Caras como eu, mas não me quer até agora

A ÚLTIMA RISADA

2020.10.24 21:17 iceblood89 A ÚLTIMA RISADA

Olá agentes do FBI a ler(o resto n importa) hoje contarei minha história de babaca em que eu aprendi uma importante lição de vida de nome A ÚLTIMA RISADA Em um dia comum eu e mais dois amigos estávamos conversando e do nada uma menina que vou chamar de fabs que na época não era amiga nossa chega no meio do intervalo e me pede em namoro e eu como não sou bobo logo aceito. Daí em diante houve ela começou a nós acompanhar nos intervalos e até a sair com a gente,mas ela falava que não queria me beijar ainda pois queria me conhecer melhor ( e eu fiquei hhhhhuuuuummmm algo de errado n está certo,ela me pediu em namoro,mas fala q quer me conhecer melhor hum suspeito)mas aí de boa até duas semanas depois quando chega um cara no intervalo se dizendo ser o namorado dela e quando eu expliquei a minha perspectiva ele começou a rir da minha cara e me falou que nunca ouviu mentira pior e daí veio pra cima de mim eu consegui me esquivar dele e lhe dei um murro que ele foi parar no chão e disse: Eu:quem está rindo agora otario haha E daí eu tomo um tapa por trás da fabs e quando me virei para ela tomei uma rasteira do cara e cai no chão,meus amigos separaram a briga e ela me falou que só me usou para causar ciúmes no cara e nem o cara sabia Resultado:eu e o cara ficamos com cara de trouxa e a merdinha rindo.
E é isso >3
PS tô treinando a escrita de redação e a história é fake, tenham um bom dia
submitted by iceblood89 to TurmaTV [link] [comments]


2020.10.24 04:02 mentalorgasmo ELA PERGUNTOU SE PODE SENTAR NA MINHA CARA 😋

Diz para mim que está querendo me sacanear, diz… Porque com esse rabão gostoso, meu amor, você pode sentar aonde quiser: na minha piroca, no meu peitoral, na minha barriga, na minha mão (para eu me deliciar massageando sua bocetinha melada) — e claro, NA MINHA CARA. (Só de imaginar eu já fico com água na boca, puta que pariu!) Você é sem limites, você é um marco na minha história. Só de sentir o aroma da sua boceta toda vez que vai sentando devagar na minha boca já fico extasiado e pronto para guerrilhar, dar o melhor de mim para fazer da maneira mais gostosa possível. Independente se chupo e travo o grelo entre a língua e o céu da boca; se mordo essa bunda deliciosa e gigante que me deixa abismado quando vejo se aproximando da minha cara; se beijo seus pés e subo por essas pernas lisas e macias, bem hidratadas até a virilha lisa e cheia de mistérios; etc… Não importa, eu só quero me acabar contigo!
“Mas, agora… é… mmmm… aonde eu estava mesmo?” eu disse a ela.
“Não sei, ué”, disse ela, em tom risível e se alisando, massageando os seios. “Só quero saber: posso sentar na sua cara?”, finalizou, sentada exatamente como a foto que dá ênfase ao artigo.
Caralho, que filha da puta gostosa… ela está me olhando com essa cara de safada, louca para sentar na minha cara e se entregar para mim, eu pensei comigo.
Respondendo com atitudes ao invés de palavras, peguei em suas mãos, acariciei um pouco, olhei nos olhos dela e aproximei minha boca da dela. Iniciamos um beijo gostoso, molhado e lento, e pude sentir a piroca latejando de modo inusitado. (Quando a vibe bate, fodeu.) Fui com uma mão à sua nuca, invadi seus cabelos, a coisa foi se intensificando, a gente se beijando com uma fúria incontrolável; transformando a pergunta em uma realidade extraordinária, que logo teve um fim — muito gostoso, por sinal. Após cessarmos um pouco do fogo, deitei na cama e a puxei comigo, e ela, toda leve e solta, fácil de lidar, à disposição, na posição “six-nine” [69] sentou na minha cara. (Ela é tão olhuda que mal se posicionou e já foi pegando na piroca e começou a brincar, me masturbando levemente enquanto mamava abocanhando até a goela, sem limite.)
Ela então sentou na minha cara. E eu com essa visão extremamente privilegiada tenho a honra — e a obrigação — de usufruir com toda paixão, obsessão, vício, e claro, sapiência que reina nessa galáxia que abriga esse planeta sinistro e cheio de pessoas loucas por mulheres — como eu. Para desconcentrá-la de mim e concentrá-la nas minha ações, precisei dar o primeiro passo com ardor e astúcia: Com as mãos por baixo dela, usei meus dedos para explorar a imensidão dessa boceta rosa e apetitosa, me chamando com intensidade. Abrindo os lábios como uma flor, abocanhei os pequenos lábios juntamente com o clitóris e numa intensidade consideravelmente exacerbada adentrei, já fazendo com que ela tirasse a boca do meu pau e diminuísse a voracidade como estava antes. (Ela passou a brincar menos, então ficou tranquilo. Optou por passar a língua na cabeça, mordiscando toda a região dele…)
Tirei os dedos da boceta e passei a lamber toda a região, lambendo de baixo para cima tudo que eu podia, suave, deixando a danada ansiosa. Me ajeitei um pouco e ela abaixou mais, e foi nessa que consegui cuspir em seu cuzinho e lambê-lo em seguida, bem gostoso e devagar, fazendo-a gemer gostoso me dizendo que está uma delícia. Avançando sem tropeçar, desço lambendo, voltando para sua boceta suculenta, com as mãos em sua raba voluptuosa, apalpando, arranhando, acariciando. Minha língua faz a festa. Está uma delícia. Essa boceta babada me deixa louco. Por isso eu chupo mais um pouco, levando ela para passear por toda essa região rosadinha, ouvindo sua gemida, delirando com você; apreciando esse gosto impecável que ela tem e me proporciona, me faz mais feliz, me deixa mais relaxado e de bem com a vida.
Para finalizar gostoso, pergunto se quer mudar de posição e ela aceita. Coloco ela de frente e de pernas bem abertas. Me deparo com essa boceta pronta para me dar mel na boca. Caio de boca. Focado no clitóris. Passando a ponta da língua. Desvio o olhar. Te olho. Isso. Massageia os seios. Gostosa. Delícia. Cuspo. Deixo escorrer por um milésimo e já envolvo a língua. Melo mais. Chupo mais. Quero mais. Você é demais. Gosto muito. De modo ímpar. Por isso me deleito nesse clitóris. E sua gemida alimenta mais o ar de orgasmo.
A sinto lenta. Menos extasiada. Mais calma. Letárgica. Será que ela gozou? eu me perguntei. Externamente eu não sei, de fato; mas espiritualmente, com certeza, porque sentar na minha cara é sinal de orgasmo.
submitted by mentalorgasmo to u/mentalorgasmo [link] [comments]


2020.10.24 01:15 mentalorgasmo FLAGRANTE NO LAVA-JATO

Na manhã de um Sábado ensolarado e escaldante a patroa era levada até o lava-jato de sua propriedade para a cidade vizinha pelo seu motorista. Ela – sentada no banco de trás – apreciava a paisagem até o local com total inocência do que estaria por vir. Sem nem desconfiar das coisas que o motorista e a faxineira de sua outra propriedade (em cima do lava-jato) faziam na sua ausência, ela chegou e foi direto para a sala de administração. Lá ela arrumou a papelada e ficou por umas horas na cama – porque às vezes ela fica por lá mesmo quando tem outras coisas para fazer no computador – enquanto seu carro estava para ser limpo. Quando desceu as escadas deu de cara com seu carro molhado porém inacabado, e com as quatro portas abertas.
Ué, aonde estão todos? pensou.
Desintencionalmente a patroa andou mais um pouco e viu a faxineira com uma roupa super ousada e sem calcinha mamando com gosto o instrumento do motorista. Pensando em dar uma bronca neles, ela foi por outro caminho e ficou apreciando a cena, no entanto. Sua mão inevitavelmente corria pelo seu corpo até a danadinha. Puxou a calcinha de lado e partiu para o abraço. Esfregava-a suave. Mordia o lábio. Revirava os olhos. No fundo ela curtiu o que presenciou. Entretanto, deixando o tesão e a boa surpresa de lado, ela os surpreendeu.
– Que porra é essa que está acontecendo?! É para isso que eu te pago?
A faxineira se levantou, engoliu saliva, ajeitou sua roupa e disse:
– Desculpa, patroa. Eu…
Com um olhar de raiva mas com a boneca meladinha de tesão e com um vestido colado e curto ela disse:
– Os dois agora no meu quarto, que eu quero conversar com vocês dois.
Chegando lá os dois foram para um canto e ficaram falando algumas coisas entre si com medo de serem dispensados. Logo a patroa chegou, se sentou na cama e logo começou.
– Então, dá para vocês dois me explicarem que porra era aquela lá embaixo?
Os dois sem reação, mórbidos e estupefados, ficaram olhando entre si. Ninguém falou nada.
– Vai, caralho, fala! Vai ficar um olhando para a cara do outro? Fala logo.
(Se alguém tivesse visto a cena dela se tocando enquanto via o boquete e presenciasse a bronca no quarto ninguém diria que ela estava realmente furiosa. Risos)
Os dois se desculparam juntos, mas ela continuou.
– Desculpa, patroa…
– Olha, patroa… eu sou homem, solteiro, não pude evitar que ela viesse e começasse a fazer o que fez.
– Ah, então a culpa é dela?
– Ela veio, começou a mexer nele por cima da calça e o resto foi o que a senhora viu. Foi sem querer. Eu não resisti.
– Ah, não resistiu?! Eu pago você pra quê? Anda, me diz.
– Para ser seu motorista, senhora.
– E você, eu te pago pra quê?
– Para limpar.
– Ah sim, eu achava que te pagava para chupar o pau dele.
– É que eu não aguentei a tentação…
– Ah, não aguentou? Então já que você gosta muito de chupar, vem chupar minha bocetinha aqui.
– Que isso, patroa?!
A faxineira, com as mãos para trás, ficou abismada com o que acabara de escutar.
– Que isso é o caralho! Você quer perder seu emprego? Então me chupa bem gostoso. Vai! Igual você estava chupando o pau dele.
Ela se aproximou dela na cama, onde a patroa se abriu como uma flor e sem dificuldade nenhuma, uma vez que era só levantar o vestido.
– Vai, isso, tira minha calcinha. E chupa bem gostoso.
A faxineira foi de encontro com a bocetinha da patroa e não hesitou em procurar dar o melhor de si, deslizando a língua por toda a região rosadinha dela, deixando a danada mais excitada e pronta para ser bem tratada. Tinha muito tesão e medo ao mesmo tempo nas ações. Seus dedos exploravam a bonequinha com muita fome, do tipo que precisava daquilo para sobreviver – e literalmente precisava.
Ela mantinha o olhar focado naquela grandiosidade toda babada. Ela precisava fazer bem feito. Era o futuro dela ali naquelas lambidas e chupadas bem dadas. Seus lábios bucais macios se encontravam com os lábios da bocetinha da patroa como se já tivessem contato antes. Eles se entendem. A patroa começa a gemer mais alto quando as lambidas se intensificam no clit. Enrola o cabelo da faxineira na sua mão enquanto a outra se apoia no colchão.
– E você, está olhando o que? Bota esse pau pra fora. Você não estava com ele fora lá embaixo? Põe agora pra fora!
Ela ordenava como uma pessoa brava mas acreditava-se que era fingimento puro e que ali não existia raiva nenhuma, mas sim um tesão em se envolver com seus dois funcionários.
– Chupa gostoso! Isso. Não pára, não. Que delícia!
A faxineira chupava tão gostoso que babava. Sugava o grelo com amor, obsessão. Parecia que já tinha feito várias vezes antes. Lambia de baixo para cima, pegando do cuzinho que piscava o tempo inteiro e ia até o clitóris que latejava.
– E há quanto tempo vocês fazem isso?
– Não faz muito tempo – disse o motorista.
– Então vocês ficam de sacanagem enquanto eu estou fora? Ao invés de fazer o serviço de vocês, ficam de putaria? Você fica só chupando o pau dele? Vadia!
– Delícia, adoro chupar – ela disse.
– Vem aqui, me dá esse pau para eu chupar.
Ele ficou de pé ao lado da cama e a patroa, olhando bem nos olhos dele, agarrou o instrumento e foi gulosa, mamando e alternando entre o rápido e o lento, apreciando cada segundo ali naquele momento inusitado. Segurou com sabedoria. Safada. Gulosa. Todos os três gemiam loucamente. Intensivamente. Tudo estava numa putaria orgásmica, todos estavam em outra dimensão. Ela chupava voraz, esfomeada. Não sabia se mantinha dentro da boca ou fora. Passava no rosto. Nos lábios. No pescoço. Ela se esbaldava.
– Vem aqui chupar esse pau, vem, vadia. Quero ver de pertinho. Isso, chupa gostoso.
A patroa tirou o vestido e logo ele a beijou. Ele acariciava seus seios cheio de tesão, enquanto a faxineira mamava a todo vapor. Não hesitava em demonstrar sua paixão pelo que faz. E faz tão gostoso que não demorou muito para a patroa querer dividir. Logo elas estavam se deleitando juntas, se deliciando no pau dele. Enquanto uma ficava nas bolas, a outra se esbaldava na cabeça, cuspindo sua saliva, segurando em uma das coxas dele. Passava a língua por todo o conteúdo, indo parar na boca da faxineira, se beijando, se lambuzando. Parecia que a patroa ansiava por isso há tempos.
– Vai, chupa direitinho. Quero ver se você chupa direitinho. Hum… assim… é, até que você chupa com vontade.
A patroa levou uma mão aos testículos dele e pressionava, e a outra acariciava suas pernas. Ele não parava de gemer. Era 2 contra 1, a coisa estava ficando mais quente. Então, como ele já vinha se segurando, a faxineira começou a chupar as bolas e ele gozou na boca da patroa, que dividiu com sua funcionária.
– Estão aprovados, não vou dispensá-los. [Risos]
submitted by mentalorgasmo to u/mentalorgasmo [link] [comments]


2020.10.24 01:07 Training_Bridge9234 Quando alguém me trata mal, eu me trato bem e vou embora!

"Você é doente, vá se tratar"...
É engraçado. Uma "amiga" que lhe trata com descaso, sempre lhe coloca sutilmente para baixo, daí você rebate e leva essa pelo meio da cara. Desconfie quando alguém lhe apontar sempre como o errado, o defeituoso, o irracional, discordar das suas idéias sistematicamente. Da mesma forma que é impossível acertar sempre, estar sempre errado é tão ilógico quanto. Até um relógio parado estará certo pelo menos uma vez ao dia.
Eu já me trato, luto para melhorar e sei que estou no caminho. E quem tem autoridade para me diagnosticar doente ou sã não é você. Uma coisa, porém, é certa: Não faço questão de manter em minha vida quem quer me fazer sentir errada, inadequada, doente, insuficiente. Vá em paz e pela sombra! Não há afinidade, nunca houve e é melhor assim. Cansei de me encolher pra caber no seu (pre)conceito. Na moral, vá a merda!
Ando farta de falsas amizades, de gente superficial, ando cansada de tudo. Vontade de desistir mas nunca fui fraca e não serei agora. Desculpem o desabafo e agradeço a quem leu.
Edit: Algumas pessoas não combinam conosco e por mais que possamos gostar delas é melhor que estejamos longe. Reciprocidade é o melhor da vida.
Edit 2: Recaí, estou bebendo e se escrever merda me perdoem. Não to legal e a dor é maior que eu.
submitted by Training_Bridge9234 to desabafos [link] [comments]


2020.10.23 21:09 LuanVernut Vou abrir o coração: Sou mesmo um imbecil! DEUS!

