%) assistiram a 3 ou 4 partidas. Surpreendemente, 40 (11%) assistiram a 9 ou mais partidas ano passado.
17) Você costuma assistir partidas sem ser nem seu time nem seu rival jogando? -- Essa foi uma pergunta meio confusa que acho que precisa ser reformulada no próximo censo. Só não sei pra o que. Ainda assim, 188 (51%) usuários costumam assistir apenas jogo importante, enquanto que 138 (37%) aceitam assistir qualquer tipo de partida mesmo sem ser importante ou do seu time. 34 (9%) não costumam assistir partidas sem ser nem seu time nem seu rival jogando.
18) Você acompanha as ligas nacionais de quais países? (Selecione todas que acompanhar) -- 321 (87%) acompanham o Brasileirão, 231 (63%) a inglesa, 135 (37%) a espanhola e 100 (27%) a alemã. Apenas 57 (15%) acompanham a liga francesa do Neymar, e só 22 (6%) não acompanha nenhuma liga.
Há algumas diferenças interessantes perante ao censo passado. O Brasileirão caiu por 12% (67 ou 99% dos usuários em 2018) e a francesa caiu por 40% (17 ou 25% dos usuários em 2018), enquanto a alemã aumentou em 69% (11 ou 16% dos usuários em 2018). Interessante também os usuários que acompanham as ligas do Japão, da Austrália e da Nova Zelândia.
19) Você costuma assistir campeonatos estaduais? Se sim, quantos jogos? -- 187 (51%) usuários assistem vários jogos, inclusive contra times menores, enquanto que 118 (32%) assistem apenas jogos importantes e 59 (16%) raramente ou nunca assistem, ou só assistem só a final.
20) Se você acompanha campeonatos estaduais, você acompanha os de quais estados? (Selecione todos que acompanhar) -- Pra surpresa de ninguém, o Paulistão é o estadual mais badalado com 191 (55%) usuários acompanhando. Porém, apesar de termos mais gaúchos do que cariocas, o Campeonato Carioca ganha audiência de 162 (47%) usuários enquanto que o Gauchão apenas 106 (31%). Faz sentido, pois tem muita gente de outros estados que torcem pra times cariocas, e também porque simplesmente é um estadual mais competitivo.
Talvez por motivos parecidos, 49 (14%) usuários acompanham o Campeonato Mineiro enquanto que só 28 (8%) acompanham o Paranaense. Apenas 4 estados, Acre, Alagoas, Piauí e Roraima têm seus estaduais completamente ignorados pelo /futebol. Os resultados são parecidos com 2018, porém na época haviam 10 estados com 0 espectadores.
21) Como você acha que devem mudar os estaduais? (Tente selecionar a opção mais próxima da sua ideia) -- Chegamos à primeira pergunta suculenta e polêmica do censo. Apesar de eu ter pedido pra selecionarem uma das opções, muita gente quis detalhar sua ideia, o que efetivamente vira um voto nulo pro censo. Mas tudo bem.
119 (categoria A, 32%) usuários acham que o formato atual tá bom como tá ou deve apenas ser levemente reduzido, enquanto que 89 (categoria B, 24%) acham que times grandes devem entrar direto no mata-mata e 145 (categoria C, 40%) acham que times grandes devem parar de disputar estaduais.
Algo interessante que já era de se esperar foi a correlação entre a frequência que a pessoa assiste estaduais e sua opinião sobre o atual formato. Dos 159 usuários que assistem vários jogos, 43% tem opinião na categoria A, 16% na B e 41% na C. Dos 127 usuários que assistem apenas jogos importantes e/ou clássicos, 27% pertencem à categoria A, 35% à B e 38% à C. Dos 54 usuários que raramente ou nunca assitem, 29% pertencem à categoria A, 17% na B e 54% na C. Nos números deste parágrafo foram ignorados os usuários que “votaram nulo” no censo.
Apesar de fazer sentido na minha cabeça, não pôde ser visto uma correlação entre o entusiasmo do usuário sobre futebol e sua opinião sobre o formato de estaduais (i.e. usuários que assistem 2 ou menos partidas de futebol por semana vs usuários que assistem 3 ou mais partidas por semana).
22) Enquanto continuar existindo estaduais no formato atual, você acha que clubes grandes deveriam disputar com força máxima ou com reservas/sub-23? -- Semelhante à última pergunta, 179 (49%) usuários querem força máxima em clássicos e decisões e sub-23 nos demais, 150 (41%) querem sub-23 sempre e apenas 33 (9%) querem força máxima sempre.
23) Antes da pandemia, você jogava futebol? -- 202 (55%) usuários não costumavam jogar. Até que faz sentido pela demografia (ou estereótipo) do reddit. 61 (17%) usuários jogavam menos de 1 vez por mês, enquanto 45 (12%) 1 vez por semana. Apenas 8 (2%) jogavam 3 vezes por semana ou mais.
24) Você costuma assistir futebol feminino? -- 249 (68%) usuários não assistem, enquanto que 101 (28%) assistem às vezes e apenas 12 (3%) assistem com certa frequência. Além disso, 4 usuários escreveram "somente olimpiadas ou copa do mundo".
25) Além do futebol, qual outro esporte você costuma assistir? (Selecione todos que assistir) -- Esse foi talvez o meu maior erro no censo. O Ayrton Senna tá se revirando no caixão, tadinho. Eu esqueci de incluir Fórmula 1! Num censo pra brasileiros! O esporte que eu vejo meu vô assistir todo domingo! Esqueci o Tênis tambem mas no Brasil esse é esquecível, azar. Em minha defesa eu ainda dei um google "esportes mais assistidos no brasil", mas só apareceu um monte de artigo sobre os esportes mais praticados.
Anyway, essa pergunta me surpreendeu um monte. O grande líder foi e-sports com 143 (39%) usuários dando audiência. Basquete veio em segundo com 131 (36%) e futebol americano em terceiro com 95 (26%), enquanto que 86 (24%) usuários só assistem futebol. Me surpreendeu também que os esportes que eu achava populares no Brasil, luta e vôlei, só tem 56 (15%) e 46 (13%) usuários assistindo, respectivamente. E o futsal que é o mais parecido com o futebol só tem 28 (8%) espectadores. Curiosamente, temos um usuário que assiste xadrez, um curling e um punhobol. Não me pergunta o que é isso. Also, tivemos 4 usuários que selecionaram tanto um esporte quanto “nenhum, só o futebol.” 🔔🔔 Shame 🔔🔔 Shame 🔔🔔 Shame 🔔🔔.
No próximo censo, além de acrescentar Fórmula 1, acho que seria uma boa ideia separar e-sports em CS, LoL, DotA e FIFA/PES. Não sei se esses são o top 5 ou tem mais.
Parte 3: Futebol Como Paixão
26) Qual é o principal clube pro qual você torce? -- Essa pergunta foi bem interessante. Era óbvio que o Flamengo iria ganhar, por ter a maior torcida e tar em ótima fase. 71 (19%) tem o Flamengo como time principal. Mas a grande surpresa pra mim foi o Grêmio aparecer em segundo com 49 (13%), atropelando o Corinthians com seus 35 (10%). Tu pode pensar “faz sentido porque muita gente coloca o Corinthians como segundo time”, mas não, apenas 1 usuário colocou, enquanto 2 colocaram o Grêmio.
Fora isso, temos Inter e São Paulo empatados com 33 (9%), Palmeiras com 24 (7%) e Vasco com 20 (5%). O Atlético-MG com 15 (4%) tem quase o dobro que o Cruzeiro com 8 (2%). Isso pode ser um sintoma da fase horrível do Cruzeiro.
27) Aproximadamente o quão longe você mora do estádio do seu time? -- Outra surpresa, 114 (31%) usuários moram a mais de 500km do estádio do seu time. Apenas 77 (21%) moram a menos de 10km, enquanto que 60 (16%) moram entre 10km e 30km e 38 (10%) moram entre 30km e 100km.
28) Você se considera torcedor de dois clubes brasileiros? -- E aqui temos outra pergunta polêmica, que quer saber não apenas sim ou não como tambem tua opinião. Nessa, a descrição vai ser longa. Daqui em diante vou chamar os usuários que responderam sim de “bitorcedores.”
Superficialmente, apenas 59 (16%) usuários torcem pra dois clubes. 145 (39%) não mas respeitam, 72 (20%) não e nem tem opinião e 91 (25%) não e acham um absurdo. Mas a gente não vai parar na superfície.
Acho que todos nós esperávamos que o Flamengo seria o clube mais popular entre os bitorcedores. E de fato ele foi. Mas eu esperava que seria por uma diferença muito mais gritante. Apenas 12 dos 56 (21%) bitorcedores torcem pro Flamengo. Em segundo lugar vem o São Paulo com 9 (16%), e em seguida, de maneira surpreendemente, Grêmio e Inter empatados com o Corinthians com 7 torcedores cada (13%). Por outro lado, 2 (4%) bitorcedores torcem pro Santos, e 1 (2%) pra cada um de Cruzeiro e Atlético-MG. Segue a tabela completa mais pra baixo, mas antes disso deixa eu explicar ela melhor.
Comparando a quantidade de bitorcedores com o total de torcedores pra cada clube, vemos que a grande maioria (8 dos 13) tem entre 13% e 19% da sua torcida torcendo pra um segundo clube. A maior proporção foi do Athletico, onde 3 dos 11 (27%) torcedores torcem pra um segundo clube. Já as menores foram do Botafogo (0 dos 5) e Atlético-MG (1 dos 16, 6%). São Paulo tem 9 dos seus 38 (24%) torcedores torcendo pra outro time, enquanto o Santos tem 2 dos 8 (25%). Note que o Flamengo, alvo desse stigma, tem uma proporção normal, considerando que 12 dos seus 71 (16%) torcedores torcem pra um segundo time.
Por último, vemos a proporção de usuários por clube que acha um absurdo torcer pra 2 times. O Atlético-MG foi disparado o clube mais intolerante, onde 11 dos seus 16 (69%) torcedores acham um absurdo uma pessoa ter dois clubes do coração. Já o Athletico tem 5 dos seus 11 (45%) torcedores pensando dessa forma, enquanto o Flamengo tem 7 dos 76 (9%) e o São Paulo 3 dos 38 (8%) achando um absurdo torcer pra dois times. A tabela completa com toda essa informação para os 13 grandes aparece abaixo.
Time X Dos usuários que torcem pra 2 times, o número que torce pro time X Dos usuários que torcem pra 2 times, a % que torce pro time X Dos torcedores do time X, a % que torce pra 2 times Dos torcedores do time X, o número que acha um absurdo Dos torcedores do time X, a % que acha um absurdo Número total de torcedores do time X
Athletico 3 5% 27% 5 45% 11
Atlético-MG 1 2% 6% 11 69% 16
Botafogo 0 0% 0% 0 0% 5
Corinthians 7 13% 19% 8 22% 36
Cruzeiro 1 2% 13% 3 38% 8
Flamengo 12 21% 16% 7 9% 76
Fluminense 2 4% 17% 3 25% 12
Grêmio 7 13% 14% 17 33% 51
Inter 7 13% 19% 12 33% 36
Palmeiras 5 9% 19% 3 12% 26
Santos 2 4% 25% 1 13% 8
São Paulo 9 16% 24% 3 8% 38
Vasco 4 7% 16% 7 28% 25
29) Qual é o segundo clube (aquele que fica geograficamente mais longe de você) pro qual você torce? -- Essa pergunta ficou meio confusa porque usuários organizaram de forma diferente o primeiro e o segundo clube. Não sei como reformular ela no próximo censo. Talvez “qual é o segundo clube (aquele que for “maior”) pro qual você torce”?
De qualquer forma, as estatísticas interessantes já aparecem na última pergunta. Aqui, vemos que 275 (77%) usuários não têm segundo clube, enquanto 5 (1%) torcem pra cada um de Flamengo, Vasco, São Paulo e por incrível que pareça, Paysandu. Curiosamente, 3 (1%) escolheram o Milan.
30) Fora o maior rival, qual clube você mais quer ver perder? -- Outra pergunta suculenta sugerida por algum usuário aqui há muito tempo atrás. Essa também vai ter uma discussão enorme, então botem o cinto gurizada.
Superficialmente, pra surpresa de pouca gente, nós vemos o Flamengo sendo o clube mais desprezado do Brasil, com 96 (26%) usuários querendo vê-los perder. Curiosamente, isso é muito maior do que a quantidade de usuários que apenas querem o mal pro rival (60, 16%) e que não querem o mal pra ninguém (36, 10%). O Corinthians é claro vem em segundo com 60 (16%). Palmeiras tem 38 haters (10%) e São Paulo 14 (4%). Pra minha surpresa, apesar de todas suas falcatruas, Cruzeiro tem apenas 11 (3%) e Fluminense só 8 (2%). Meu tio sempre teve a opinião de que o pessoal fora do RS não gosta do Grêmio por considerar ele um time argentino, mas não vemos isso aqui. 0 usuários escolheram ele, enquanto apenas 2 (um torcedor do Caxias e outro do Grêmio) desprezam o Inter.
Mas podemos ir mais fundo. Primeiramente, tal como ilustrado acima, houve muitos usuários que selecionaram o nome do seu rival invés de selecionar “Apenas quero o mal pro meu rival.” Talvez fosse melhor reformular essa pergunta pra “qual clube de outro estado você mais quer ver perder.” Enfim, pra diminuir esse problema com os dados, eu editei cada usuário que escolheu o nome do seu rival para “apenas quero o mal pro meu rival.” Clubes gaúchos, mineiros e paraenses foram fáceis. Para os cariocas, eu considerei o Flamengo como rival de todos os outros três grandes, enquanto que o Vasco e Fluminense são simultaneamente rivais do Flamengo, mas o Botafogo não. Já em SP, o Corinthians, São Paulo e Palmeiras são simultaneamente rivais um do outro, enquanto o Santos ficou sem rival.