Relato 100% verdadeiro, quero exorcizar esse fantasma da culpa de uma vez. Mesmo quando crescemos, em certos momentos o homem ainda é um garoto, e dessa vez o otário fui eu.
Conheci essa garota na faculdade, antes de trocar um Oi, os cabelos cacheados já tinham chamado minha atenção. Ela não era nenhuma TOP Model, mas para mim sempre linda. Resultado disso foi eu me aproximar e ficar amigo da tal garota.
Essa nossa amizade que evoluiu com o passar do tempo, logo passei a ir deixar ela em casa e depois passamos a frequentar a casa um do outro. Eu ficava muito à vontade com ela, riamos de tudo, conversávamos horas. Não é de espantar que logo eu tava doido por ela, mas sabe aquela sensação insegura? "Putz, se eu me afobar vou estragar tudo, temos uma amizade tão sincera." Eu fui MUITO BURRO!
O tempo foi passando, e aconteceu a seguinte situação. Estávamos no metrô, estávamos em pé, lado a lado e eu fiquei olhando ela pelo reflexo como um bom beta. Então ela olhou para meus olhos pelo reflexo também, ficou meio sem jeito. E isso fez nascer uma pulga atrás da minha orelha. "Será que ela também sente o mesmo que eu?"
Então fiz a pior besteira que alguém pode fazer nessa situação, fui pedir conselho a um amigo. Contei tudo e ele disse: "- Cara, você tá viajando, vai chegar todo emocionado e perder até amizade da menina, acho que ela só quer tua amizade e você tá fantasiando." Ok. Nos dias seguintes notei que a garota tava meio esquisita, como se quisesse dizer algo mas travasse, então um dia ela pede para descobrir o whatsapp de um colega meu, que ela queria conhecer melhor. "Hmmm é realmente, ela não tá afim de mim, e essa é a prova final, ufa quase eu estragava tudo." Passei o whatsapp do cara que eu mal conhecia. E tudo ficou bem.
Mas não acabou bem.
Meu sentimento não diminuiu e Acontece que aos poucos no decorrer de 1 mês, a vi se aproximando do rapaz e claro se distanciando de mim cada vez mais. Fui falar com uma amiga nossa que me recomendou afastar um pouco dela, dar espaço para eles dois. Fiquei puto com isso mas o que podia fazer? Então a treta final: Estava no parque com uns amigos a noite tocando um violão, e quem eu vejo lá? A garota, parecia triste. Isso é um detalhe que eu não disse, eu sempre a via triste depois que começou com esse rapaz, o problema é que eu me convencia que era eu que estava triste e projetava isso nela.
Mas não dessa vez, não sei se foi o vinho mas quando eu a vi na praça, pensei foda-se vou meter o louco. Se for de perder a amizade de todo jeito vou abrir o jogo. E é agora o desfecho dessa merda toda, sentei com ela a sós em um dos bancos, e toquei no violão "PRA SER SINCERO do Engenheiros do Hawaii" - Quando terminei disse: - Ray, eu toquei essa música para você porque sempre penso em você quando escuto, na verdade penso em você muitão porque... BLÁBLÁBLÁ." Soltei o verbo, disse tudo que eu podia para não deixar nada. Mas a cada frase que eu falava, e cada situação entre nós dois que eu relembrava para ela através de minha perspectiva a expressão dela ia mudando até que ela começou a chorar de verdade na minha frente. Chorar mesmo. Tentei acalmar ela com o "Tudo bem, sei que você quer minha amizade, desculpa se eu confundi tudo." Mas ela parou... olhou pra mim com o rosto todo vermelho e os olhos cheios de lágrimas (igual eu tô agora) e disse:
"E por que? Por que você só disse isso tudo agora? Por que fez isso agora?"
MOLEQUE Então ela começou a contar a versão dela de tudo que eu falei. A essa altura vocês já sacaram tudo né? Talvez até antes. Ela era afim de mim desde o começo. E o dia do whatsapp foi o teste final dela. "Se ele topar pegar o whatsapp do fulano significa que ele realmente não sente nada por mim." O rapaz do Whatsapp, tinha pedido ela em namoro depois de semanas ficando. E ela tinha dito sim. Para "comemorar", o cara bancou uma viagem para os dois. Vão passar sexta à domingo sozinhos na pousada da família dele. E eu aqui falando com vocês.
Se você leu meu lamento até aqui valeu. Mas olha eu tou mal por dentro demais! Sei mais nem o que fazer ou falar. Chega...
submitted by LuanVernut to desabafos [link] [comments]


2020.10.21 20:36 Krylor_Primum Chegae, desabafa do seu trabalho também

Ele é uma bosta, quer saber porque? aqui abaixo os pontos
Posso ganhar o salario mínimo do ano todo, mas a chance é baixa e é sorte praticamente
Tenho que fazer ligações pra números que não atendem o telefone todos os dias e sou cobrado pra fazer cem por dia
Corretor é chato pra kct e ninguém me passa o telefone por isso (Eu não, felizmente sou santo)
Os caras ficam só olhando os apartamentos que eu mando pelo whatsapp, me fazendo perder tempo
Os computadores são ruins a ponto de eu ter que reiniciar se eu abrir 4 abas no chrome ou 1 google maps e 2 abas quaisquer
Ninguém na porra do Stand usa a merda da mascara, fizeram nebulização em um, que eu só passei pra conhecer porque poderia levar um cliente lá e isso foi um dia antes de nebulizarem algumas pessoas lá foram para a UTI por terem pego, foi por precaução, mas passaram mal e estavam pulando e dançando no dia que fui (1 dia antes da nebulização)
postaram a alguns dias no /Brasil um cara dizendo que a mãe de 75 anos "não pega não", existem corretores iguais e não são poucos e alguns que tiram a mascara alguns segundos depois que são intimados a colocar (e repetem essa merda varias vezes o dia todo) e agora do meu lado disse que não vai colocar porque vai tomar café, são 14:30 agora ele ta a mais de 10 minutos sentado sem mascara (Em local pequeno), vamos ver quanto tempo leva... 14:46 é isso e vai ficar lá uma meia hora mais aposto (Ta no queixo ainda, 15:00)
Corretores mais velhos assediando as garotas
Outras empresas pagam uma ajuda de custo pra condução e alimentação a minha me faz pagar pelos leads
Meu gerente diz que MCMV dá pouco dinheiro e tem muita burocracia por isso é horrível trabalhar nesses, mas minha amiga que trabalha nesses diz que faz 20k por mês (acho que é um pouco de papo de corretor)
Tenho que pagar 500 reais pra receber leads que podem ser umas bostas (Lead aparece do nada na plataforma e temos que esperar que sejam decentes e não um nome e numero aleatórios)
Todo corno gosta de ter sol 24h na porra do apartamento (Até que faz sentido, mas não tanto como o que acontece, tem uns que erram por onde o sol nasce --')
Toda corna não compra apartamento por causa de numerologia (A eu só compro se esse de 50m² terminar em 0 o numero, mas senhora esse já foi vendido, mas ainda temos um igual no mesmo andar só que o final é 1, então não compro --')
STUDIOS PERTO DE METRÔ JAMAIS VÃO TER VAGA, OU SEJA, NUNCA JAMAIS VAI HAVER UM AP DE 30m² COM PREÇO BAIXO NUMA REGIÃO NOBRE COM A PORRA DE UMA VAGA E A PORRA DO METRÔ DO LADO PAULISTA QUE MAMA VAGA VAI TOMAR NO CU CARRO É STATUS DO TAMANHO DA SUA ROLA, MAS É INVERSAMENTE PROPORCIONAL SEU IMBECIL (me desculpem, odeio 92% da metade da minha cidade por causa disso)
Ainda tem mais, só que to tiltado aqui e quero ler o de outras pessoas tbm (isso se não flopar), sei que podem sair uns absurdos
submitted by Krylor_Primum to desabafos [link] [comments]


2020.10.20 07:33 jacaua a de número 1

esses dias eu acabei a minha amizade com a número 1, na verdade nem foi eu e foi por uma besteira.
eu tenho uma outra amiga, a número 2, ela era de um mundo bem diferente da número 1, mas eu achei que seria boa ideia apresentar as duas, e realmente foi, a gente ria até de madrugada e tudo estava dando certo, todas nós não somos hétero, e a número 2 é bem bonita, a número 1 um belo dia me disse que ficaria com a número 2, e essa foi a causa do fim.
mas antes eu preciso explicar a número 1 melhor.
a número 1 teve uma infância onde parecia que ninguém se importava com ela de fato, ela jogava bola com o pai no centro da cidade e tal, mas cuidar era outra história, eu nunca soube bem pelo que exatamente ela passou, e sinceramente acho que não é da minha conta. ela nunca contava uma história sem mentir ou omitir algo, por menor que seja, isso me incomodava, mas eu sempre relevei, não acho importante saber de 100% da vida de outra pessoa, principalmente se ela não quer que você saiba, ela era uma criança que queria ser adulta, por isso bebia e de vez em quando fumava, algo que eu nunca apoiei por que acho que ela é muito nova, mas eu até entendo, ela quer se provar gente grande, não sei qual trauma resultou nesse comportamento e na verdade nem quero pensar sobre isso.
era difícil conviver com ela, era um pouco explosiva e me irritava as vezes por ser lerda (eu tenho ansiedade, mas eu nunca fiquei brava com isso, só um pouco aflita) ela era sínica, não comigo, mas com os adultos, ela não sabia mentir, mas mentia bastante. eu nunca confrontei ela sobre nada, por que eu odeio gerar conflitos onde eu poderia ter só aturado, nós brigávamos as vezes, mas sempre por algo idiota. ela não tinha filtro pra falar as coisas, sempre em um dos extremos: mentir muito ou ser muito sincera, a ponto de machucar mesmo, isso me incomoda por que eu sempre tento ser o mais educada possível com pessoas que não tenho afinidade, eu falo muito palavrão quando estou confortável e com pessoas que gosto, mas com estranhos eu sou muito cuidadosa com o que falo.
nós éramos amigas desde o pré, paramos de nós falar por uns 5 anos e depois voltamos a ser amigas, eu lembro que eu falava muito palavrão e ela me dizia pra trocar eles por palavras mais leves,já que nós eramos fetos, eu troquei com um pouco de dificuldade, logo depois naquele mesmo dia alguns meninos mais velhos nos convidaram pra jogar bola, ela foi, e jogando ela disse todo o tipo de palavrão pra parecer legal, é como se ela fosse uma pessoa diferente pra cada amigo, eu relevei, sempre relevei tudo, inclusive o fato dela ter uma amizade super tóxica com uma amiga nossa que não é mais minha amiga há algum tempo,mas eu nunca xinguei ou fui mal educada com ela, ela tem muitos problemas em casa e eu nunca quis tornar o ambiente externo, onde ela se sentia bem em um lugar comparável com a casa, mas a número 1 não liga, vive xingando e colocando ela por menos, e a outra não briga de volta com medo de perder mais uma amizade, me sinto culpada mas não é certo ter uma amizade por pena.
agora vou explicar tudo sobre como acabou a amizade.
eu, a número 1 e a número 2 fomos em uma chamada de vídeo, estávamos rindo e contando piadas até que decidimos posar alguns dias juntas, estava tudo bem, mas a 1 comentou comigo que pegaria a 2, voltamos pra casa eu e a 1 e então eu perguntei se ela queria que eu perguntasse se para a 2 se se ela ficaria com ela,ela disse que sim, e eu o fiz, a 2 disse que não e que agora a amizade ficaria estranha, que não queria mais falar com a 1 por que ficaria desconfortável, eu mandei prints pra 1 e ela disse pra eu dizer que ela tava bêbada, pra salvar seu orgulho, óbvio. eu corri e disse pra 2 ir pro discord e que explicava lá, enquanto isso eu mandei uma mensagem pra 1 dizendo que a 2 tinha ido dormir, "mas por que você mentiu?" por que dessa vez eu não queria salvar o orgulho dela, ela que lide, eu tava cansada dela tentando ser o que não é, eu tava no calor do momento, e então fui pro discord com a 2, em call decidimos que ela posaria na minha casa e que a gente ia dar uma volta, e assim fizemos.
o dia chegou
ela veio e estava tudo muito engraçado,então fomos dar a tal volta,estava tudo bem até acharmos e 1 no campo,a número 2 ficou nervosa e disse pra não olhar, eu pensava que a 1 ia entender, então o fiz, eu tinha explicado pra 1 que a 2 não tava legal sobre aquele assunto, e na minha cabeça ela ia entender, eu simplesmente passei reto, mas de relance eu vi que ela tava com uma cara de brava,eu não pude fazer nada com a pressão da 2 e só passei.
algum tempo depois chamei ela pra ir no campo jogar vôlei e ela disse que ia chover,eu disse que o céu tava limpo e então ela me confrontou sobre a história e perguntou o que houve, eu expliquei com todas as palavras e ela disse "entendi" e então nunca mais nos falamos até hoje, na hora me senti mal e percebi que sim a culpa foi minha, mas eu não ia aguentar muito mais tempo com uma pessoa tão instável como ela, ela tenta se provar pegando um monte de gente e eu espero que ela perceba que isso nunca mudaria nada dentro dela,daqui a 1 ano eu vou estar muito longe dessa cidade, e eu quero ler isso e lembrar das pessoas daqui, e o que eu aprendi com elas.

não vale a pena manter coisas que já não valem mais nada pra você emocionalmente.
submitted by jacaua to u/jacaua [link] [comments]


2020.10.18 05:00 PetterGold776 3 Anos vivendo com um amigo tóxico

Eu sou um cara bem novo, que nunca teve muitas amizades e passou por tudo isso despercebido, Eu fiquei por 3 anos sendo amigo de uma pessoa tóxica.
Gostaria de informar aqui depois de escrever tudo, que o texto é extremamente longo e algumas partes podem ser demoradas e chatas, não te culpo caso queira pular para o TL;DR do final aonde é uma versão mais resumida.
Eu gosto de ser elogiado e quero que outras pessoas sintam o mesmo, portanto eu elogio um amigo meu quando ele faz algo que ele considere importante e gosto de sentir que ele está feliz por causa do meu elogio, só que por 3 anos eu conversava e me importava com esse tal amigo (vamo chamar ele de V) que nunca se importou de verdade comigo ou coisa do tipo, eu só servia para fazer ele rir e um saco de pancadas emocional, não importava o que, se eu perdia em algo ele praticamente ria de mim, se eu vencia em algo eu nunca ganhava o mínimo de reconhecimento, e se eu era melhor que ele ficava irritado e me chingava, e se eu o elogiava ele só ficava se exibindo mais e mais como uma forma de ganhar atenção, ele praticamente me fazia me sentir errado em tudo.
Por que eu não larguei ele ou eu percebi que ele era um escroto comigo? Porque eu não sabia de mais ninguém que eu conseguisse fazer rir tão facilmente, eu por ser uma pessoa que basicamente se importava mais com a felicidade momentânea dos outros mais do que a minha própria felicidade, e por não saber o que era uma amizade normal ou o que era uma amizade tóxica eu achava que eu tava vivendo no paraíso. Eu sempre via outras pessoas como youtubers com amizades perfeitas, mas na minha cabeça eu não dava muita bola e pensava que eles também sofriam da mesma coisa, eu ignorava quando esse pensamento via a tona.
Por 3 anos, praticamente todo o dia era o mesmo, era tentar fazer ele rir e no final do dia sair estressado por causa de briga, coisa que ele conseguia ignorar em 4 segundos, por que esse era o objetivo dele, era me fazer ficar estressado! Eu por me preucupar demais com a felicidade dos outros, acabava que eu fico extremamente ansioso e estressado quando eu ferro com alguma coisa ou faço com que alguém fique irritado. Eu cheguei a ter que falar comigo mesmo por uns 3 ou 5 mêses durante uma depressão, porque eu era a única pessoa que eu conseguia falar sem me estressar e rir sem peso na consiência. Essa depressão ocorreu por causa que eu ferrei com a oportunidade de sair com uma menina que eu gostava, que também gostava de mim, e não somente ela saiu com um cara umas 3 ou 4 semanas depois, como eu não podia contar pra esse meu amigo por que ele iria rir da minha cara, e depois de 1 ou 2 anos, quando eu finalmente contei sobre essa história pra ele adivinha o que aconteceu? Pois é.
Uma das piores coisas é que eu tinha um outro amigo (chamar ele de C) que também era envolvido com esse V, e que eu infelizmente descontava uma parte do estresse nele, já que não tinha outra válvula de escape pra mim. Eu óbviamente não estava certo e é uma coisa que vai me marcar (não no bom sentido) por um bom tempo, mais pra frente eu me toquei do que eu fazia depois de zoar e muito com a cara dele, chegava ao ponto em que eu não conseguia ter uma hora de paz só de lembrar do que eu tinha feito. Hoje em dia eu faço de tudo pra tentar me desculpar de alguma forma, mesmo ele falando que não se importa.
Um rápido resumão aqui por que já ta ficando muito longo, ele me apresentou um outro cara (vamos chamar de G, relaxa eu ainda vou usar esses nomes) que realmente me tratava como um ser humano e não como um senhor de engenho pra um de seus escravos. E que pra mim foi algo muito diferente, como assim alguém que tem conversa com outra pessoa e ouve ela, sem o puro objetivo de ignorar o que ela tem pra falar só pra reduzir ela e esperar um elogio??
Logo toda aquela gritaria e pressão foi demais e eu resolvi parar de jogar com eles, pois eu me sentia entediado de tudo, não somente por que jogavamos o mesmo jogo todo o dia, mas porque do que adianta fazer algo sendo que eu sempre vou ser um lixo?
Tudo isso foi exclarecido quando a gente jogava um RPG, uma exessão que eu fazia entre os jogos que nós jogavamos, pois ainda não tinha toda a graça removida 100% por causa do V. Esse RPG tinha mais outras duas pessoas que eu não conhecia muito bem, e uma delas falou brevemente sobre um RPG que o Cellbit tava fazendo. Eu na época sem mais nada pra fazer resolvi ver, e comecei a me questionar mais e mais sobre "...eu realmente tenho um amigo, ou uma pessoa que me quer morto?", eu entendi finalmente, que todas aquelas pessoas a minha volta, por mais chato que eu seja, gostavam dos meus elogios, e me elogiavam quando elas podiam, TODAS menos o V, esse ai aqueria era que eu fracassasse mais e mais só pra rir de mim.
Mesmo que ninguèm ali se importava ou me conhecia muito bem, eu sentia querido de alguma forma e quis mudar pra melhor, to tentando ao máximo fazer cada um deles uma pessoa especial e estou tentando agradecer o máximo que eu consigo.
No dia do meu aniversário, eu quis aproveitar e jogar com o G e somente o G. Um tempão depois do jogo, tipo 1 ou 2 horas, o V começou a me chingar só que dessa vez ELE era o estressado, perguntei pro G o que ouve e por que do V estar me chingando tão frenéticamente do nada, e G me explicou que era por que eu tinha jogado sozinho com G, e dai quando o G estava falando sobre isso para o V, o V questionou sobre o por que G ou eu não convidar ele e a resposta do G foi "hora, porque você é chato.", e SOMENTE ESTAS PALAVRAS foram o suficente para o V ficar de birra e tentar me confrontar. Ele falava algo como "O PoRqUE VocÊ nÃo me ConVIDa ParA aLgO Que vOCê SaBE que eu GoStO?!", eu usei o argumento de "então porque vocês não me convidam e falam em call por privado?", e ele me respondeu com um "PorQUe VoCÊ é ChaTO !".
Por mais que eu achasse errado, eu me sentia feliz por finalmente conseguir pelo menos fazer ele sentir uma pequena doze de todo o estresse que ele tacou na minhas costas por 3 anos sem erguer um dedo sequer na direção dele, mesmo eu sabendo que estava correto não quis continuar, por que era capaz de ele espalhar coisa destorcida para as outras pessoas que REALMENTE importam, então eu só falei um "desculpa", pra ele pelo menos achar que eu me sinto errado.
Eu não sei se G estava falando a verdade ou só foi uma resposta pro V calar a boca, mas se ele também acha o V chato, pode ser um passo e tanto. Eu não quero colocar niguém como o C ou as outras pessoas do nosso antigo RPG no meio dessa minha treta toda, e acabo tendo medo de estragar minhas amizades com eles por ser muito chato e não jogar praticamente nada, ou por eu dar ficar de saco cheio do V e por eles serem amigos do V por mais tempo, achar por estinto que ele é o coitadinho, pelo o que eu vi, até agora eu sou o único saco de pancada emocional dele, mas se esse cara tentar mecher com o C ou com o G eu vou defender eles com unhas e dentes, por que é o mínimo que eu posso fazer.
Eu acho que gosto de uma menina que o V, la no passado disse que eu me daria muito bem, nós nos conhecemos brevemente pelo RPG e nós nos conversamos as vezes nas raras ligações que eu faço no grupo até hoje. Tenho medo de estragar com uma futura amizade já que somos somente conhecidos ou até mesmo do karma, mesmo já tendo passado por algo mil vezes pior do que seria a resposta do mesmo.

TL;DR: Vivi com um amigo tóxico do meu lado por 3 anos que me tratava como um saco de pancadas emocional, e depois de tanto tempo eu finalmente percebo no que ele me tornou e o modo que ele me tratava, e estou tentando consertar todas as besteiras que eu fiz enquanto estou caminhando num campo minado, aonde posso perder todas as futuras amizades em potencial que tenho se fizer qualquer besteira relacionada a elas, e aonde eu não posso esperar por muito tempo pois posso perder contato.
submitted by PetterGold776 to desabafos [link] [comments]


2020.10.17 11:45 tataweevee [Sério] Dois anos e meio de relação para ser traído no fim...

Sinto-me perdido, tenho um nó enorme na garganta. Tento respirar e não consigo, é difícil. Estou a escrever isto com as mãos a tremer. Não sei se é da fome ou do medo e insegurança. A minha namorada traiu-me com outro homem. Um homem que vi quando fui ao aniversário da sua mulher. Vi-lhe os olhos famintos a olhar para a minha namorada da minha idade, muito mais jovem que ele. Senti um medo e insegurança no momento e fiquei com medo porque eles trabalham no mesmo local, na mesma empresa, todos os dias, enquanto eu vejo-a apenas ao fim da tarde e nem todos os dias. As coisas estavam a correr bem entre nós. Não duvidei dela. Até que 4 meses depois descubro que andei a ser traído... Não consegui acreditar, parecia uma ilusão. Algo que não poderia acontecer, algo que não poderia ocorrer na minha vida. Não sabia o que sentir, não sabia o que dizer nem fazer. Amo-a mas como pode ela fazer isto se diz que me ama. Como pode olhar-me nos olhos e mentir... partilhar a mesma cama que eu, comer na mesma mesa que eu e os meus pais.... as ferias em família para o algarve em que ela pedia para tirar fotos sozinha e afinal eram para o outro homem... Como pode ela trabalhar e ser colega de trabalho da esposa grávida desse homem... como pode ela almoçar com a sua mulher gravida enquanto faz essas coisas com ele nas costas. Como consegue? Como a olha nos olhos sabendo o que faz... Quem sou... quem fui eu nesta relação. Fui enganado os dois anos e meio que namorei? Andei a imaginar coisas que não devia, coisas que só um parvo que acredita em unicórnios e mundo cor de rosa acreditaria. Tenho 24 anos, não aprendi tudo sobre a vida, mas aprendi a distinguir o certo do errado. Mas agora já não sei. Passaram dois meses desde a separação e o que mais quero na vida é voltar. Voltar a ser feliz, voltar a ser o parvo que acredita no mundo feliz. Este pensamento destrói-me. Destrói-me saber que sou capaz de optar por me humilhar para estar com a pessoa com quem era feliz mas enganou-me durante tanto tempo. É humilhante, tenho vergonha. Vergonha de mim mesmo.... como cheguei a ser triste a esse ponto. Imaginem quão lixo de ser humano tens que ser para te deixares humilhar só para teres a dose de felicidade. Tenho muita vergonha do que sinto. Tenho imensa pena de ser traído, sinto que perdi a minha masculinidade. Sinto que me deram uma chapada na cara e não posso responder, apenas aceitar e ignorar. E agora ainda sou capaz de pedir por outra chapada só para poder voltar a estar com a pessoa. Eu sou triste, sinto-me tão mal :( Não aguentei, liguei-lhe ontem à noite. Liguei-lhe e descobri que continua a ter relações com o mesmo homem e que agora vai entrar também o ex dela (antes de mim). Sinto-me ainda mais estúpido por ter ligado. Pedi-lhe que saísse do meu ginásio, porque é o único sítio que ainda temos em comum. Respondeu-me que sim e agora espero que isso aconteça. Tenho a tese para fazer até ao fim do próximo mês e ainda não comecei. Não consigo pegar. Tenho a cabeça num vácuo perdido de sentimentos que me deixam com um forte nó na garganta. É me difícil olhar a minha mãe nos olhos e dizer que estou bem, tem os stresses dela, não quero pôr os meus problemas em cima. Custa-me respirar, custa-me viver. Não sei o que fazer. Sei que tenho de fazer a tese e seguir em frente com a vida, mas é tão difícil. Sinto-me incapacitado de ser feliz, incapacitado de fazer o que quer que seja e entendo que é apenas um bloqueio mental meu... mas não o consigo remover. Pessoal estou destruído e choro por me ver assim :(
submitted by tataweevee to portugal [link] [comments]