Levando em consideração apenas torcidas de tamanho médio (4 ou mais), sobram 351 usuários. As maiores diferenças são no Palmeiras e São Paulo. O primeiro caiu para 27 (8%) usuários que o desprezam, enquanto que o São Paulo caiu para 4 (1%).
Os clubes que mais desprezam o Flamengo são o Santos (6 dos 8, 75%), Atlético-MG (10 dos 15, 67%), e Palmeiras (14 dos 24, 58%). O único clube com muitos torcedores (10 ou mais) que não quer ver o Flamengo perder mais que todos os outros foi o Inter. 8 dos 31 (26%) colorados desprezam o Flamengo, enquanto que 17 (55%) despreza o Corinthians. Isso faz sentido, porque o Corinthians “roubou” um Brasileirão em 2005 enquanto o Flamengo meteu 5 a 0 no Grêmio ano passado.
Dos clubes com poucos torcedores, Ceará (0 dos 5) e Santos (0 dos 8) são os com mais desgosto no coração (0 torcedores “não querem o mal pra ninguém”), enquanto que Cruzeiro é o mais pacífico (3 dos 7, 43%). Dos clubes com muitos torcedores, Atlético-MG (0 dos 15), Athletico-PR (0 dos 11) e Inter (1 dos 31, 3%) são os com maior antipatia por outros clubes, enquanto que o São Paulo (4 dos 37, 11%) é o mais pacífico.
Segue a tabela completa para quem quiser ver. Para ler a tabela: 20% dos 15 torcedores do Atlético-MG, por exemplo, querem o mal apenas pro seu rival, 7% pra cada um de Corinthians e Fluminense e 67% pro Flamengo.
31) Fora o(s) seu(s) clube(s) do coração, com qual clube você mais simpatiza? -- Uma pergunta um pouco diferente da de dois torcedores. Temos usuários que torcem pra dois times e simpatizam com um terceiro. Temos usuários que torcem só pra um time mas simpatizam com outro. E temos usuários que não simpatizam com nenhum - especificamente, 103 (28%).
Dos times com simpatizantes, pra minha surpresa, a Chape ficou apenas em segundo com 22 (6%) usuários. O time mais simpático do /futebol é o Vasco com 26 (7%). O Bahia fecha o pódio com 19 (5%). Fora isso, podemos ver algumas curiosidades ao analizar mais profundamente.
Dos 86 torcedores da dupla grenal, 3 (3%) deles simpatizam com o arquirival, enquanto que 1 vai mais longe e considera o arquirival seu segundo time. Curiosamente, essa pessoa mora em Porto Alegre ou região (i.e., a menos de 10km do estádio). Nenhum dos 24 Cruzeirenses e Atleticanos torce ou sequer simpatiza com o rival. Nenhum dos 20 Coritibanos e Athleticanos torce ou sequer simpatiza com o rival. Dos 5 torcedores do Botafogo, 1 (20%) simpatiza com o Fluminense, enquanto que dos 76 torcedores do Flamengo, 1 simpatiza com o Botafogo. Curiosamente, 2 (3%) torcedores do Flamengo e 1 dos 25 (4%) torcedores do Vasco desprezam o Botafogo acima de todos os outros. Dos 38 torcedores do São Paulo, 3 (8%) simpatizam com o Santos, enquanto que dos 36 torcedores do Corinthians, 1 (3%) simpatiza com o Santos.
32) Você participa de alguma torcida organizada? -- Gostei dessa pergunta. E até fiquei surpreso com os resultados. Temos 9 (2%) usuários do sub que atualmente participam de uma torcida organizada. Além disso, temos 2 (1%) usuários que já participaram delas. Um falou que parou por “questões de tempo, responsabilidades e etc.” enquanto o outro comentou “acho que são importantes no estádio, mas a estrutura e cultura delas é lamentável” (eu gostaria de ouvir mais sobre isso).
Fora isso, 182 (49%) usuários responderam “não, e sou indiferente,” 93 (25%) “não, mas apoio elas,” 59 (16%) “não, e odeio elas” e 20 (5%) “não, mas tenho amigos que participam.” Dos usuários que escreveram sua propria resposta, um colocou “gosto da festa e não gosto da briga,” outro “não, mas sei que a maioria dos seus integrantes não são bandidos infiltrados,” mais um “não, e acho que as vezes atrapalham o futebol, porém algumas fazem um trabalho fenomenal (Fortaleza),” e por último “não participo, gosto da festa que fazem, mas são problemáticas na questão da violência.”
Parte 4: Futebol Como Profissão
33) Você já tentou seriamente virar jogador de futebol profissional? -- Uma pergunta interessante que eu não tinha muitas esperanças de receber um “sim”, mas ainda assim recebemos. 1 usuário conseguiu enquanto 24 (7%) tentaram mas não conseguiram. Outros 22 (6%) tiveram parentes que conseguiram. 318 (86%) simplesmente nunca tentaram.
Outra coisa interessante foram as respostas manuais. Um usuário escreveu “joguei em categorias de base mas nunca tive ambição,” outro “jogo nas categorias sub 17,” e o meu favorito, “não, mas tive um ex-colega que treinou no Internacional e teve chance de ir para o Real Madrid, mas foi tonto e perdeu a chance porque não quis ficar longe da família.” Imagina se o Messi tivesse pensado dessa forma. Imagina se tivesse alguém com ainda mais talento que o Messi mas que pensou dessa forma e o talento nunca floresceu. Perguntas interessantes.
34) Você já tentou ganhar a vida do futebol sem ser jogador, pelo menos por um tempo? Se sim, como? -- Pergunta parecida com a anterior, porém mais ampla. Ainda assim, não gostei dela. Ela teria que separar “tentei e não consegui” de “tentei e consegui,” e talvez “tentei, consegui, e continuo conseguindo.” Mas não tenho nem ideia qual o melhor jeito de fazer isso.
De qualquer forma, 344 (93%) usuários nunca tentaram. Dos 26 que tentaram, 10 (38%) foram como apostador, 5 (19%) como jornalista, 2 (8%) como técnico, 1 (4%) como dirigente e 1 como narrador. Nenhum usuário selecionou Youtuber da lista, mas um escreveu “além de Youtuber, também planejo ser Técnico ou Preparador.” Além disso, um usuário escreveu que já estagiou em medicina do esporte no Athletico, outro “Quadra de Futebol Society,” mais um “Faltou e-Sports aí na lista,” enquanto outro afirmou ser diretor do Criciúma!
Conclusão
Então é isso. Termina mais um censo do /futebol. Espero que vocês tenham achado interessante. Mas lembrem-se que não dá pra extrapolar muito os dados desse censo, e que a população do /futebol não é nada representativa da população de torcedores brasileiros de futebol. Agora pra sair outro censo acho que talvez só em 2022, então aproveitem esse.
submitted by Malarazz to futebol [link] [comments]


2020.08.19 04:37 FlavioKD9 Um desabafo (de anos) um tanto quanto longo

Bom dia, boa tarde ou boa noite, queria deixar claro aqui que se você tiver paciência pra ler e opinar, agradeço. Mas já sei que vou levar muitos down votes, por que sei que o meu “problema” é nada comparado a outros mil que tem aqui.
Bom, vou começar da minha infância, sempre tive que me virar sozinho pois meu pai e minha mãe trabalhavam muito, e não tinha ninguém para me ajudar, então desde cedo cresci sozinho, e me virando. Isso é bom, aprendi desde cedo a cozinhar, limpar a casa, tarefas básicas do dia a dia. Na escola, nunca fui de ter muitas amizades, eu sempre fui o garoto gordinho que ficava sentado sozinho lendo ou escutando música. Isso perdurou até o fim do ensino fundamental, quando fui para o ensino médio, os problemas de amizade diminuíram um pouco, fiz alguns amigos que duraram exatos 3 anos. Eu já tinha gostado de algumas garotas na época do fundamental, mas nunca tinha me declaro por ser feio e gordo, eu achava isso ruim, mas, desde aquela época, não tinha força de vontade para encarar uma academia ou algo do tipo. Voltando para o ensino médio, começaram a aparecer os primeiros resquícios de falsidade entre os amigos, e então, eu me declarei para uma amiga, estávamos bem próximo na época, e aí aconteceu o que? A friendzone? Não, foi algo pior, quando eu me declarei para ela, ela me olhou e disse que não gostava de mim, e só tinha ficado mais próximo, para mim ajudar ela a ficar com o meu melhor amigo.
Lembra que tinha melhorado o meu problema com amizade? Então, a partir daquele momento, tudo tinha voltado para a estaca zero. Enfim, terminei o ensino médio com perrengues e muitas greves, inclusive eu tive o privilégio de conseguir fazer um curso pré-ENEM, se não estaria muito ferrado naquela maldita prova. Logo depois tive que encarar uma decisão fudida quando você tem 17/18 anos: o que fazer do futuro? Como a maioria (fontes das vozes na minha cabeça), eu não fazia ideia do que escolher, até porque eu gostava de jogar videogames, ler e escutar músicas. Foi então que decidi fazer Análise e Desenvolvimento de Sistema, e eu... odiei. Desenvolver é mágico, mas não é para mim. Então, teve todo um rolo com problema de matricula na minha faculdade, e eu iria perder um semestre, e como eu já não aguentava mais, eu decidi sair, foi então que por pressão dos meus pais (eu entendo que eles queriam o meu melhor e que eu tivesse pelo menos um diploma para não prejudicar o meu futuro), eles me fizeram entrar em uma faculdade particular, só que não tinha nenhum curso que me chamasse atenção, então vamos novamente para Análise e Desenvolvimento de Sistemas, como eles estavam pagando, eu tinha a obrigação de dar o meu melhor e passar. Ok, eu ia fazer o ENEM de novo, para tentar alguma outra coisa, foi então que eu tive a brilhante (idiota) ideia de ir para o oposto do que já estava estudando, entrei para História Bacharel (não me pergunte o porquê, pois foi um surto meu), cursei um ano, e por divergências de opiniões e expectativas frustradas (!), resolvi trancar, até para terminar a outra faculdade.
No final do ano passado (2019, que saudades de quando não tinha quarentena), conclui a faculdade particular, então meus pais estavam tranquilos, porque se desse alguma merda, eu tinha uma formação, e eu estava no começo da minha “crise”. No início desse ano, meu único e fiel amigo, que me acompanhou por 11 longos anos, morreu com uma doença que até hoje não descobrimos o que era, fizemos de tudo para salvar, mas não rolou. Eu e meus pais éramos muito apegados nele, resumindo ele dava alegria e energia para a casa. 2020 já tinha começado daquele jeito, que merda. Vou passar por alguns meses porque foi um trauma e meses de “recuperação”, então aconteceu a merda da COVID, comecei a ter crises de ansiedade quando via as notícias de quantas pessoas morriam por dia. Meses de ansiedades e falta de estabilidade mental depois, acontece uma parada que eu nunca tinha tido (ou, pelo menos, não lembro), eu me apaixonei platonicamente por uma artista brasileira 5 anos mais velha, desde o início dessa “paixão”, eu tentei colocar na minha cabeça de que nunca ia rolar (até hoje estou tentando) até mesmo para não me frustrar, mas não funcionou, e o pior é que não é nada sexual, ou coisa do tipo, é gostar de estar com a pessoa, ouvir ela falar, cantar, etc. Eu sei que agora provavelmente você deve estar pensando: “Alerta de maluco!!”, até porque eu estou pensando isso agora.
Ok, depois de estar formado, com uma faculdade trancada, apaixonado por uma atriz, chegou a famosa (conheci fazem 15 minutos) crise dos 20 e poucos. Meu pai é baterista e eu sempre vivi em volta da música, mas nunca tive determinação de aprender um instrumento. Mas, agora na quarentena, me veio a vontade de aprender a tocar violão (eu já o tinha parado há alguns anos, ganhei em algum aniversário), só que aí veio os sonhos malucos, comecei a sonhar alto demais, e, sempre que se sonha alto, vem as frustrações, por que é a minoria que consegue o que eu comecei a sonhar. Eu sonhei em ser Ator, Diretor, Escritor, Músico, resumindo, eu quero ser famoso, e eu sei que a partir do momento em que eu sonhei isso, já virou uma bola de neve de frustrações, porque para ser bom nessas coisas, a pessoa tem que treinar desde criança/adolescente, e eu com meus 21 para 22 anos, não sou mais um estudante, e sim um desempregado. Comecei a fazer pesquisas sobre a área e sobre o instrumento, li um artigo que para se tornar profissional, tinha que tocar há 15 anos. Mais crises de ansiedades. Ah, aí você me pergunta, com o que eu gastei o tempo dos meus 17 aos 21? Isso mesmo, videogames. Não vou mentir, eu gosto, ou gostava, nem sei mais quem eu sou. Fiquei pensando nisso e adivinha? Mais frustrações.
Agora eu estou em um looping, de tentar aprender alguma coisa, mas ter medo de ser miserável nisso, então eu não aprendo essa tal coisa, fico frustrado e começa tudo de novo. Já está chegando no ponto de eu pensar em fazer alguma coisa nova, mas desistir em seguida. Agora quando a faculdade voltar, pretendo mudar para Artes e estudar cinema e artes plásticas (não tem apenas o curso de Cinema aqui na minha cidade). Eu sei que pode parecer bobagem, mas eu não tenho mais forças pra levantar (falta de boleto!) de manhã, e sei que esses meus sonhos altos só vão levar em frustrações enormes, que eu não quero acumular para jogar em alguém. Sinto enormes dores de cabeça, e uma dor que eu não consigo explicar, não é algo físico, mas quando começo a sentir, me causa uma respiração ofegante e uma vontade de não existir.
E eu também sei que eu sou um puta hipócrita, que sou privilegiado por ser homem, branco e hetero. Que tem pessoa passando por muita coisa pior. Eu olho para todas essas merdas acontecendo pelo país e mundo, e sei o privilégio que eu tenho. Reconheço isso, mas essa vontade de não existir, é algo que parece colocar mais peso em problemas que são “comuns”. Eu não tenho coragem de fazer nada, porque eu sou filho único, e minha mãe já perdeu um irmão para a merda da depressão. Então, eu só convivo com isso, com as frustrações e sonhos altos demais, pretendo ir para um psicólogo quando a merda do COVID acabar, mas por enquanto, encontrei um lugar para falar mais abertamente sobre o assunto, que é esse sub, e, depois de anos, vou finalmente desabafar totalmente. Agora eu não sei exatamente o que fazer, estou tentando me forçar a tocar violão, mesmo com uma voz na minha cabeça dizendo eu vou ser miserável e nunca vou chegar aos pés dos profissionais.
Se você leu até aqui, primeiro, Parabéns! Segundo, obrigado por perder tempo lendo esses “problemas” boçais. Terceiro, fica a vontade de comentar, dar um conselho, me xingar, ou qualquer coisa do tipo. 😊 Desculpa se eu repeti ou deixei alguma coisa fora do contexto, coerência não foi o meu forte na redação do ENEM.
submitted by FlavioKD9 to desabafos [link] [comments]