2020.10.14 02:49 Krahmukoslovisk Porque não sou feliz?? *aviso de texto enorme*

Sempre que começo a estabilizar ou estagnar sempre me surge um sentimento cruel, de que eu estou preso a algo ruim, que ficarei pra trás. Tenho um desejo incontrolado de sair e começar tudo do zero. Porém quando estou em um lugar novo sinto falta do conforto e do carinho, me fazendo querer desistir. Hoje estou fazendo mestrado, trabalhando em uma ótima clinica e mesmo assim sinto um vazio no peito, uma dor e uma angustia, seriam esses os sintomas tardios do termino? Da realização de um “fim”. Pois é, em 2017 voltando do meu intercambio dos estados unidos eu tive um relacionamento rápido coisa de 3 meses, terminei e pra mim foi tudo bem, não havia história e não havia amor verdadeiro. Alguns meses depois me veio a ruiva mais linda que eu já vi (apesar de não ser ruiva natural caia muito bem nela, e nem se podia notar), eu me apaixonei na hora, mas pensei “não sou cara pra namorar, não consigo me conectar’. Eu não podia estar mais enganado. Os primeiros meses foram difíceis, ela havia terminado um relacionamento que não tinha superado, não queria se envolver, muito menos eu, afinal estava na faculdade e queria curtir tudo na mais absoluta esbornia. Porém o cheiro, o carinho e aquele sorriso me quebrou de uma forma tão intensa que eu não quis acreditar, foram períodos de muita felicidade até o momento que tudo virou de cabeça pra baixo, terminamos pois estávamos muito estranhos e eu não entendi muito bem mas não tive objeção, só que algo não estava certo pra mim eu não conseguia esquecer ela.
Fui atrás e descobri da boca dela uma traição, e que ela estava sendo coagida, foi agredida e teve que sair de onde morava por causa do sujeito. Foi o momento 1 da minha mudança, pois sempre fui um cara que abominou traição e quando a pessoa trai uma vez vai trair de novo, só que eu não consegui, não consegui olha pra ela e dizer que não queria olhar pra ela nunca mais, porque eu queria ela do meu lado, então, foi quando eu deixei ela morar comigo, dividir a casa com quem me traiu e quebrou minha confiança, chorava toda noite, porém não conseguia mandar ela embora não estava certo pra mim, e que apesar do que ela fez pra mim, o que fizeram com ela foi pior, voltaram as amigas dela contra ela, as próprias meninas de republica não ajudaram ela nem mesmo na parte da agressão. Eu resolvi dar mais uma chance pra ela e ó Deus daria mais umas 20, porque depois disso não tive o que reclamar, sempre atenciosa, se preocupava comigo, fez questão de conquistar minha confiança pouco a pouco até eu pensar em casar com ela, porém veio o ponto da virada numero 2.
Final da minha faculdade estava passando por problemas com os professores, a ponto de quase ter que ir no ministério publico para resolver um conflito, meu TCC estava um caco e eu estava a um pingo de ser reprovado no meu ultimo semestre, e isso é claro refletiu no relacionamento, brigávamos sempre pois estava apático a tudo, só conseguia comer e jogar, ela (com toda razão) se sentia abandonada, e eu não sabia se queria continuar namorando pois tudo na minha vida estava triste. Terminamos novamente, me consultei com um psiquiatra que me passou medicações e tirei um tempo para ficar em casa, tive crises de pânico, mas quando as medicações começaram a fazer efeito eu consegui fazer tudo, e ela, mesmo depois de ter terminado continuou ao meu lado, me ajudando e segurando minha onda diversas vezes, e no final eu percebi que estava em um momento horrível e pedi para voltar, voltamos. Então se inicia 2019 (teve um salto grande eu sei) quando sai da cidade onde fazíamos faculdade e fui para vila velha e ela ficou lá, novamente as coisas começaram a ficar estranhas, ela é a definição de paixão pra mim, intensa, sem medo, faz o que o coração manda e passar por cima de tudo para fazer o que acha certo, e eu não, sou acomodado e fico sempre a mercê do que os outros fazem ou deixam eu fazer, sou passivo nas atitudes. A distancia era grande, eu tinha uma rotina pesada e não tinha tempo de conversar por mensagem, estava muito dedicado ao meu estagio e ela precisava de mim, precisava conversar e precisava do namorado dela ali do lado dela, então brigávamos constantemente, então novamente outro termino. Só que dessa vez fui tão cego que não vi o que ela estava passando, os problemas que tive de final de faculdade ela também teve, e eu egoísta que sou, não soube ver isso, e quando me toquei do que havia feito, tentei de alguma forma ajudar, mas ela não me atendia, e quando a gente se falava ela só sabia chorar, e eu tapado que sou não sabia o que fazer e como agir.
Então começa o ponto de virada 3, terminei o meu estagio, voltei pra casa e arrumei um emprego em um consultório veterinário perto de casa(interior do ES divisa com o RJ), e ela voltou pra cidade dela Pedro canário (norte do ES, divisa com a Bahia) estávamos terminados porem anos antes compramos um congresso de veterinária juntos e ela disse que mesmo que terminássemos ela ia disponibilizar a casa (o pai dela mora em Curitiba) dela para eu ficar. Foi chegando a data de ir e eu não sabia se aquilo estava valendo ou não, então quando menos esperava, depois de semanas sem se falar ela pergunta quando que vou, eu que nem tinha preparado nada, entrei em choque e comecei a ver data de voo, e na minha cabeça pensava “vou conquistar essa mulher de novo”, e como já dizia Rubel “se for preciso eu pego um barco e eu remo por 6 como peixe pra te ver”, ela ama Rubel. E fui, eu nunca tinha sido recebido tão friamente, era simplesmente era apática a tudo que era relacionado a mim, eu pensei “não vai dar” e já fui baixando a expectativa mas não desisti, e então em um belo dia a noite em casa, a gente ficou entre choros de saudade e tristeza, amor e ódio. Mais uma vez resolvemos tentar, sempre claro corrigir os erros do passado, para não se repetir. Ela fez comigo um teste de perseverança pois estava devastada com o que fiz com ela (deixar ela sozinha no fim da faculdade segurando uma barra desgraçada) Eu arrumei um estagio para ela numa indústria de laticínios na minha cidade e ela foi pra lá. Eu percebia que ela era muito grossa e sempre discutia por coisas bestas, eu sabia que era pra me testar, segui firme. Próximo do estagio acabar, meus pais (que aliás achavam que estávamos separados, na verdade só fingiam) perguntavam quando ela ia embora, e eu não sabia como tocar nesse assunto porque eu também não queria que ela fosse, queria ficar com ela, mas então em janeiro de 2020 ela foi embora, para Curitiba na casa do pai dela. E pra minha sorte o que houve em 2020? Pandemia, comércios fechados, aeroportos fechados, caos no mundo, e a única forma da gente estar junto e por whatsapp, e quem é o insensível que não consegue ser atencioso a distância? Eu mesmo e assim levamos por alguns meses, planejando nos ver em pleno a pandemia, mas eu não tinha dinheiro, recebia muito mal (menos que um salário mínimo) e pra ir ver ela teria que pegar dinheiro com meus pais, que com certeza não me emprestariam, então era sempre uma decepção porque ela sempre vinha com promoções de voos e formas da gente se ver, e eu sempre realista quanto a nossa situação, foi então que em junho desse ano ela me ligou terminando tudo.
Aceitei, foi uma conversa ate que longa, ficou muito claro nossos motivos, mas o principal foi a distância (eu não consigo ser eu mesmo por mensagem, não sei o que acontece, no dia eu só vou fazendo as coisas e depois que me toco de ver celular mas as vezes já e tarde). No mesmo mês fiz minha inscrição no mestrado em Vila Velha aonde havia estagiado meses antes, acabei passando, não recebo bolsa, e estou tendo que trabalhar para pagar o mestrado e as contas (quase 2500 reais no mês) até ter uma bolsa, se houver ela. Mês de setembro fiz plantão todos os finais de semana e terças-feiras, de segunda a sexta estava na rotina do Hospital para aprender a fazer coisas novas em anestesia e a noite aula. Foi um mês desgraçado, mas foi um mês que não senti falta dela, ai nesse ultimo feriado, alguns amigos me chamaram para ir para a praia em Guarapari (cidade próxima) pra gente da uma curtida, então eu fui, e realmente me diverti muito, e no domingo eu acabei ficando com a amiga da namorada de um amigo meu (complicado mas acho que deu pra entender) e nesse momento, meus amigos, só me vinha uma coisa na cabeça, a Ruiva. Eu só dei uns beijos nela e nada demais aconteceu mas no outro dia eu fui embora, porque não estava me sentindo bem com a situação, cheguei em casa triste, com uma dor no peito enorme, e acabei mandando mensagem para ela, conversamos de boa, falamos como estavam as coisas e então vem o momento da virada 4, a Ruiva, conversando com umas pessoas arrumou um emprego numa cidade pequena aqui no espirito santo, e essa cidade meus amigos, é 70 km de onde eu moro, e agora eu não consigo trabalhar, comer, estudar e nem fazer nada, só penso em ir lá e chegar dizendo que vim remando por 6 meses e só pude chegar agora. Porém meu medo é eu ser a pessoa que nunca está feliz, que quando está bom quer mudar e quando muda sente falta do conforto. Inegavelmente eu a amo, e ela me ama também (foi dito isso na conversa) mas tanto ela quanto eu sabemos que amor nunca segurou e nunca vai segurar relacionamento, fico me perguntando, com a possibilidade de ir vê-la a cada 15 dias e trabalhando pra me sustentar, podendo fazer planos de vida, se daria certo. Antes vivíamos em momentos diferentes, mas agora estamos vivendo no mesmo momento, trabalhando e sendo adultos que moram fora de casa. Meu coração e meu corpo doem de medo de ignorar o que todas as fibras dizem que é ir ver ela esse final de semana, mas ao mesmo tempo morro de medo de estar sendo o maior egoísta desse mundo e me deixar levar por esse sentimento e acabar descobrindo que não consigo mudar e que não da mesmo para estarmos juntos. Nunca fui muito religioso, mas já rezei para Deus para ter sucesso, para ter dinheiro pra pagar minhas contas, agora peço que ignore tudo e me uma luz para onde seguir.
submitted by Krahmukoslovisk to desabafos [link] [comments]


2020.10.12 03:11 zsagattigerz Minha esposa pediu um tempo.

Estou passando por uma situação muito difícil, a minha esposa me deixou a 5 dias atrás pedindo um tempo em nosso casamento, tirou todas as coisas dela do apto e foi pra casa da minha sogra, minha esposa continuo conversando comigo pelo WhatsApp falou que era um tempo até eu me tratar do meu problema com álcool e cigarro e até indicou um psiquiatra ai entã eu mostrei fraqueza fique pedindo pra ela volta e etc... Então ela falou muitas coisas ruins dizendo que não volta mais e que tudo acabou e pra mim seguir a minha vida porque eu só atrapalhei a vida dela. Então falei adeus pra ela e Continuei postando coisas no whatsapp e ela vê todos, comecei a conversar com a minha sogra que me disse pra eu deixar ela que ela volta e fala coisas ruins pra mim pq está brava. Eu amo muito a minha esposa e não queria perder ela. Eu sei que errei pq estava fumando cigarro escondido dela e tenho problema com álcool. Estou desesperado fui na paróquia aqui perto de casa e rezei pra deus me ajuda e eu não tenho nem um amigo pra conversa, estou sozinho no meu apto. Eu ainda sinto no fundo que meu casamento ainda não acabou é uma sensação que não consigo explicar. Mas, parece que ainda vamos volta. O que eu na entendo nas mulheres é o porque ela está fazendo isso comigo dizendo que tudo acabou pra eu esquecer ela e seguir a vida. Mas continua vendo meus status no whatsapp não me bloqueou e pediu pra eu me tratar do meu problema com álcool. poxa eu fico na dúvida se acabou mesmo ou ela só está brava e vamos volta. Estou chorando muito e com o psicológico abalado as mulheres são muito complicadas tem momentos que dá esperança e em outros não.. alguém já passou por uma situação assim ?
12/10/2020 Deixei de fumar e estou tomando remédios para ansiedade, fui até a paróquia do bairro e rezei por mim e minha esposa.
13/10/2020 Ontem minha esposa havia me bloqueado no WhatsApp e hoje pela manhã me desbloqueou. Minha pediu pra eu mandar mensagem para a minha esposa mas eu estou com medo da reação dela.
14/10/2020 Após dias discutindo no whatsapp ela me bloqueou varias vezes e desbloqueou hoje trocamos Bom dia ! E ótimo trabalho, não vou fala mais nada quando chegar de noite eu vou mandar um Boa Noite!
16/10/2020 2 dias sem conversar com a minha esposa, estou conversando muito com a minha sogra e ela me falou que a minha esposa está reclamando muito, que eu destruí a vida dela que ela não sabe oque fazer daqui pra frente.. ela é de São Miguel zona leste , e quando a gente se casou ela veio comigo para o Butantã. Hoje estou sentindo 0 de chances dela volta pra mim e ainda estou me sentindo mal por isso, continuo sem beber ou fumar..
17/10/2020 Fui na paróquia e pedi a deus que me absolva meus erros com a minha esposa e ilumine a minha cabeça para o melhor caminho. Fiz uma reflexão sobre a minha esposa e ela não foi uma boa pessoa comigo, já houve agressões físicas e verbais pela parte dela, todo meu salário era controlado por ela, sexo era umas 2 ou 1 vezes ao mês, ela tinha muitas alterações de humor e já chegou a me expulsa do apto por algumas vezes por motivos muito infantis. Havia muita hostilidade por parte dela contra mim, mas tbm tinha momentos em que ela esta bem. Eu sentia pena dela pq eu acreditava que ela estava com algum problema mental e eu não sabia como ajudar. Na última briga ela me colocou pra fora do apto de madrugada e não deixava entrar tive que pegar um uber e ir para casa da minha mãe e acabei comprando umas brejas e bebi muito lá pois eu estava triste., Então no outro dia voltei e pedi para abrir a porta pois eu precisava pegar algumas roupas assim que ela a abriu eu entrei e disse que não iria sair, ela chamou a polícia que informou para ela que não poderia me tirar do apartamento porque está alugado em meu nome, então ela saiu e foi para casa da mãe, no outro dia voltou com um caminhão de mudança e levou tudo TUDO só deixou o sofá e o microondas pra mim. Cara foi uma puta de uma sacanagem isso. Ela sinceramente acho que ela não eu uma pessoa boa para estar ao meu lado e estou iniciando um processo dentro de mim de mejo por ela e perdendo o amor. Hoje ela postou algumas mensagens no WhatsApp como indireta para mim. A mãe dela me disse que ela tá estranha. Claro deve tá batendo o arrependimento e a falta por mim. Mas a bixa e tão orgulhosa que não vai mandar e nem eu l. Na boa to tranquilo, já tô gostando da ideia de volta pra casa da minha mãe junta uma grana e compra um carrão pra mim. A minha dor já passou por ela e coloquei uma data limite de até o final de outubro passou disso tchau não voi fica esperando ela.
18/10/2020 Em uma breve conversar com a minha sogra ela me disse que não esta vendo a filha dela bem com essa separação e está preocupada com ela. Agora eu estou super puto da vida porque acho que ela esta resistindo a volta pra mim mesmo sofrendo. Que foda, minha vida está de cabeça para baixo , por mais que eu tente esquecer ela vendo vídeo motivacionais, religiosos ..etc isso não passa nem o tempo está ajudando. O termino foi no dia 02/10/2020 .. continuo seguindo o conselho minha sogra de não fala com ela...eu errei muito com ela. Se ela me dar mais uma chance cara eu sou muito sortudo mas não acredito que isso vai acontecer. Eu não me vejo com outra pessoa só de pensa sinto nojo eu gostava dela, eu nunca senti dor tão forte como essa tá piorando a cada dia estou ha 3 dias seguidos sem dormir vou acabar morrendo ou ficando louco morador de rua. Eu sinto que ela esta pensando em mim a gente tinha uma conexão qual que de alma gêmea . Porque ela está fazendo isso comigo? Ela tá me deixando assim pra eu sofrer e nunca mais beber ou fumar se for isso ok já aprendi a lição. Estou ficando de saco cheio já dessa putaria vou meter o louco e começar a xingar ela e a mãe dela. Porra, a mãe dela fica me dando esperança dizendo que ela volta e bla bla bla que ela gosta de mim que ela quer que eu mude que eu melhore que eu acorde para o relacionamento que não se torne pior do que já estava. mano, mas minha esposa fala que ACABOU ai me bloqueia ai desbloqueia fica vendo meus status ai me manda mensagem me xinga ai bloqueia ai desbloqueia ai fica vendo meus status denovo. Tô ficando maluco já. Ai que porra. Ela médica veterinária e e está trabalhando em plantões de 12hs ela deve tá muito puta comigo, aqui no Butantã temos praças aonde ela costumava passear com os cachorros todos os dias agora na zona leste ela não pode fazer isso então e casa e trabalho nossa ela deve tá sofrendo... Cada dia que passa eu vou sentindo mais falta e nesse momento acredito que as chances dela volta comigo são mínimas, eu tenho dificuldade de conquista outras mulheres e não vou superar nunca a perda do meu amor. Caraio a vida é foda com a gente. 2- Que situação tudo isso aconteceu por culpa minha. Estou sofrendo pra caraio e ela mais ainda pq teve que larga o trabalho .. me sinto no fundo do poço , talvez eu nunca volte a vê-la novamente. 3- Minha sogra mudou o tom das conversas acho que azedou de vez não volta mesmo. O apartamento está financiado no nome da mãe dela e tem que paga multa na boa eu quero que se foda porque a minha esposa levou as coisas então elas que se virem pra paga o aluguel e a multa.
19/10/2020 Hoje a minha sogra me pediu para fala com a minha esposa minha sogra quer muito que eu fique com a filha dela ela gosta muito de mim e eu dela.(coisa rara de acontecer) Bom, por enquanto a minha esposa ou ex. Sei lá. tá me respondendo na boa sem agressividade, vamos ver o que vai rolar. / A conversa com a ex. azedou e ela me falou que a única coisa que tem pra resolver comigo é a separação em juiz. Minha sogra disse pra mim que ela tá falando isso agora e tem certeza que a gente vai volta. / Mano, azedou de uma tal forma que me tenho mais esperança de nada. Acabou mesmo
20/10/2020 Minha ex. Bloqueou whatsapp telefone em todas as redes sociais tivemos as conversas por telefone e quando dizia que gostava dela e que mudei e me arrependo do erro ela até dava um bom sinal que tbm gosta, me contou que está passando uma grande dificuldade no trabalho e está difícil fica na casa da mãe dela. Eles tiveram uma briga ontem. Ela por ter saido do apartamento acha que eu tenho que pagar a multa de recisão sozinho. Tá sendo um inferno. Ela tomou a decisão errada e está claramente arrependida com isso. Não quer ficar na casa da mãe dela. Eu peço a Deus que em guarde e me proteja eu não entendo como a pessoa que me dizia me amar e 15 dias atrás agora me odeia e não quer me ver. Eu amo tanto essa pessoa e não consigo superar e acredita que estou passando por esse tipo de situação, agora não tenho nem um tipo de contato com ela. Meu deus do céu me arrependo por ter bebido e fumado essa foi a causa do termino do meu casamento.(ainda tenho um sentimento de alívio ou que algo ainda vai muda) / Rolou mais um quebra pau entre minha sogra e minha ex. Esposa agora a minha ex saiu da casa da mãe mandou várias mensagens pra mim e a merda fedeu de um jeito que não teu volta não. Minha ex agora não quer fala comigo e nem com a minha sogra .. caraio que barraco feio da porra que eu me envolvi com essa mulher ela é muito louco e agressiva até com a mãe dela. Gente do céu pedi o interesse nela total só me sobrou dó agora porque ela saiu da casa da mãe e não sei pra onde foi ... Eu acho que ela esta surtada da cabeça não se acalma de jeito nem um. Meu deus do céu. O pior que ela mexe com uns negócios de macumba e parece que essa porra tá afetando a vida dela.. tínhamos uma vida tão boa e ela chutou o pau da barraca assim do nada caraio, nunca pensei em passa por uma situação assim na minha vida. Há 15 dias atrás uma pessoa que se deitava comigo dizia que me amava, fazia amor comigo agora me odeia.. caramba estou transtornado com essa situação. Coisa horrível.
20/10/2020 Minha ex. Está descontrolada a mãe dela expulsou ela de casa disse que ela está insuportável, aparentemente ela surtou, agora está mandando mensagem para mim e para a minha sogra com tons agressivos. Estamos preocupados com ela pois ela já agia assim com agressividade com a gente mas parece que piorou .. agora a situação virou caso de preocupação com ela pois não sabemos qual será a atitude dela. Ela continua me mandando mensagem mas nem respondo.. ela não está com a cabeça boa não.
Uma coisa não se encaixa nessa história! 13h ela foi explusa de casa 17h ela me disse que alugou um apartamento 19h Postou foto no whatsapp já no novo apartamento com os móveis nele eu vi na foto mesa, e outras coisas que eram do nosso apartamento. Detalhe, a mãe dela estava no trabalho como iria expulsa ela de casa ?
Eu estou sendo manipulado 🥺 É tudo uma farsa.. meu deus quem são essas pessoas que estão conversando comigo? Não to entendendo mais porra nem uma.
22/10/2020 Estou começando a me sentir mais aliviado e com pensamentos positivos, porém as vezes ainda sinto uma dor pela falta dela, talvez eu nunca consiga esquecer a fernanda. Vou levar essa dor dentro de mim pelo resto da minha vida. Só um milagre pode salvar meu casamento nesse momento. Me bloqueou novamente no whatsapp mais uma facada no coração. (Não bloqueou só retirou a foto dela) fazendo joguinhos novamente, estou perdendo minha sanidade mental com essas atitudes.
A mãe dela tá sendo muito boa comigo. Porém a filha dela não está cooperando não quero mas estou desconfiado que a mãe dela só está sendo boa comigo porque o contrato do apartamento está no nome dela e tem a multa e o aluguel desse mês pra pagar. Caraiooooooooo minha mente está a mil.
23/10/2020 Trocando indireta via status do WhatsApp. Coloquei uma foto linda minha a bicha deve tá puta. ela colocou uma dela tbm. mas na boa eu sou bem mais bonito.. hahahaha Postei uma foto que apareceu minha mão sem aliança mas a foto estava invertida ela viu e me mandou mensagem reclamando que eu tirei a aliança.. hahaha.. aff ela separou de mim e tá cobrando que eu use aliança? Na verdade eu continuo usando sim.. mas sei que ela não.
24/10/2020 Sem ela percebi que não sei fazer nada, o apto está uma zona, cheiro de comida estragada o sofá com cheiro de chulé, estou comendo comida de microondas não sei nem o que pedir no ifood. Eu era totalmente dependente dela nas decisões nem o lixo eu tirei. Nossa, estou perdido. Eu fico esperando uma mensagem dela a todo momento, só queria que tudo voltasse ao normal. Essa experiência está sendo torturante.
submitted by zsagattigerz to desabafos [link] [comments]