2020.08.18 01:59 EuRoddy Sou rejeitado por ser fora dos padrões

Amigos, preciso de ajuda.
Sou homem, carioca, tenho 28 anos, sou negro e gay. Embora eu seja uma pessoa normal, não tenho traços bonitos, meu rosto é coberto de cicatrizes e manchas de acne e foliculite, sou alto e desengonçado e sempre tive dificuldade em ganhar peso. Ou seja, sou feio. Talvez isso não seria um problema se minha vida não fosse tão triste...
Desde muito pequeno, sempre soube que era diferente. Embora gostasse de "coisas de menino", sempre percebi que a figura masculina me atraia muito mais que a feminina. Mas, por conta do enorme preconceito do ambiente familiar e na escola, tentei, por muitos e muitos anos, refrear qualquer tipo de sentimento homoafetivo. Sempre busquei me aproximar dos homens apenas como forma de amizade. Felizmente, pude ter alguns amigos ao longo dos ensinos fundamental, médio e superior. Apesar disso, o bullying foi uma constante na minha vida. Sempre fui humilhado, ridicularizado e até agredido fisicamente na minha infância e adolescência por ser um menino sensível, péssimo nos esportes e, sim, feio. Não bastasse a humilhação por parte dos meninos, também era rejeitado por muitas meninas. Na minha tentativa fracassada de tentar ser hétero, acumulei apenas frustrações. Conclusão: terminei o ensino médio, com 17 anos sem sequer ter beijado na boca.
Entre 2010 e início de 2012, passei um dos períodos mais solitários da minha vida. E foi nesse período que minha saúde mental piorou. Ao ter meu primeiro contato com a pornografia gay, me dei conta de que por mais que tentasse, era impossível mudar a minha natureza. Ou seja, eu era gay e teria que me conformar. Porém, logo me dei conta de que ser gay não seria fácil. Além de ter a certeza de que jamais poderia me assumir por conta da religião da minha família, me dei conta de que o meio gay tem um gosto em que não me encaixava: homens brancos, musculosos e bonitos. Exatamente o contrário do que sou.
Quando comecei a faculdade, felizmente encontrei um ambiente diferente de tudo que até então tinha experimentado. Mantendo minha sexualidade escondida, fiz amizades, fui respeitado, saí, me diverti. Porém, faltava algo. Nunca havia namorado. Sequer tinha ficado com alguém. Estava eu com 23 anos sem sequer saber o que era tocar em uma pessoa. Até que, por influencia de amigos, cometi um dos piores erros da minha vida. Tentei namorar uma amiga, a única pessoa que, até então, demonstrou abertamente ter gostado de mim como homem. Meu desespero em me sentir uma pessoa normal falou mais alto, e eu investi nesse relacionamento desde o princípio fadado ao fracasso. Foi nela em quem dei meu primeiro beijo. Mas foi só isso. Embora eu tentasse, não sentia atração sexual por ela. Por mais carinhosa que fosse, eu sabia que não era aquilo que eu queria pra mim. Mas eu não poderia dizer porque tinha vergonha e medo demais para assumir que era gay. Até que um dia, tivemos uma discussão por conta de um amigo que ela não gostava e nossa tentativa de ficada acabou poucos meses depois. Pelo menos eu saí da faculdade tendo beijado na boca. Mas ainda virgem. Aos 25 anos...
O tempo passa. Me limito a saciar minha sexualidade com pornografia e masturbação. Mas só quando dava, porque dividia o quarto com meu irmão. Em 2018 entro no mestrado. Pouco mais de um ano depois, começo a escrever minha dissertação, termino meu estágio numa boa empresa e agora tenho tempo de sobra pra ficar em casa. E foi aí que a coisa piorou mais ainda. Novamente solitário, vieram a ansiedade e os sintomas de depressão. Não tinha ânimo para nada, sentia apenas o desespero por viver uma vida de merda, sem emprego, fazendo algo que detestava, e sem nunca ter tido a oportunidade de ser quem eu realmente era. Até que, decido a finalmente viver minha sexualidade, criei uma conta em um app de encontros gay, o Grindr. Tentando ter minha primeira experiência sexual, já aos 27 anos, acabei dando de cara com outra realidade: a do preconceito no mundo gay. Sendo negro, pobre, magro e fora de qualquer ideal estético, só encontrei mais rejeição. Algumas poucas e raríssimas vezes, tive momentos de felicidade ao não ser bloqueado por alguns caras, a maioria desses apenas por causa do meu pênis, certamente a minha única qualidade reconhecida pelos gays. Por quatro meses, busquei me relacionar com alguém, sem nenhum êxito. Até que em 4 de março desse ano, tive a chance que mais queria. Perder a virgindade. Mas o que parecia bom, foi na verdade uma das piores sensações da minha vida. Ao chegar na casa do rapaz, que morava a uns 500m da minha casa, me foi dado apenas o direito de fazer sexo oral e receber o esperma dele. Migalhando um pouco de prazer, me arrisquei fazendo sexo sem camisinha com um cara que nunca tinha visto na vida. Não rolou beijo, não rolou conversa, não rolou carinho. Apenas tive 10 minutos de sexo e fui pra casa. Uma semana depois, conheci outro cara, de 38 anos, lindo. Definitivamente a melhor coisa que poderia acontecer. Quando nos encontramos, ele pegou na minha mão, conversou comigo e me deixou à vontade. E transamos. Ou melhor, tentamos. Dessa vez, a minha total inexperiência me brochou. Ele gozou, eu não. Aliás, também não gozei na minha primeira transa. Perguntei a esse cara se eu o tinha decepcionado, ele disse que não, que deu errado pelo nervosismo. Acreditei nisso. Até que um dia, ele me chamou para ir à casa dele, à noite. Por medo de dar errado de novo, e pra não gerar desconfiança em casa, não fui. E o cara que eu achei compreensivo, e o primeiro homem que beijei, aos 27 anos, passou a me ignorar. Semana passada, tive uma das piores crises de ansiedade que já senti. Chorei de domingo a sexta. Tentando me aproximar dele de novo, pedi sua ajuda. Disse que estava me sentindo mal. Perguntei a ele se ele tinha me achado realmente atraente, se ele sentiu tesão em mim. Ele disse que iria responder, que estava digitando e que mandaria a resposta quando pudesse. Até agora nenhuma resposta. Me senti rejeitado de novo. Mas nada está ruim que não possa piorar...
Continuando minha busca por viver minha sexualidade, encontro cada vez mais nãos. Quando inicio uma conversa enfiando foto, sou bloqueado. E nas situações em que a conversa passa do oi, todo interesse do outro lado acaba quando mostro meu rosto e meu corpo. Cada vez mais minha autoestima diminui. Me sinto um lixo. Desde janeiro faço academia, já ganhei peso (embora ainda magro), tenho cuidado da pele do rosto e já até adotei um penteado mais moderno, mas tudo que eu tento fazer para ser alguém atraente de nada adianta. Sou preterido por ser fora dos padrões. Me sinto feliz por saber que ao menos uma vez pude beijar e me relacionar com alguém. Mas a certeza de que dificilmente irei encontrar alguém com quem possa dividir bons momentos me entristece demais. Aos 28 anos, nunca namorei. Nunca soube o que é me apaixonar. Não sei o que é sair com um namorado. Não sei o que é ser amado. E por mais que eu tente ser bom nas outras áreas da minha, a solidão é dolorosa demais. Sinto vontade de morrer. Minha comunidade me rejeita.
Sou infeliz.
submitted by EuRoddy to desabafos [link] [comments]


2020.08.15 17:00 Surt3p Quanto deve ceder a um relacionamento?

Em 2016 eu conheci uma menina em um aplicativo de relacionamentos, (vamos chamar de Ruivinha) eu com 16 anos e ela me dizia que tinha 16 anos também e eu realmente gostei dela, ruiva, gente boa, dava atenção e engraçada. E depois de meses de conversas era fato que estávamos gostando um do outro, tanto pelas palavras quanto o tempo que dávamos um ao outro, e realmente gostei muito dela, e até que chegou um momento que os dois estavam meio 🔥 e a conversa foi realmente mudando de direção. Depois de muitas conversas e fotos +18 (ironia pq os dois eram menores mas ok kkk) estava um clima bom, e realmente queria a conhecer pessoalmente e tudo mais mas ela sempre dizia que a família era muito fechada e não a permitia sair, mas ela me atentava e mesmo assim tentávamos sair ou de um jeito se encontrar. E eu ocupado com curso Tecnico e colégio fui me afastando aos poucos para focar nos estudos, mas mesmo assim querendo realmente conhecer ela porque gostava. Até que um dia meio que tudo ficou confuso, quando ela mandou umas fotos repetidas +18 e com legenda diferente e tipo nem fazia sentido ela ter mandado aquilo para mim naquela hora. E então descobri que ela realmente tava meio brincando comigo e mais uns 5, e então descobri no mesmo dia que ela tinha 13 anos e iria fazer 14 e eu fiquei realmente confuso e preocupado (e não ela não tinha feição tão jovem e corpo de menina nova, e todas as redes sociais estavam mais velha e até por ligação a voz e vídeo o jeito dava a entender que era mais velha mesmo) e fiz umas das coisas que mais me arrependi na vida porque fiquei com ciúmes e com raiva, criei um Google drive do 0 upei as fotos dela e mandei com um link para a avó e a mãe dela falando o seguinte: “Eu gosto muito dela, nossas idades são diferentes e nada impede de no futuro realmente termos uma coisa séria com mais maturidade, mas eu realmente quero que vocês deem atenção porque ela está se expondo muito na internet e isso pode vazar e conhecendo bem sei que isso pode acabar mal.” A mãe dela me xingou e falou que eu era um cuzao a vó dela me pediu perdão não sei porque, e ficou preocupada e a menina me xingou muiiiito mas muito e no final tudo se acalmou. Passou se uns anos e ela me chamou de novo em meados do final de 2017 e eu tinha terminado o ensino médio e um relacionamento que tive também e eu e a Ruivinha viramos amigos realmente, ela tem muitos problemas psicológicos e eu sempre ajudei como amigo e tudo mais e realmente curtia a amizade nossa, até mesmo que nossas idades era meio diferentes mas ela me respeitava muito e o que tinha acontecido ficou para trás e virou uma amizade tranquila. Mas no final do ano de 2019 mudou muita coisa, ela tava com 16 anos e eu com 19 e ela deu muita moral, e eu me interessei por ela, tínhamos todos mudado muito e eu imaginei que estávamos mais maduros, e um belo dia ela me chamou para comprar material junto com ela, e eu fui na casa dela, conheci os avós que me amam até hoje e mandam figurinha todos os dias kkkkk, a mãe dela também que surpreendentemente gostou muito de mim, e foi um primeiro encontro totalmente diferente mas eu gostei da pessoa que eu encontrei, ela realmente tinha mudado muita coisa, e foi indo assim por vários finais de semana consecutivos, e estávamos em um relacionamento sem nada oficializado, eu conheci toda a família ajudava em o que era preciso, e gostava de estar inserido na família mas umas coisas do relacionamento me deixavam meio intrigado, tipo pela internet ela era muiito 🔥 e juntos ela era outra pessoa, ou o fato dela não gostar muito de beijos e também ter preguiça para qualquer coisa que envolva sair, não demonstrar afeto, ser meio seca as vezes e não termos muitos momentos casal, mas foi isso por 4 meses até o início da quarentena e nós brigarmos por um motivo fútil, estava a 2 anos desempregado apenas fazendo uns bicos, e eu fui contratado em um emprego booom, e eu fiquei feliz com isso que estava lutando a tempos e eu chamei ela para vir em casa comemorar cmg, comer uma pizza com minha família e tudo mais, e depois ver um filme a sós, um momento nosso, e ela me disse a seguinte frase “você só pensa em me comer” “só quer sexo” e eu sem entender nada, ouvi muiita merda (detalhe nunca tínhamos transado antes e eu sou super delicado com esse assunto até por nunca ter acontecido) até aquela história das fotos foi revivida e eu me explodi, cansei disso e terminei com raiva pq ela não sabia o que tava acontecendo comigo depois desse tempo todo saindo da depressão e ter conseguido arrumar um emprego e na hora de comemorar ela me dizer isso. Me magoou muito isso e até hoje não me desce, mas no outro dia parei para pensar e queria conversar disse que não queria terminar realmente mas queria que ela entendesse meu lado, e ela surtou que um dia eu termino no outro quero voltar, não voltamos mas ficou um clima de romance voltando, era apenas se encontrar que rolava algo, mas depois foi meses sem poder ver ela, sem ligação, momentos instável no relacionamento eu querendo ver ela mas nunca era possível e a desculpa de quarentena para mim e churrasco em família todos os finais de semana, mas eu tava conseguindo fazer ela vir em casa no meu aniversário pq realmente estava com sdds dela e é uma data bem especial, (minha família fez o teste para umas coisas e para que eu pudesse ir buscar ela no meu aniversário “dia que estou escrevendo que foi por água a abaixo qualquer animo para esse dia”) e uma semana antes do meu aniversário eu tentando reconquistar ela todos os dias, sendo quem sou e tentando ser bom para ela (muitas vezes fodendo com meu psicológico) e eu descubro que sou um brinquedo que ela usava para destrair e que não era nada mais e que mesmo ela dizendo uma coisa ela tava sentindo outra, e que eu tudo que eu tava fazendo por uma história de 4 anos foi em vão. Brigamos feio e depois que eu desisti de tudo e falei o que realmente tava sentindo e fiz ela se achar um monstro só mostrando coisas que ela fazia e nem se tocava disso, tem indiretas até hoje, eu surpreendentemente estou bem, tenho muitas saudades dos momentos bons mas prefiro meu bem estar mental.
submitted by Surt3p to desabafos [link] [comments]