2020.10.11 02:24 ZaGaGa A História de um jantar de aniversário em tempos de pandemia

(no final tem algumas notas de esclarecimento)
Meus caros vou escrever isto em tom de desabafo, se quiserem leiam se não quiserem não leiam, se quiserem dar upvote força, se quiserem dar downvote também é ok e é só rodar o polegar e enfiá-lo no outro dia a minha cara metade avisou-me que tínhamos sido convidados para ir jantar a casa da cunhada que tinha feito anos. Fiquei logo de pé-atrás, é que eu estava a comprimir uns 10 dias de pseudo quarentena [sim o governo espanhol andava a espiar-me] depois de ter estado a em grande sacrifício em prol dos interesses do país - que é como quem diz: de féria no Algarve - para poder ir visitar os meus pais que moram para lá das serras onde quando se vai tem de se pernoitacohabitar e agora vinha-me esta gaja com uma festa de anos em plena pandemia...raios.
«Não te preocupes. Ela disse-me que somos só nós e os meus pais, assim a família mais próxima» - "A família mais próxima...e eu!" pensei mas guardei para mim, "...é que só pode porque que eu saiba ainda não sou da família! Fogo! Ainda por cima vou ter de arranjar uma prenda..."
Enfim lá fomos, e no dia deram-nos a morada do restaurante, «Então? Restaurante? Não era em casa?!»
«Pois é... não sei, o David [nome fictício] disse-me que é no restaurante do tio do primo dela [grau de parentesco inventado mas vendo bem as coisas é possível], mas que o restaurante vai estar por nossa conta».
Chegados aos restaurante, de aspecto familiar mas com muito boa apresentação, acenou-nos lá de dentro o David - por detrás de uma porta carregada de cartazes da DGS impressos e o do selo COVID Safe - para que entrássemos.
«Então o teu irmão está sem máscara?» perguntei à minha cara metade que olhava para mim com ar de igual surpresa.
«Oh David! Não é preciso máscara?»
«Não, não na boa mano, entra»
Ainda assim hesitamos à entrada da porta do restaurante de onde se podia ver em praticamente todas as colunas e em letras grandes e vermelhas YOU SHALL NOT PASS! ok, na realidade era apenas "Obrigatório o uso de máscara" mas o já adquirido hábito de cumprir essa regras ao fim deste tempo todo era como se uma barreira invisível nos impedisse de atravessar o portal...mais precisamente a porta de entrada.
«Tens a certeza? É que não me importo nada de usar máscara... já estamos habituados» perguntamos com a máscara na mão.
«Oh esquece isso! Só cá estamos nós, o ‘tio do primo’ disse que era na boa. Só se aparecer algum cliente.» “Como assim ‘cliente’? Então o restaurante não estava por nossa conta? Quer dizer que o restaurante está aberto ao público? E isso não faz de nós clientes?” «Eles estão com pouco movimento, o pessoal anda todo com medo do cóvide" continuou o David, “Pouco movimento?” mas guardei para mim as minhas dúvidas.
Subimos à sala de jantar onde uma grande mesa se destacava já posta e com umas 20 cadeiras. Foi quando percebi que a família mais próxima incluía a família "do outro lado". Sem máscara e claramente familiarizados com o espaço (ao contrário de nós) a família da Paula [nome fictício da aniversariante] cumprimentou-nos com a habitual frase "agora não se pode dar beijinhos" e convidou-nos a sentar enquanto se dirigiam à cozinha por entre as mesas (onde dois solitários clientes assistiam a notícias chocantes de mais um lar com infectados - CMTV) para irem buscar petiscos.
Com um enorme nó na garganta sorri e cumprimentei toda a gente, e enquanto se davam as apresentações eu só pensava que queria virar as costas e sair dali rapidamente. Contudo os laços familiares amarravam-me ao chão.
Com 15 adultos à mesa (onde ocupamos estrategicamente o cantinho mais afastado de toda a gente) e uma dúzia de crianças particularmente mal comportadas (ok eram só 5, mas apreciam muitas mais) lá chegaram os aperitivos, daqueles bons à tuga de lamber os dedos depois de lhes pegar e partilhar: camarões, queijos, pica pau, entre outras coisas que nos dão prazer de existir neste mundo circulavam na mesa num "queres? temos aqui mais! eu já comi a minha dose e a Joana (fictício) não gosta do que é bom" e enquanto isso eu gritava para dentro e tentava acompanhar que aperitivos ainda eram relativamente seguros e quais já tinham sido alvo de alguma das crianças que, de tempos, lá pegavam em comida, cheirava e voltava a meter no prato completamente absortos dos pouco convincentes ralhetes dos pais "Já te disse para não mexeres naquilo que não vais comer!" isto x100 e x5 e é só fazer as contas.
1 a 1 os dois solitário clientes abandonaram discretamente a sala enquanto a nossa refeição se desenrolou. Um dos nosso convivas (pelos vistos funcionário do sítio) era uma das duas únicas pessoas que usava máscara e foi receber os pagamentos. A outra pessoa era o dono do elegante restaurante, um senhor forte (ok, gordo) e pachorrento com máscara a fazer da babete enquanto se queixava dos ossos e que vinha aí chuva (acertou claro!)
O jantar estava óptimo! Boa comida, bom vinho tudo bem confeccionado. Até conhecemos a cozinheira, uma senhora com muitos anos na casa, que veio da cozinha (sem máscara) para nos cumprimentar e conversar um pouco com os convivas enquanto, por cima de mim, se apoiava nas costas de minha cadeira.
A conversa lá se orientou para o tema do Covi-19, e afinal aquela gente até é temerosa da coisa, pois tinham "muito medo”, «sabe-se lá as pessoas que andam por aí!», «Andam aí espanhóis por todo o lado e uma pessoa tem receio, ainda no outro dia tivemos aqui umas francesas, vieram cá duas vezes, felizmente já se foram embora!», «A culpa é do governo e do PR! [Claro...] que só dão maus exemplos, andam a pedir para as pessoas irem à praia e irem de férias e depois tá tudo infectado», «Há pessoas que também não têm cuidado nenhum, ainda no outro dia...»
Aos poucos os olhares viraram-se para mim, as pessoas mais próximas sabem que tenho formação científica, opiniões sólidas e minimamente informadas sobre o tema pelo que eu (depois de ter esvaziado uma boa parte da garrafa de tinto que descansava ao meu lado) já não aguentando ouvir mais nada levantei-me e explodi apontando o dedo para aquela gente e denunciei aquela hipocrisia, o incumprimento de regras e toda a estupidez e falta de critério à lusitana pois já era mais que sabido que as mais recentes infecções eram provocadas por eventos exactamente como aquele! Aliás como é que ainda tinham o descaramento de se queixar de falta de clientes perante tão pavoroso incumprimento das mais elementares regras!
Ou pelo menos foi isso que fantasiei por breves segundos e assim, depois de mais um golo no copo de vinho para ganhar tempo, lá respondi quebrando o momentâneo silêncio que se havia instalado: «Pois… É complicado...»
Já as velas lá se apagaram, como deve de ser nos dias de hoje, com um swipe da mão.
--//--
Algumas notas:
submitted by ZaGaGa to portugal [link] [comments]


2020.10.09 18:49 DependentNo1772 Meu ex me bloqueou só no WhatsApp me ajudemm

Depois do término voltamos a nos falar, e estávamos se vendo e ficando, eu contei a ele que talvez iria sair com um cara, ele ficou morrendo de ciúmes, e disse que queria eu só pra ele, porém falou que iria entender se eu fosse, eu respondi dizendo que não tinha como ser de alguém que n é só meu, e ele falou que ele é só meu só não estamos namorando no momento obs : (n voltamos a namorar pq ele n quer agr) e falei mas esse é o problema você está solteiro, pode muito bem sair com outra e eu não vou poder falar nada pois n temos compromisso, e ele falou se você pensa assim, melhor sermos amigos, sem perder o contato, só não vai ter contato fisico, mas mesmo depois dessa conversa continuamos conversando normalmente e marcando de se ver de novo, até que entramos no assunto de novo, e ele falou que já tinha dito pra mim oque ele pensa, é só dependia de mim se iria querer ve-lo ou não, então eu resolvi tomar uma atitude e falei então é melhor sermos amigos por enquanto, e ele respondeu você que sabe, e eu disse “é foda-se”, e ele respondeu okay, depois disso ficou um tempo online, porém eu não falei mais nada, e depois de uns minutos ele foi e me bloqueou só no WhatsApp, eu pensei que ele iria levar numa boa eu decidir sermos amigos, até pq ele mesmo já tinha sugerido isso antes, porém quando tomei essa decisão parece que feriu o ego dele e ele ficou bravo, não sei oque faço agora para reconquista-lo, isso faz 5 dias, e diz gostar ainda de mim, oque eu faço ? Mando mensagem ou espero ele vir atrás ? E se ele não vir atrás ? Obs: ele n me bloqueou no insta e nem no Facebook
submitted by DependentNo1772 to desabafos [link] [comments]


2020.10.09 04:51 PolyglotSam Apaixonado por um amigo; Talvez haja reciprocidade, mas o contexto é complexo

Isso também é um desabafo, pq ninguém quer me ouvir dizer, mas eu preciso falar.
Eu (19, M, Bi) sinto que eu estou preso, romanticamente preso. Já cheguei a fazer um post em outro sub, há exatos 1 ano, sobre essa mesma situação, e isso me fez ver q eu tô fudido.
Bom, começando do começo. Eu tenho um amigo, vamos chamar ele de Léo, e ano passado eu e ele estudamos juntos no terceirão. A princípio ele namorava uma menina, e isso me fez acreditar que era impossível existir qualquer lance entre a gente. No entanto, há um ano, eu descobri que ele não é hétero, apesar de estar em um relacionamento hétero, mas sim bi. Isso fez minha cabeça surtar com suposições e idealizações de um possível futuro junto dele. E isso não parou, nem por um momento, ao longo de um ano, mesmo sem convívio diário. Só consigo pensar nele quando eu penso em "amor". Eu me sinto feliz na risada dele. E 99% do tempo eu queria estar no abraço dele.
Ele ainda namora essa menina, que por sinal é bem legal. Por isso, eu me sinto culpado por ainda estar gostando dele. E assim, há algum tempo eu resolvi dizer pra ele como eu me sentia - mesmo sabendo q ele estava comprometido - a fim de tentar me sentir melhor, e ver se só assim eu conseguiria seguir em frente.
O ponto é, eu não quero seguir em frente e esquecer ele. Ele não é super bonito, mas é atraente pra mim. Eu gosto do jeito que ele é quieto, mas quando fala, acerta. Como ele escuta os papos que eu tenho pra falar. Como eu gosto de ouvir e falar o nome dele. Eu me sinto 200% culpado por gostar de uma pessoa que já tem um amor. Mas ainda sim, essa sensação me vicia, a sensação de querer alguém. De estar apaixonado.
Alguns detalhes são importantes: Quando conversei com ele, ele foi super compreensivo, me explicou que ele estava namorando e tudo aquilo, mas em nenhum momento ficou zangado/puto comigo. Eu resolvi perguntar pra ele se, caso não estivesse namorando, a gente rolaria, vulgo se ele tinha interesse em mim. E a resposta foi sim. Isso fez com que eu não desistisse daquela esperança, e, consequentemente, da gente.
Eu não desejo mal à ninguém, e é muito longe de mim desejar o fim do relacionamento alheio, então eu optei só por esperar. E, como é bem raro alguém aparecer na minha vida, fez sentido pra mim. O problema é que eu comecei a analisar que eu só tenho atração por alguém se eu estou apaixonado por ela. Isso impede que eu fique com pessoas aleatórias, pq pra mim não faz sentido. Ou seja, como eu gosto dele, eu acabo sendo o cara que fica sozinho, enquanto ele tá lá, com a namorada. Mas isso não tem nada a ver com ele, até porque eu não falei mais sobre gostar dele depois dessa ultima conversa na qual ele disse q a gente rolaria.
Agora, ele tacou gasolina na fogueira: Em um dia que estávamos jogando, ele flertou comigo, tipo, MESMO. Foi uma piada com conotação sexual direcionada a mim. Quando ouvi aquilo, eu entrei em um mini-pânico e não soube o que responder, mas acabei flertando de volta. Desde então minha mente cria histórias e cenários. E eu to feliz em cada um deles. Inclusive, tentando concretizar esses cenários eu escrevi um conto (muitas páginas, mais do que eu me orgulho em dizer) onde a gente realmente tá junto.
Eu só tô tão triste por estar sozinho, isso faz parecer que eu não mereço ser amado, e ter tudo aquilo que os outros têm. Isso me faz achar que nunca, mas nunca, vou ter alguém do meu lado. Cada chabce que eu podia ter na vida não deu certo por algum motivo. Eu to cansado de sonhar, de ter devaneios com saudade do que eu nunca tive. Eu só queria ele.
TL;DR: Me apaixonei pelo meu amigo bissexual que está num relacionamento hétero; mas que demonstrou ter interesse em mim, mostrando potencialmente um sentimento recíproco. Me invovi romanticamente com uma ideia de futuro e isso me fez ficar preso sozinho com meu coração estando nas mãos de outra pessoa. E, aparentemente, eu não quero seguir em frente.
Opiniões?
submitted by PolyglotSam to desabafos [link] [comments]


2020.10.07 15:29 Erevahn Como ajudar minha namorada a perder peso sem ser escroto?