2020.08.12 05:25 player_br1 Um ano frustrante

Primeiro vou esclarecer umas coisas Eu to com sono então provavelmente só vou responder amanhã e erros d português é culpa do sono.
Vcs já devem ter lido vários posts assim, mais eu ja to a uns meses querendo falar disso. Esse ano tinha tudo para ser o melhor ou um dos melhores da minha vida, por ter entrado no ensino médio eu mudei de escola, e eu n podia pedir por uma sala melhor, tipo, eu realmente odiava a minha antiga sala, era um nível q tinha dias q eu n ia porque era perda de tempo, os professores n conseguiam dar aula, porém eu troquei d escola e o povo dessa escola é tudo q eu sempre quis, e p melhorar em uma sala d uns 25 alunos só 4 eram homem, então eu estava muito confiante que ia arrumar uma namorada, finalmente eu teria o meu primeiro namoro, só que tipo eu sou tímido p caramba, então nos 2 meses q eu tive de aula eu n fiz amizades "d vdd", as pessoas eram só colegas q eu talvez ja pudesse chamar de amigo. Então a quarentena começou Eu imaginei que ela iria durar pouco, então eu n me esforcei p continuar falando com os meus novos amigos (eu gosto d chamar eles assim), e quando as aulas online começaram, eu basicamente dormia a aula toda, então resumindo mt, eu n fiz amizades direito durante o primeiro semestre, algo que me fez mt mal, eu posso ter alguns amigos da antiga escola q eu realmente gosto, porém eles estão cansados, eles tiveram férias quando a quarentena começou, basicamente só isso aconteceu ate julho JULHO Eu dei sorte, tive férias o mês todo, durante esse mês ocorreram muitas coisas, primeiro, eu comecei a passar grandes períodos de tempo sem falar com nenhum amigo meu, como eu disse eles estão exaustos e tudo ta virandi briga, eu me apaixonei por uma menina da minha sala (pretendo falar com ela amanhã, nem sei como nem oq), me apaixonar eu nem sei como isso começou, ela é uma das pessoas q eu chamo d amigo da escola nova, durante as aulas antes da quarentena eu só a via como uma pessoa legal, principalmente pq eu achava ela feia, eu n sei oq mudou em mim, mais agr eu quero namorar com ela. Continuando julho, eu fiz aniversário, 16 anos, como eu n falo a data dele p meus amigos eu só recebi parabéns dos meus amigos mais antigos e da minha família, um tempo depois o amigo mais próximo do meu pai morreu atropelado, sendo bem sincero, isso não me afetou muito, porém eu nunca tinha visto o meu pai daquele jeito, até hoje eu to preocupado com ele, pq no final das contas o cara que morreu era um amigo da época da faculdade, mais p final do mês eu voltei a falar todo dia com os meus amigos da antiga escola, e para terminar o mês descobriram que a minha tia tem câncer de mama. Agosto O mês começou agr mais isso n importa As aulas online voltaram, eu to tendo prova todo dia e tendo a acordar cedo, com a volta as aulas eu interajo um pouco mais com a minha sala, mais n muito, eu fico com medo de falafazer bosta e afastar todos, e também a pessoa q eu me apaixonei deixa a câmera ligada durante a aula então o sentimento so fica maior. Esqueci de falar, porém antes de julho eu comecei a montar modelos d aviões e essas coisas, eu terminei um avião (IL2) e agr to montando um tanque (tiger 1), provavelmente essa foi uma das únicas coisas boas q sairam da quarentena, é bom fazer algo q n seja estudar, jogar videogame e assistir anime.
Bem se vc leu tudo parabéns vc tem mt paciência, mas obrigado por ler, eu to a uns 2 meses pensando em escrever isso e só hj tive vontade.
submitted by player_br1 to desabafos [link] [comments]


2020.08.11 19:31 pascaraj Céu ao inferno em um começo de ano

vou tentar falar como eu penso aqui, desculpa se estiver tudo bagunçado
sempre fui muito fechado antisocial, e isso sempre me fez ter poucos ''amigos'' (n sei bem oq é um amigo, pq eu simplesmente não consigo conversar com alguém sobre qualquer coisa, então meus amigos sempre foram mais ''colegas da escola'')
sempre estudei em uma mesma escola, então sempre me senti seguro com as pessoas ao meu redor, mas aí chegou o ensino médio esse ano, e eu tinha q trocar de colégio, como eu tinha CERTEZA que eu não ia fazer NENHUMA amizade em outro colégio, decidi seguir para um onde alguns colegas iam estudar, e assim q começou o ano.
chegando no novo colégio, conheci uma garota logo nos primeiros dias e já me interessei muito nela mas a minha insegurança fodida juntamente com introversão e inexperiência me fez apenas deixar o tempo passar, não conseguia falar para ela oq sentia e achei que com o passar do ano eu ia conseguir ''deixar fluir''
mesmo esse colégio sendo bem ''puxado'' nas matérias que tomavam muito tempo, e a dificuldade pra chegar nele, eu me sentia feliz lá só por estar do lado dela...
aí chegou a [email protected]# do coronavirus e fodeu todos meus planos, aulas canceladas, quarentena, basicamente eu voltei a trancar meus sentimentos novamente, virar uma pedra antisocial e esquecer de tudo denovo, agora cá estou eu, não consigo mandar uma mensagem para ela por um sentimento interior de estar ''incomodando-a'' , e esse EAD que fod# com a minha cabeça, basicamente perdi um ano letivo e uma pessoa que eu gostava em um só começo de ano
sei la oq passa na minha cabeça
submitted by pascaraj to desabafos [link] [comments]


2020.07.30 04:31 RajeshDePiri MEUS AMIGOS FINGEM GOSTAR DE MIM?

Olá, boa noite.
É minha primeira vez no reddit, logo também meu primeiro post. Eu cai no reddit enquanto googlava "meus amigos fingem gostar de mim? o que fazer?" e cabei me deparando com alguns posts de desabafo aqui no reddit, então resolvi compartilhar minha recente experiência e sentimentos afim de ver se consigo encontrar um direção do que devo fazer.
Eu tenho 3 amigos. Só. Todos da época de escola. M, F e E.

MEUS AMIGOS
"M" eu nem lembro direito como conheci, a gente é bem diferente, mas viramos grandes amigos. A minha melhor amiga, na verdade. Conheço ela a quase 7 anos, no decorrer desses anos frequentei a casa dela quase todos os dias após as aulas e ao menos 5 vezes ao ano pós-ensino médio. É alguém que se me ligasse as 3AM pedindo ajudo, eu levantaria e iria ajudar, e que ela faria o mesmo, na medida do possível dela, comigo. Tenho uma relação muito boa com a mãe dela, que sempre diz me considerar como um filho.
"F" eu conheci na escola também, uns 5 anos de amizade. Mas a gente virou amigos mesmo depois que o ensino médio acabou. Na época da escola ele tinha problemas de auto estima e tinha vários preconceitos baseado em esteriotipos com gays (eu sou gay, btw.). Com nossa amizade ele desfez muitos esteriotipos que se tem sobre gays. Inclusive temos liberdade de brincadeiras com ele que com a grande maioria de outros amigos heteros eu não tenho, exatamente por eles terem a mentalidade de que gays são predadores sexuais. [não, gays não querem transar com qualquer homem que fale com eles, entendam isso por favor]. Com o tempo ele melhorou muito a autoestima , hoje é uma pessoa bem diferente da qual conheci no colégio e fico feliz dele ter compartilhado sentimentos deles sobre isso comigo, até por que ele é uma pessoa bem reservada.
"E" também conheci no ensino médio e assim como o "F" nossa amizade só floresceu depois do ensino médio. Já contou que sempre quis se aproximar durante os tempos de escola mas que tinha dificuldades, me achava legal e queria ser meu amigo. Conversamos bastante, ele tem depressão [eu também, BTW] e conversei muito com ele sobre isso, ele sempre falava comigo quando estava mal, contava quando ocorria algo que o deixava triste.

NOSSA RELAÇÃO
Minha amizade com o E e F possui uma dinâmica diferente da minha amizade com a M.
Com o E e F , que são gamers, passamos bastante tempo discord e jogando (geralmente LoL). Sempre me chamam, ou chamo eles, para jogar. Passamos praticamente 3 anos seguidos entrando discord pela manhã e desligando as 3 da manhã.
Com a M eu possuo uma relação de conversar sobre rotina, coisas da nossa vida, falar sobre assuntos em comum e etc... Ela possui ansiedade social, então sempre que a ela precisa sair para algum compromisso, geralmente eu ia com ela.