Edit: gostaria de agradecer todos os comentários de apoio e com dicas, fiquei feliz pra caramba com a recepção do pessoal. Eu conversei com a minha namorada, sem tocar no assunto do peso dela, sobre comprarmos umas comidas mais saudáveis pra cozinhar, já que vamos no super hoje. Apesar de tentar usar todo o tato, ela se tocou (é por essas que eu amo ela) e eu comentei que não quero forçar nada, só quero dar suporte pra ela no que for possível. Pedi pra ela catar umas receitas saudáveis pra gente cozinhar e ela pegou várias, e combinamos umas caminhadas aos fins de semana. Agora é manter o foco!
respira... Vamos lá. Background primeiro. Sou um cara de 32 anos, minha namorada tem 26. Estamos juntos tem 10 meses, e esse foi o período mais maravilhoso da minha vida. Eu nunca tive um relacionamento tão longo, pelo simples motivo de que nunca gostei tanto assim de alguém. Nunca conheci alguém tão inteligente, engraçada, amorosa, linda, talentosa, enfim, eu amo demais essa mulher. Estamos morando juntos durante largos períodos esse ano, e só não estamos morando definitivamente juntos por que ainda não dá mesmo, se dependesse só da gente já estaríamos. Só não pedi a mão dela em casamento ainda por não ter grana suficiente pra fazer um pedido como eu quero e ela merece, e por não querer parecer afobado demais pra família dela.
Porque disse tudo isso? Pra deixar claro que ela é o amor da minha vida, e eu ficaria com ela do jeito que fosse.
Ela tem alguns problemas de relacionamento com o pai dela, uma pessoa até boa, porém extremamente volátil e grosso, e ela sendo delicada como é acaba sendo muito afetada pelos comentários dele, sempre sobre o peso dela. Ela sempre foi magra mas alguns estresses que passou, antes de nos conhecermos, a fez desenvolver uma certa compulsão alimentar, e ela ganhou peso. Acontece que essa vida de pandemia, somada a vida de casal, fez com que ela ganhasse ainda mais peso.
Eu não sei bem como lidar com o tópico, não quero falar nada que vá magoar ela, mas sei que isso a deixa incomodada, pq ela já deixou verbalmente claro isso (literalmente falando que estava incomodada com seu peso e queria emagrecer). Ela comprou um jump e tentou fazer um tempo, já tomou umas pílulas para emagrecer também (meio que escondida de mim, descobri por causa que ela perguntou pra um amigo meu sobre elas e ele me contou), isso foi no início do namoro.
A questão é que ela acabou desistindo rápido da perda de peso, e sinto ela sem motivação pra tentar. Já falei pra ela voltar pra terapia, pq acho que o problema é mais psicológico do que físico, mas ela está meio resistente a isso.
Só quero ajudar ela a se sentir melhor e não sei como. :(
Fiquei alguns dias resistindo a postar isso, pq sei o quão fácil é ler meu post como "namorado escroto e gordofobico quer ajuda pra envergonhar namorada até que ela perca peso", e não é nada disso. Eu amo ela independentemente de como ela for, só quero ajudar ela, de uma forma que seja firme o suficiente pra ela saber que realmente pode contar comigo nessa empreitada, mas leve o suficiente pra ela saber que não amo ela menos pelo peso dela. :
submitted by Erevahn to desabafos [link] [comments]


2020.10.07 00:24 sufferchildren Procurando estágio no mercado financeiro: minha experiência

tl;dr: o mercado financeiro se vende como meritocrático mas é mentira, selecionam com base em pedigree e não em potencial ou entusiasmo. Quem é de fora de Insper, ITA, Poli, FGV e realmente quer, consegue, mas vai levar merda na cara e a vida é isso aí mesmo, faz parte.
Eu tentei fazer algo estruturado, tentando ser imparcial, passando uma informação limpa e clara para futuros interessados em estagiar. Mas no fim consegui só desabafar mesmo.
Primeiramente, um pouco do meu background: fiz uma faculdade pública que não fica em São Paulo. Fui um ótimo aluno, tanto em notas quanto em extracurriculares. Fiz IC com bolsa no Brasil e também na Europa. Falo 3 idiomas. Sei Python, R e Mathematica. Considero que consigo aprender rápido o que quer que seja, por motivação ou necessidade. Sou branco, família de classe média do interior de São Paulo. Nenhum dos meus pais fez faculdade.
O que eu busquei: um estágio no mercado financeiro. Meus alvos eram assets e boutiques de M&A, alguns poucos bancos. Sim, eu sei, são coisas diferentes, mas eu precisava diversificar, e tanto uma área quanto outra me interessavam.
Como eu busquei: listei numa planilha praticamente todas as assets e boutiques de M&A que consegui encontrar via Google ou site da Anbima. Eu liguei para cada uma delas me apresentando e perguntando se havia vaga para estágio. Mandei via aqueles sites de estágio/vagas para diversas posições também. Uma ou duas vezes adicionei alguém no LinkedIn e pedi informação sobre vaga ou algo assim.
O retorno: pelo que me lembro, consegui umas 5 entrevistas. Destas 5, 3 foram resultados das minha ligações, eram uma gestora de private equity (vaga para planning), uma asset e um banco de investimento estrangeiro pequeno. As outras duas entrevistas, uma foi indicação de um amigo, que trabalhava numa consultoria que também fazia M&A, e a outra foi um banco brasileiro que me encontrou via aqueles sites, mas era uma área que não me interessava (assessor de investimentos).
As entrevistas: Foi um período muito difícil pra mim, não sei como fui em todas. Sabe aquelas dezenas e dezenas de ligações que eu fiz? Elas foram feitas nos meus intervalos de cuidado com meu pai, que estava doente, em estágio terminal. Não quero compaixão de ninguém, mas olhando pra trás eu vejo o quanto que agarrei com força de vontade o 'querer estagiar' a ponto de lidar com estas duas situações estressantes ao mesmo tempo.
Daquelas entrevistas, eu fiz a da asset e a da gestora de private equity antes do meu pai falecer. Na asset a vaga era para middle office, com um pé em risco. Gosto muito de coisas quantitativas, então fiquei animado. Olhando agora sinto um pouco de vergonha. Fui com minha única camisa e calça social que eu tinha, que acho que nem estavam tão boas assim, um pouco digno de pena. O entrevistador falou que em geral só contratavam gente da Poli e ITA, pois os fundadores eram da Poli, mas que quando a pessoa tinha um bom histórico demonstrado no mercado, contratava também. Desta nunca recebi resposta.
Eu fiquei muito, mas muito animado quando me chamaram. Claro sinal de inexperiência, pois era só a primeira fase. Eu estudei feito um filho de uma puta a história da gestora. Eu sabia tudo sobre ela. A vaga era pra planning. Estudei quem eram as pessoas que fundaram a área, os cabeças dela hoje. Sabia o nome de todas as investidas da gestora. Sabia a divisão interna da gestora (gestora vs. special-purpose entity localizada na Europa). Quem me entrevistou foi uma analista da área, formado no ITA. Ele foi bem amigável, me senti mais confortável, senti que era mais uma conversa do que uma entrevista. Tentei mostrar que havia estudado a empresa, citei diversas investidas e até o nome do cara que fundou a área que ele trabalha. Fez uma pergunta ligeiramente técnica que eu não soube responder. Falei que não sabia, conversamos mais um pouco e saí. Recebi o resultado um ou dois meses depois, mas já sabia que não havia dado certo pois era só a primeira fase, depois teria entrevista com associate, diretor, etc. Adicionei o analista que me entrevistou no LinkedIn e marcamos um almoço, fiquei curioso o que eu tinha feito de errado. Ele falou que o candidato selecionado era também do ITA, mas que isso não tinha nada a ver. Ele foi selecionado pois demonstrou grande conhecimento sobre a empresa, sabendo citar inclusive onde cada sócio fez MBA. Me deu a dica para que, na próxima vez, eu demonstre mais entusiasmo com a história da empresa, conhecimento da cultura interna, etc. Eu saí do almoço destruído. Eu sabia tanto quanto esse cara que foi selecionado. Eu viajei 300 km, deixando meu pai doente por um dia, para fazer a entrevista, quer mais entusiasmo que isso? Claro que não citei esse tipo de coisa, seria errado, mas me senti completamente impotente.
Meu pai havia morrido há menos de uma semana e vim para São Paulo fazer uma provinha sobre conhecimentos de corporate finance. A prova era bem fácil, vendo agora. Claro que na hora, além de eu não ter estudado muito, estava com a cabeça em outro lugar. Obviamente não passei, mas o sentimento de humilhação ainda me afetou um pouco, hue.
Já com a cabeça mais no lugar, fiz uma prova de Excel + um teste estilo GMAT. Passei e fui para a entrevista com os gestores. Fui aprovado e trabalhei por alguns meses. Tive uma experiência relativamente negativa, pois não me sentia valorizado, não via sinais de efetivação apesar de trabalhar 12h+ por dia. Demorava 1h pra chegar no trabalho de metrô e trem, mais 1h para voltar, tarde da noite. Relembrei os bons tempos de pesquisa e decidi voltar para a academia, pois os desafios intelectuais são de uma profundidade diferente, assim como a cultura. Não estou falando que a academia são flores, mas inegavelmente exige outras habilidades, especialmente em STEM, que é o que quero.
Desculpem pelos typos e se falei algo óbvio, mas fica aí pra quem tá pensando em passar ou já passou por isso.
submitted by sufferchildren to investimentos [link] [comments]


2020.10.06 12:20 internalerrorfixed Me relataram ser vítima de um estupro e não sei o que fazer

Trabalho em uma farmaçia e parte do meu trabalho consiste em atender fornecedores pelo telefone. Há 27 dias eu atendi uma ligação, sempre bem educado, e a vendedora depois falar o "script" dela, perguntou minha data de nascimento e acabou pedindo meu contato pessoal. Resolvi passar porque não tinha motivos para não fazer. Talvez era alguém querendo algum tipo de ajuda, dúvida, e que ali na hora não queria perguntar ou estava com vergonha. Mas achei muito estranho perguntarem a data de nascimento, nenhum vendedor nunca fez isso.
Quando cheguei em casa lá estava um áudio com uma voz muito mais linda do que eu lembrava no telefone, comecei a conversar só pra saber o que a pessoa queria. Não tinha foto no perfil, sou feio e tenho vergonha de mim mesmo, mas ela queria saber como eu era. Sempre desconfiado, porque não me perguntava nada, não falava do trabalho, só parecia querer conversar mesmo. E eu conversava, escutava, enviei uma foto. Ela sempre mandava foto, vídeo indo caminhar, dirigindo, voltando da igreja, tudo numa boa. Uma pessoa linda, até demais, pra estar interessada em mim.
Continuo desconfiado, vou atrás de redes sociais, vejo que está participando até de concurso de beleza, crio expectativas mesmo sabendo que não tenho nada a oferecer. Lá vi que faltava poucos dias para o aniversário dela, no dia do aniversário dela espero dar meia noite, mando um vídeo todo envergonhado parabenizando ela, tenho problemas de autoestima então fica tudo bem cringe.
Ai ela começa dizer que queria me conhecer pessoalmente, me liga perguntando se pode vim na minha cidade (moramos há 160km de distância mais ou menos), mas estava tudo acontecendo muito rápido, peço pra ter calma, pra irmos nos conhecendo melhor, até porque até esse ponto as conversar eram bem casuais, eu pouco sabia sobre ela.
Ela saiu com a mãe dela pra comemorar, me manda foto e vídeo com a mãe dela, mas depois relata que achou que seriam só elas duas, mas que a mãe chegou com um rapaz e que ela não gostou dele, diz que "ele tá me testando", pergunto que tipo de teste e ela não responde.
Depois ela comenta que estava muito triste e só queria que eu estivesse lá pra poder dar um abraço nela no dia do aniversário, que tinha sido horrível sair com a mãe, que segurou choro a noite toda, que ela só queria me conhecer no dia do aniversário dela mas que parecia que eu não tinha gostado da ideia. Ai eu abaixo a guarda e crio expectativas, passo a conversar de uma forma mais carinhosa.
Pergunto sobre relacionamento e ela diz que terminou há pouco tempo, mas já estava há um tempo querendo terminar, e não dá mais detalhes. Volto a fuçar as redes e descubro que o intervalo entre o fim de um namoro de 2 anos e começar a conversar comigo é menos de 2 semanas. Volto a ficar triste e desconfiado por ser o consolo de alguém que só quer um relacionamento rebote, e que provavelmente depois de ajudar e reerguer essa pessoa, ela vai só virar as costas e voltar pro ex, que é bem mais bonito do que eu. Mas como ela sempre elogiava meu bom humor, minhas boas sacadas, acabo acreditando nessa de que talvez caráter e conteúdo se sobressaia.
Nesse ponto já estávamos conversando há umas 2 semanas, tentando encaixar uma data no final de semana pra nos conhecermos. Marcamos então para 3 de outubro, eu iria na cidade dela, 160km numa CG 150 pra conhecer alguém da internet numa cidade que nunca fui. Conversamos todos os dias por ligação, ligação de vídeo, falando sobre vida, trabalho.
Faltando 5 dias pra data que combinamos, numa ligação, ela me diz que alguém do trabalho dela arrumou alguém pra ela sair e ela aceitou, mesmo sem nunca ter conhecido a pessoa, disse que sentiu nojo, mas saiu. Beleza, racionalmente falando ela está solteira e faz o que quiser da vida, mas sinto uma falta de respeito do caralho fazer isso.
Ai eu comento sobre ela no trabalho, de forma bem rasa, e começam as histórias de pessoas que sumiram, foram roubadas, abusadas nessas de conhecer alguém pela internet. Decido investigar mais. Facebook, instagram, tiktok, facebook de todos os familiares, irmão, tio, primo, prima, mãe. Vejo que já foi casada (encontro um processo de divórcio) e que o requerente em questão foi o ex-marido. Nessa, já vejo que nos últimos 4 anos ela se casou, ficou 2 anos casada, separou, já engatou um namoro de mais 2 anos e menos de 1 mês depois já está me chamando de amor. Isso aos 24 anos de idade.
Desanimo total, decido parar de conversar e puxar assunto, levo muito a sério relacionamento e ela parece só querer aventuras. Sexta, sábado e domingo se passam. Sábado é o dia que eu iria lá. Ela nem questionou se eu iria ou não, parece não fazer muito caso, fico feliz, era o que eu queria, só me afastar e esquecer ela.
Ontem no horário do almoço dela, me manda uma foto com a cara inchada e de choro. Escrevo um texto dizendo pedindo desculpas, falando que tinha investigado a vida dela e dos familiares por medo de ir lá e acontecer alguma coisa, mas que não daria certo, que tenho coisas pra resolver antes na minha vida, mas que gostava dela, desejo sucesso e felicidades, algo pra terminar na amizade mesmo, num clima bom.
Ela responde que gosta da minha sinceridade, mas que nunca tinha pedido pra eu ir lá, e que o motivo do choro dela era algo muito pior que tinha acontecido domingo, que não conseguiu dormir, acordava chorando e gritando e pensou em me ligar, mas que bom que não tinha feito isso porque eu não me importava com ela. Que se eu fosse bom em investigar, que encontrasse quem seguiu, violentou sexualmente e bateu nela.
Ai eu desmontei, dor na barriga, tremedeira, ânsia de vomito, não sabia o que falar, aliás estou sentindo isso agora só de escrever e lembrar. Olhava pra tela do celular e não sabia o que digitar, só pensava nela sozinha em casa podendo fazer alguma besteira.
Eu jamais imaginaria que algo assim tivesse acontecido, mas ai já era tarde, ela só sabia falar que eu não me importava com ela, que era melhor assim mesmo, me afastando, e eu querendo demonstrar que mesmo não querendo um relacionamento, me preocupava sim com a vida de outra pessoa. Começou a falar que está cansada de ser julgada, que antes estava em um relacionamento abusivo, que hora eu era muito legal, mas hora eu julgava ela demais, que não era pra ter pena se nem intenção de conhecer ela eu tinha e que só queria uma amizade sincera.
Pergunto se ela está bem, se está com alguémm, responde que está em casa com medo, sozinha, com medo de ir trabalhar. Pergunto se ela conversou com alguém sobre isso e diz que não, falo pra deixar eu pelo menos escutar ela, que poderia falar o que fosse e eu ia dar suporte para o que precisasse, só que ai ela volta a discutir sobre eu parar de falar com ela, que não tinha motivo pra confiar em mim e que eu não gostava dela.
Confesso que usei de chantagem, que se não falasse comigo eu entraria em contato com a mãe e/ou irmão pra contar aquilo que ela estava me falando pra poderem ajudar ela, que se eu não conseguisse ajudar, iria encontrar alguém que consegue. Meu maior medo nesse momento era dela fazer alguma besteira, suicídio ou me bloquear e sofrer sozinha. Já estava procurando sobre o que fazer numa situação dessas na internet, o que falar, o que fazer, mas é tudo resumido em não culpar a vítima (óbvio, nunca faria isso) e escutar, mas como escutar alguém que não tem mais vontade/confiança de falar com você?
É isso, não sei como/o que/quando/quem falar, se acredito nisso ou não. Só quero o bem dela, mas não sei o que é o certo a se fazer. Jamais me perdoaria de "abandonar" alguém numa situação assim, mas sei que eu não sou a pessoa certa pra ajudar, que a família seria a melhor opção. Preciso de ajuda.

Update: ela disse que conversou com alguém do trabalho e essa pessoa marcou médico pra ela. Elogiei, disse que era bom que ela conseguiu conversar com alguém, e que seria ótimo também ir na delegacia da mulher pra relatar o crime. Enviei o link do CVV - Centro de Valorização da Vida, disse que lá ela teria pessoas mais instruídas pra conversar, de forma totalmente anônima e que iriam ajudar ela se precisasse. Terminei com um "boa noite". Ela respondeu com um "Obrigada" e "Boa noite". Considero minha parte feita, não vou mais mandar mensagem. Sendo verdade a história do estupro, ela agora vai receber ajuda de quem pode ajudar mais do que eu. Sendo mentira, conseguiu estragar um dia da minha vida me sentindo mal e quase vomitando de ansiedade, mas vou sobreviver e ter história pra contar, e até evitar futuros problemas semelhantes.
submitted by internalerrorfixed to desabafos [link] [comments]


2020.10.04 16:31 111DarkGuy A mulher que eu amo tá com outro cara e eu tô me sentindo um lixo.

Eu entrei pra vida "adulta" faz pouco tempo, e sinceramente minha adolescência não foi das melhores ou das mais bem vividas, então não tenho tanta experiência com relacionamentos.
Alguns anos atrás, eu conheci essa garota, ela é tudo de bom... amável, carinhosa, esperta, bonita, sei lá. É uma pessoa que eu admiro em diversos aspectos diferentes. Ela mora um pouco longe de mim, mas a gente meio que "clicou" imediatamente. A gente se aproximou muito rápido e sei lá, tava tudo dando certo, nós éramos basicamente namorados, só faltava a gente se assumir. Até que por algum raio de motivo que nem eu nem ela lembramos mais, a gente brigou. Ficamos um bom tempo sem nos falar. Reatamos contato esse ano, e eu, trouxa, me apaixonei por ela mais uma vez.
Bom, ela falou que não sente o mesmo, que não busca relacionamentos no momento, que talvez um dia, bla bla bla. Basicamente, eu tava sentindo mesmo que ela tava um tanto bloqueada comigo. Lembrando que tô resumindo muito a história pra não fazer um negócio gigante e muito detalhista. Enfim, eu conversei com alguns amigos meus e eles me ajudaram a perceber que talvez eu estava colocando a carroça na frente dos bois e sendo muito "juvenil" na minha abordagem. E parando pra pensar nisso, realmente, eu tava indo muito pra cima dela com essa de paixão, amor, namoro, mas sei lá, ela não tá bem com o emocional muito bom nos últimos meses pra isso, não é disso que ela precisa de mim, no momento.
Então eu falei "Ok, vou lidar com isso como adulto", chamei ela pra conversar e expliquei que eu acho que fui muito apressado e desengonçado na minha abordagem, que de agora em diante eu vou ser um amigo e um suporte pra ela, porque acho que ela precisa mais disso, no momento. Sugeri que ela fosse em um terapeuta (porque sinceramente, ela tá precisando), basicamente, falei que eu vou deixar esse meu sentimental em standby com ela, por enquanto, porque sinto que não é a hora. Ela me agradeceu, falou que sente que agora nós estamos sendo honestos um com o outro, que sente que o "bloqueio" que ela tinha comigo sumiu.
Aí ela disse que tá gostando de alguém. Inclusive, eles estão praticamente namorando. Eu sei lá, eu tava pronto pra deixar meus sentimentos de lado, mas essa notícia foi um baque muito grande... ela me disse isso, e eu aqui, me segurando pra não ter ciúmes, não ficar triste, pra sei lá, ficar feliz por ela. O cara em questão é conhecido meu também, ele não é babaca, não vai tratar ela mal. Mas manos... Eu não consigo me impedir de querer que esse relacionamento dela dê errado... Eu to me sentindo extremamente culpado, e é horrível esconder isso dela, mesmo sabendo que é o melhor a se fazer, pra não gerar briga e tal. Eu me propus a agir como adulto nessa situação e não ficar com esse tititi adolescente de "Ah, eu gosto dela mas ela gosta de outro", mas caramba, é um negócio que dói demais.
Bem, por enquanto os dois estão só "se conhecendo", não têm nada sério ou coisa do tipo, mas eu to percebendo que isso vai pra frente e tal... E eu não posso, nem devo fazer nada a respeito disso. Basicamente, eu perdi essa. Como praticamente tudo na minha vida amorosa até agora, eu perdi kk e eu to extremamente mal.
Então é... agora eu tô todo fragmentado aqui, metade de mim quer que ela seja feliz, quer estar lá por ela se ela precisar, quer acompanhar a jornada dela na vida mesmo que só como um amigo. A outra metade quer só que aquele relacionamento dela dê errado, que a vida me dê uma chance que seja de fazer ela feliz, eu, sozinho. E eu sei qual é o jeito certo e qual o jeito errado de agir, mas agir do jeito certo é MUITO difícil e sinceramente, dos dois jeitos eu vou me machucar bastante.
Tem muita coisa dessa história que eu não contei por preguiça e por não querer encher demais de texto, eu também não sou livre de problemas emocionais (mas diferente dela, eu estou na terapia e me cuidando e tal), mas o ponto é que eu devo MUITO a essa garota por coisas do passado. Não é só uma random que eu consigo simplesmente superar e seguir em frente, é muito, muito complicado. Eu real me apaixonei pesadamente por ela e "superar" isso vai ser um processo difícil, demorado e doloroso, se não impossível.
Enfim, obrigado pros 5 que lerem isso, é nóis galera.
submitted by 111DarkGuy to desabafos [link] [comments]


2020.10.04 14:54 BolinhaSemCristal Meus erros e desiluções com o mundo do T.i

Durante todo o ensino médio e também nos dois ultimos anos do ensino fundamental, eu gostava de ler sobre Psicologia e filosofia, em si são dois temas que amo de corpo e alma até os dias de hoje!Mas quando terminei o ensino médio (2019) veio a pandemia e com isso meus pais me convenceram a fazer a faculdade de T.i por conta de questões financeiras (Digo, o curso q estou fazendo sai por 119 reais a mensalidade, em contrapartida que o de psicologia sairia por 600).
E tipo, okay, de inicio eu aceitei mesmo não sendo minha área, e logo após isso surgiu o primeiro erro que foi pedir orientação a conhecidos que tenho que são do T.i, eu queria saber o que que eu deveria focar em estudar e todos me falaram sobre uma tecnologia chamada "JavaScript".Blz, estudei JavaScript e as tecnologias que geralmente vem junto a ele (que para quem é da área, eu estou falando de HTML5 e CSS3).
E ai que surgiu a desilução:Com a pandemia o mercado de T.i ficou aquecido como fala tanto os jornais? Sim, ficou, mas ficou pra quem entende uma gama imensa de conteúdos na área!E por mais que os meus conhecidos tenham tido boas intenções em recomendar o estudo do JavaScript e tudo que vem junto a ele (Node, React, Redux e etc...), o mercado para desenvolvedores JavaScript está bem dificil para os programadores juniors entrarem agora!
Pode até parecer excesso de ansiedade (considerando que comecei a estudar essa área em março deste ano), mas a real é que estava nas minhas expectativas conseguir um emprego na área ainda este ano para conseguir dinheiro para sair com minha namorada e meus amigos...Com a pandemia o namoro acabou e nn da pra ver os amigos.Ou seja, no final eu quebrei a cara com desejos grandes sem um pingo de pé na realidade.
O mercado de T.i ta muito intenso e cobrando muito, tanto que se vc quer iniciar na área, ja digo que na outra via desse papo "tem muito emprego", existe também outro rolê que é:"tem que estudar pra caralho!"
é isto.
submitted by BolinhaSemCristal to desabafos [link] [comments]


2020.10.04 02:59 heartless2000 Eu deveria terminar meu namoro?

a historia é longa mas vou tentar resumir:
Estou em um relacionamento a tres anos onde sempre deu tudo certo. Em maio desse ano eu acabei entrando no facebook do meu namorado e baixei uma conversa que ele tinha com uma menina chamada "Mariana". Eles conversavam no facebook de 2011 ate 2015 e tiveram um relacionamento mais serio em 2015. Apesar de isso tudo ter ocorrido muito antes da gente se conhecer(nos conhecemos em 2017) eu fiquei com uma pulga atras da orelha por dois motivos: 1 - ela é muuuito bonita e 2 - ele sempre deixou claro pra mim que eu fui a primeira namorada dele. Na conversa do facebook ficava nítido o quanto ele gostava dela e como ele ficou triste quando ela n quis levar o relacionamento pra frente pelo motivo de "ainda sou muito nova e quero aproveitar mais". Pouco tempo depois disso ele até tentou se matar mas n sei se tem algo a ver com essa menina.
Até ai vc deve estar me achando maluca e possessiva ne? Afinal, tudo isso aconteceu antes de nos conhecermos e eu nem deveria mexer nas coisas dos passado. O ponto é que fiquei com aquilo na cabeca e fui perguntar a ele sobre ela. Perguntei se durante o nosso namoro ele havia tido algum contato com ela e ele negou. Perguntei mil vezes e ele negou.
A questão é que fiquei desconfiada e acabei fazendo algo que nao me orgulho: peguei o celular dele enquanto ele dormia e fui atras de mensagens com ela no whatsapp. O fato é que ele havia mentido pra mim: eles conversavam sim durante nosso namoro e isso me deixou muito mal. Exportei toda a conversa(QUE ESTA ALI NO FINAL, SE VC QUISER LER) e no outro dia perguntei pra ele novamente se ele falava com ela. Implorei na verdade e ele continuava mentindo, dizendo que eu deveria acreditar nele. Ele so admitiu quando eu falei que havia acessado o celular dele.
Depois disso demos um tempo de 1 mes mas ele sempre insistiu pra continuarmos. Falava que aquelas conversas nao significavam nada e que ele somente respondia quando ela chamava ele. disse que gostava de ver ela sofrendo porque ela havia feito ele sofrer no passado.
Enfim, se vc leu ate aqui agradeço muito. Eu realmente n sei se devo continuar ou nao pois ele mentiu muito pra mim.

Por favor, me de a sua opinião.

Vcs confiariam novamente se estivessem no meu lugar?
Voce conversa com sua/seu ex? Se sim, por quê? é realmente sem sentimento nenhum?