CONTEXTUALIZANDO O PROBLEMA
Durante o final de 2019 e o decorrer de 2020 eu comecei a ter algum problemas na minha relação para com eles.
Primeiramente que eu não sou uma pessoa de brigar, discutir. Eu falo meus sentimentos, exponho minhas angustias e amores. Eu deixo transparecer para a outra pessoa que eu gosto dela e que ela tem valor pra mim. Quando eu me sinto prejudicado, ou que estou prejudicando, eu chamo pra conversar. Expor os lados, combinar uma melhor forma de se comunicar. E isso sempre funcionou, expecialmente com a M.
O F é bem quieto, quase não tenho problemas com ele, mas paramos de conversar bastante nesse período.
O E sempre me chama, como eu disse, para falar DELE e nunca para saber sobre MIM. Eu me sinto um despejo de lixo emocional descartavel. Conversei com ele 2 vezes sobre isso, surtiu um efeito temporario mas logo se repete. Eu não "reclamo" mais sobre isso, apenas deixo pra lá. Ele sempre comete microagressões comigo (Ou é ignorante, ou me deixa falando sozinho, não demostra interesse na nossa relação, etc.) e eu quase sempre deixo pra lá, já que quando falo sobre não a efeito.
Tenho dificuldade de concentração e um ambiente pouco favorel pra tal esforço, então se empenhar melhor em jogos online competitivamente é dificil pra mim. Quando eu jogo com E e F, acabo ficando um pouco pra trás nas partidas. E ambos, como a maioria dos homens hetéros, brincando ofendendo. E tudo bem por mim, pq eu também brinco assim com eles. Mas durante os jogos eles pegam um pouco mais pesado, e isso me deixa mais desconcentrado e abalado emocionalmente durante as partidas e mesmo eu pedindo pra diminuirem esse tipo de brincadeira, o E só ficava cada vez mais nervoso com as percas e o F não consegue se comunicar de outra forma. Então eu deixo pra lá e sigo jogando como posso. Comecei a ser taxado de "emocionado" e "emotivo" nas entrelinhas.
Porém nesse periodo eu comecei a perceber que eles não me chamavam mais. Nao só pra jogar, o que seria totalmente compreensivel pra mim se eles quisessem subir mais rapidamente competitivamente, mas também para conversar discord. Várias e várias vezes eles estavam conversando e jogando e não me chamavam. Se eu entrava na sala do discord, automaticamente eu sentia o clima mudar para algo como "olha só quem chegou.". E assim que as partidas terminavam e eu ainda estava lá, eles enrolavam e criavam desculpas para não me chamar, mesmo eu nem solicitando participar das partidas, e saiam do discord. Quando havia mais colegas, eles conversavam e se eu falava algo eu acabava ignorado.
Não entro mais nas salas quando vejo eles online.

O GRANDE BOOM DA QUESTÃO
Nesses dias de isolamento social estou seguindo a risca, moro com minha mãe e desde que meus pais se separaram as coisas ficaram dificeis para nós. Se eu saisse e trouxesse algo para dentro de casa e ela ficasse doente eu me sentiria extremamente mal.
M me chamou para dormir na casa dela, já que não saio desde janeiro + isolamento social. Disse que não iria por enquanto por causa do isolamento.
Esse mês é aniversário do E, ele queria fazer uma festa pois acredita que o Covid é algo leve a não se preocupar e onde ele mora não soube de casos. Eu insisti que não queria colocar a vida da minha mãe em risco (além de não querer ser injusto com a M) e que não iria e ele se tornou extremamente ignorante, falando que eu não fosse então que ele não faria questão.
Deixei pra lá.
Depois minha mãe acabou que está furando a quarentena então eu decidi ir a festa com a M e dormir na casa dela por 2 dias depois e não sair mais denovo, só para agradar meus amigos e ir ver eles.
Alguns dias depois eu olhei discord e estavam E e F + alguns colegas nossos, totalizando uns 6 ou 7 pessoas na sala do discord conversando e jogando juntos.
Me senti um 0 a esquerda, alguém que não faria a diferença de estar ali ou não. Já que ninguém me chamou,
Então resolvi jogar um verde. Chamei o E e falei pra ele me avisar quando chegasse do trabalho para que jogassemos o modo novo que lançou num jogo em comum que jogamos.
Depois de 5 minutos ele me responde; "cheguei". Mesmo já estando no discord. Enquanto aguardava ele eu já jogava uma partida (duram em media 15, 20 minutos). Então ele decidiu jogar uma enquanto eu terminava a minha, a minha acabou rapido e fiquei 15 minutos esperando ele.
Assim que a partida dele acabou, os nossos colegas começaram uma juntos e ele reclamou que os meninos não chamaram ele.
Na minha frente.
Esperando ele por 15 minutos.
Então ele virou para mim e me chamou pra jogar. Neguei e disse que não era segunda opção e sai da sala.
F veio perguntar o que aconteceu, eu não queria conversar, mas ele acabou falando que se fosse pelo motivo de qual o E falou, eu estava fazendo tempestade em copo d'agua.
Acabei desabafando com a M e pedi para que ela não falasse para o E nem para o F, sendo que ela é uma pessoa que minha confiança é extrema.
Ela falou pro F.
Me senti extremamente triste, mas resolvi fingir demencia e acabei indo na festa e na casa da M.
Na festa o E ficou grudado comigo, rimos bastante. (em algum momento falando sobre games eles comentaram que jogaram com fulano esses dias, falei que conseguia ver todas as chamadas no discord, entao já sabia disso) e na casa da M, com a propriedade de 8 anos de convivência, senti que ela não queria que eu estivesse ali. Ela chamou 2 primas dela para passar o dia ali e eu acabei ficando de canto, mesmo tentando me enturmar. Não aguentei ficar 2 dias e acabei indo embora no outro dia.
Hoje, alguns dias depois, aguardando o E e o F pra jogar vi que eles estavam jogando com outros amigos e me deixaram de lado, mesmo eu tendo falado que iria esperar o E chegar em casa pra jogar. Dessa vez nao usaram discord.

Minha grande questão é:
Eu me senti muito mal com isso que ocorreu nos ultimos dias. A dor psiquica transpassou e eu senti um aperto no peito. A unica vez que senti uma tristeza e rejeição tão grande, foi quando tive minha primeira paixão e ela brincou comigo, já namorando outra pessoa. Quando minha depressão começou efetivamente. Nunca pensei que ia ter essa sensação no peito denovo. Amizades de quase 8 anos e me evitando.
Por um momento eu sinto que estou sofrendo algum tipo de manipulação ou gaslighting deles. Sendo feito de bobo, como se fosse bom me manter por perto pq eu sou idiota o suficiente pra atender as necessidades deles quando preciso. Outras que eu realmente estou sendo exagerado e que é tudo da minha cabeça.
Passei a tarde chorando hoje, por que são as unicas 3 pessoas que eu tenho realmente ativamente na minha vida. Tenho alguns amigos, mas nossas relação ainda não são tão bem cultivadas e nem temos coisas em comum para desfrutar (como os jogos por exemplo) e não sei o que fazer.
Se eu falar algo, vai ser "outro piti" para eles e logo as coisas voltam ao "normal".
Se eu ficar quieto e deixar isso rolando, meu sofrimento psiquico só vai aumentando.

Não sei o que fazer.
submitted by RajeshDePiri to desabafo [link] [comments]


2020.07.29 20:42 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

(Postei primeiro no desabafos, mas resolvi postar aqui também)
O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.
Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.
A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.
A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha
Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to sexualidade [link] [comments]


2020.07.29 20:24 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.

Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.

A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.

A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha

Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to desabafos [link] [comments]