---------------------------------CONVERSA QUE ELES TIVERAM NO WHATSAPP-------------------------
11/05/2020 13:22 - As mensagens e chamadas desta conversa estão protegidas com a criptografia de ponta a ponta. Toque para mais informações.
11/05/2020 13:22 - Mariana: E aí
11/05/2020 13:22 - Mariana: Como é que cê tá?
11/05/2020 13:37 - Joao: Heey, to bem você?
11/05/2020 13:38 - Mariana: Também
11/05/2020 13:38 - Mariana: Não estou bebada e tbm não acabei de levar um chifre
11/05/2020 13:38 - Mariana: hahahaha
11/05/2020 13:38 - Joao: Olha, isso é novidade hahah
11/05/2020 13:38 - Joao: Estranhei pelo horário, estar bebada agora seria meio estranho
11/05/2020 13:39 - Mariana: hahahahah
11/05/2020 13:39 - Mariana: To trabalhando
11/05/2020 13:39 - Mariana: e ontem lembrei de você
11/05/2020 13:39 - Mariana: e aí vim especular sua vida
11/05/2020 13:39 - Mariana: Na realidade, eu queria te perguntar uma coisa
11/05/2020 13:39 - Mariana: É pessoal, mas acho ok
11/05/2020 13:40 - Joao: Certo, o que é?
11/05/2020 13:44 - Mariana: Naquela época que tínhamos uma relação, você havia comentado que sofria de um transtorno de agressividade
11/05/2020 13:44 - Mariana: Lembra?
11/05/2020 13:44 - Mariana: Inclusive, pouco tempo depois tu ficou internado
11/05/2020 13:45 - Joao: Não, não era transtorno de agressividade, era boderline
11/05/2020 13:45 - Joao: Pq?
11/05/2020 13:47 - Mariana: O que é isso?
11/05/2020 13:47 - Mariana: Cara, pq eu precisava de certos acompanhamentos
11/05/2020 13:48 - Mariana: Eu sei que sou uma pessoa extremamente ansiosa, mas em alguns momentos de irritação - ainda que por motivos bem pequenos - eu tenho uma reação desproporcional
11/05/2020 13:48 - Mariana: E me sinto muito violenta
11/05/2020 13:48 - Mariana: Claro, não chego a fazer nada
11/05/2020 13:48 - Mariana: Mas a vontade é imensaa
11/05/2020 13:49 - Joao: Então, Boderline é um transtorno de personalidade, é um agregado de coisas
11/05/2020 13:50 - Joao: Para o diagnóstico do transtorno de personalidade limítrofe, os pacientes devem ter

Instabilidade persistente nos relacionamentos, na autoimagem e nas emoções (desequilíbrio emocional), bem como acentuada impulsividade.
Esse padrão é caracterizado por ≥ 5 dos seguintes:

Esforços desesperados para evitar o abandono (real ou imaginado)
Relacionamentos intensos e instáveis que se alternam entre idealização e desvalorização da outra pessoa
Autoimagem ou senso do eu instável
Impulsividade em ≥ 2 áreas que pode prejudicá-los (p. ex., sexo inseguro, compulsão alimentar, dirigir de forma imprudente)
Comportamentos, gestos ou ameaças repetidos de suicídio ou automutilação
Mudanças rápidas no humor, normalmente durando apenas algumas horas e raramente mais do que alguns dias
Sentimentos persistentes de vazio
Raiva inadequadamente intensa ou problemas para controlar a raiva
Pensamentos paranoicos temporários ou sintomas dissociativos graves desencadeados por estresse
11/05/2020 13:55 - Mariana: Hmm
11/05/2020 13:55 - Mariana: Poxa, isso tem martelado na minha cabeça
11/05/2020 13:56 - Mariana: Eu preciso ter mais calma, ou uma hora vou fazer algo que eu possa me arrepender
11/05/2020 13:56 - Joao: Mas tipo, isso é uma coisa, o certo é procurar acompanhamento para te diagnosticarem do jeito certo
11/05/2020 13:56 - Mariana: Não sei explicar, só sei que é algo muito forte e que vem de dentro!
11/05/2020 13:56 - Mariana: Aquele raiva!
11/05/2020 13:56 - Mariana: E depois eu penso, e vejo que é desproporcional sabe
11/05/2020 13:57 - Mariana: É, eu tenho que voltar a fazer acompanhamento
11/05/2020 13:57 - Mariana: Eu tinha achado umaclinica pelo meu plano
11/05/2020 13:57 - Mariana: Só que aí começou a Pandemia, e eu deixei de lado
11/05/2020 13:58 - Mariana: E como até hoje tive apenas 03 crises bem fortes
11/05/2020 13:58 - Mariana: Essas de ansiedade ou pânico, eu acabo deixando sabe
11/05/2020 14:00 - Joao: Entendo, as vezes eu tenho certas crises também, eu voltei pra tratamento agora depois de um bom tempo tentando marcar horário
11/05/2020 14:00 - Joao: Mas não estou mais tomando nada
11/05/2020 14:00 - Joao: Talvez tenha que voltar
11/05/2020 14:01 - Mariana: Que ótimo!
11/05/2020 14:01 - Mariana: Tomara que não precise voltar para o tratamento medicamentoso, mas se precisar, também não é o fim do mundo né
11/05/2020 14:02 - Mariana: Infelizmente esses problemas psicológicos tem se tornado cada vez mais comum
11/05/2020 14:15 - Joao: Pois é, também espero que não, sempre me senti estranho tomando. Não parecia ser eu, além disso tinham efeitos colaterais bem chatos
11/05/2020 14:17 - Mariana: Faz parte...
11/05/2020 14:17 - Mariana: Na minha volta bastante gente precisa se submeter e tais tratamentos
11/05/2020 14:18 - Mariana: Mas enfim! Como está a vida? Está aqui em SJP? Aulas suspensas?
11/05/2020 14:23 - Joao: Restrita, apesar de eu não ter parado de trabalhar
11/05/2020 14:24 - Joao: Estavamos imprimindo máscaras para o pessoal da saúde de Joinville e Curitiba
11/05/2020 14:24 - Joao: Mas as aulas pararam, só estou tendo EAD por enquanto, e por ai?
11/05/2020 14:27 - Mariana: EAD também!
11/05/2020 14:27 - Mariana: Escritório voltou semana passada
11/05/2020 14:27 - Mariana: Mas antes disso estávamos trabalhando em casa
11/05/2020 14:29 - Joao: Foda, aqui não tem previsão das aulas voltarem
11/05/2020 14:31 - Mariana: É, aqui disseram que retornaria em agosto
11/05/2020 14:31 - Mariana: Mas não sei em...
11/05/2020 14:31 - Mariana: Que situação, né?
11/05/2020 14:32 - Joao: Pois é, era pra estar mais controlado, mas o presidente não ajuda muito kk
11/05/2020 14:33 - Mariana: Não ajuda em nada! Estou preocupada com o que pode acontecer ainda
11/05/2020 14:34 - Mariana: Se passarmos por mais um impeachment é de se discutir a própria democracia né
11/05/2020 14:34 - Mariana: Pois ao que parece não está funcionando para eleger representantes
11/05/2020 14:34 - Joao: Sim, essa instabilidade total piora situações como ansiedade
11/05/2020 14:35 - Joao: Se passarmos por mais um nossa economia vai demorar mais de uma década pra ser recuperar, ninguém investe em um país que troca de presidente como troca de camiseta
11/05/2020 14:36 - Mariana: Com certeza...
11/05/2020 14:37 - Mariana: Poisé, mas tudo caminha para isso né
11/05/2020 14:38 - Mariana: Até pq inquerito já foi instaurado
11/05/2020 14:38 - Mariana: O cara também é bem burro né, não dá uma dentro!
11/05/2020 14:39 - Mariana: As vezes me arrependo de ter feito direito, sabia?
11/05/2020 14:39 - Mariana: Com outra profissão eu teria chance de tentar a vida em outro país
11/05/2020 14:40 - Joao: Eu to pensando, quando me formar acho que vou pro Canadá
11/05/2020 14:40 - Joao: Sim, todo dia uma atrás da outra
11/05/2020 14:41 - Mariana: Eu iria
11/05/2020 14:41 - Joao: Uma amiga conseguiu validar o diploma dela de engenharia quimica
11/05/2020 14:41 - Mariana: Eu não gosto que falem mal do país, sei que em todos os lugares existem problemas - culturais, políticos..
11/05/2020 14:41 - Joao: Creio que engenharia mecanica de boa também
11/05/2020 14:41 - Mariana: Mas porra, virou bagunça!
11/05/2020 14:41 - Mariana: Virou putaria bater panela
11/05/2020 14:42 - Mariana: Ué? não era de avião?
11/05/2020 14:42 - Joao: Então hahaha
11/05/2020 14:42 - Mariana: kkkkkkkkk
11/05/2020 14:42 - Mariana: Indeciso em!!???
11/05/2020 14:42 - Joao: Mudei da UFSC pro IFSC, pra conseguir trabalhar de dia
11/05/2020 14:42 - Joao: Na UFSC não tinha como trabalhar e estudar
11/05/2020 14:43 - Joao: Ai mudei pra engenharia mecânica no IFSC a noite, aqui em Joinville também
11/05/2020 14:43 - Joao: Mas não perdi quase nada, matei várias matérias
11/05/2020 14:43 - Mariana: Já pensou as suas entrevistas de emprego?
11/05/2020 14:43 - Mariana: Hahahahah
11/05/2020 14:43 - Mariana: Ah, comecei com o curso x, depois migrei para y, depois z, depois x novamente
11/05/2020 14:44 - Joao: A eu nem falo nada hahaha
11/05/2020 14:44 - Mariana: Hahahahahha
11/05/2020 14:44 - Mariana: E tu se forma quando?
11/05/2020 14:44 - Joao: Antes do COVID era pra ser uns 2 anos haha
11/05/2020 14:44 - Joao: agora já não sei mais
11/05/2020 14:44 - Joao: e vc?
11/05/2020 14:44 - Mariana: Último ano
11/05/2020 14:45 - Mariana: Ano que vem já sou bacharel ahahha
11/05/2020 14:45 - Mariana: Bacherel é quando se forma, né?
11/05/2020 14:45 - Mariana: E sou 1/2 advogada
11/05/2020 14:45 - Mariana: Falta a segunda fase, sabe lá Deus quando será!
11/05/2020 14:46 - Joao: Da OAB?
11/05/2020 14:46 - Mariana: Eu sou indecisa para a vida, relacionamentos e compras
11/05/2020 14:46 - Mariana: Para o curso tem se mantido ahahha
11/05/2020 14:46 - Mariana: Uhum
11/05/2020 14:47 - Joao: Então, na real eu ia manter, mas com a situação financeiro dos meus pais complicou eu resolvi tomar as rédias. Meus pais já estão cansados, não quero que fiquem me bancando kk
11/05/2020 14:48 - Joao: Que massa!
11/05/2020 14:48 - Mariana: É, eu imagino! É bom você trabalhar, já vai entrando no meio né.
11/05/2020 14:48 - Joao: Parabéns, a segunda fase tu vai tirar de letra tbm
11/05/2020 14:48 - Mariana: Cara, eu tinha tantas expectativas para esse ano, mas o COVID atrapalhou muito
11/05/2020 14:48 - Mariana: Por isso ando desanimada, sabe?
11/05/2020 14:48 - Joao: Nem me fale... kkk
11/05/2020 14:48 - Mariana: Deus lhe ouça
11/05/2020 14:49 - Mariana: Eu consegui monitoria com a professora que eu mais admiro
11/05/2020 14:49 - Mariana: E ela desenvolve várias pesquisas, já conhece professores de federal e tal
11/05/2020 14:49 - Mariana: Esta fazendo doutorado
11/05/2020 14:49 - Mariana: E eu quero muito fazer mestrado
11/05/2020 14:49 - Mariana: Mas uma pós na federal já vale
11/05/2020 14:49 - Mariana: Então, queria ficar ali no meio né
11/05/2020 14:50 - Mariana: Até uma aula eu dei, sabia? ahhaha
11/05/2020 14:50 - Mariana: SOZINHA
11/05/2020 14:50 - Mariana: Tinha tudo para ser um bom semestre, nesse sentido
11/05/2020 14:50 - Mariana: Mas.....
11/05/2020 15:25 - Joao: Que isso, ai sim em!
11/05/2020 15:25 - Joao: Ta mandando muito
11/05/2020 15:26 - Joao: Também penso em fazer mestrado, mas as vezes desanimo kk
11/05/2020 15:29 - Mariana: Pq desanimo?
11/05/2020 15:29 - Mariana: Eu preciso aprender uma outra língua
11/05/2020 15:30 - Mariana: Só sei português e merda
11/05/2020 15:30 - Mariana: hahahah
11/05/2020 15:33 - Mariana: Eu gostaria de lecionar, acho muito legal!
11/05/2020 15:33 - Mariana: E na advocacia passa mais credibilidade
11/05/2020 15:33 - Mariana: Só que meu sonho não é advogar
11/05/2020 15:35 - Joao: Ah sei lá, as vezes cansa essa rotina só de estudos
11/05/2020 15:36 - Joao: Eu manjava um pouco de inglês mas tive que aprender mais ainda na marra
11/05/2020 15:36 - Joao: As materias especificas o conteudo que presta é praticamente em inglês kk
11/05/2020 15:36 - Joao: Quer ir pra concurso?
11/05/2020 15:44 - Mariana: É, cansa! Eu imagino...
11/05/2020 15:44 - Mariana: Yes! Queria magistratura e atuar em vara cível
11/05/2020 15:44 - Mariana: Queria não, eu quero
11/05/2020 15:44 - Mariana: Mas não sei se tenho perfil de concurseira
11/05/2020 15:45 - Joao: Ninguém tem até tentar 🙃
11/05/2020 15:46 - Joao: Se tu tirando a OAB de letra tem que tentar sim
11/05/2020 15:46 - Mariana: Ah, vou tentar até meus 35 anos
11/05/2020 15:46 - Mariana: Aí prorrogo até 40
11/05/2020 15:46 - Mariana: Vai que
11/05/2020 15:46 - Mariana: hahaha
11/05/2020 15:47 - Mariana: Demora para sair, ainda mais eu que só vou tentar no sul
11/05/2020 15:53 - Joao: Vai dar boa, tu tem que advogar 3 anos pra poder concursar né?
11/05/2020 15:53 - Joao: Na magistratura
11/05/2020 15:53 - Mariana: Isso! Nesse período eu tento pós e mestrado
11/05/2020 15:54 - Mariana: Até pq conta como título
11/05/2020 15:54 - Mariana: Então, nada é perdido
11/05/2020 15:59 - Joao: Verdade, não tem nada a perder, só a ganhar tentando
11/05/2020 16:00 - Mariana: Uhum
11/05/2020 16:00 - Mariana: E o relacionamento?
11/05/2020 16:00 - Mariana: Firme e forte?
11/05/2020 16:00 - Joao: Então, ela ta aqui em Joinville comigo, ta sem aulas e o Banco afastou os estagiarios
11/05/2020 16:01 - Joao: Ai ela ta "morando" comigo faz uns dois meses
11/05/2020 16:01 - Joao: Amanhã a gente faz 3 anos
11/05/2020 16:01 - Joao: E o seu?
11/05/2020 16:02 - Mariana: Caralho, o tempo voa em
11/05/2020 16:02 - Mariana: Ah, o meu as vezes anda e as vezes desanda
11/05/2020 16:02 - Mariana: Ora quero casar e ter filhos, ora quero chutar o balde e ser solteira o resto da vida
11/05/2020 16:03 - Mariana: hahahahaha jeito Mariana de ser
11/05/2020 16:03 - Mariana: Bem decidida, sabe?
11/05/2020 16:03 - Joao: Sei bem haha
11/05/2020 16:03 - Joao: Filhos é uma parada que nem cogitamos haha
11/05/2020 16:04 - Mariana: É que eu quase tive né
11/05/2020 16:04 - Mariana: Dai as vezes da vontade hahaha
11/05/2020 16:04 - Mariana: Mas passa bem rapidamente
11/05/2020 16:04 - Mariana: Qd eu vejo que n
11/05/2020 16:04 - Mariana: não tenho paciência nem com a minha cachorra
11/05/2020 16:05 - Joao: kkkkkkkkkkkk
11/05/2020 16:06 - Joao: É, complicado haha
11/05/2020 16:06 - Joao: Como vão seus pais?
11/05/2020 16:06 - Mariana: A mãe esta em casa
11/05/2020 16:06 - Mariana: Foi suspendido o contrato
11/05/2020 16:06 - Mariana: O pai começou as férias hoje
11/05/2020 16:06 - Mariana: Por enquanto esta ok
11/05/2020 16:06 - Mariana: Ninguem demitido
11/05/2020 16:06 - Mariana: E os seus?
11/05/2020 16:07 - Joao: Suspenderam a licitação da obra que meu pai estava indo em Maceio
11/05/2020 16:07 - Joao: E agora os dois estão em casa kk
11/05/2020 16:09 - Mariana: Af, é foda para eles né
11/05/2020 16:09 - Mariana: Sua mãe chegou a inciar o restaurante no caminho do vinho?
11/05/2020 16:09 - Joao: Não, deu uma parada, ela andava meio mal
11/05/2020 16:09 - Joao: Agora segurou por conta do covid
11/05/2020 16:09 - Mariana: Depressão?
11/05/2020 16:10 - Joao: Uhum
11/05/2020 16:12 - Mariana: Eita, e ficar parado em casa só piora, né?
11/05/2020 16:15 - Joao: Uhum, ela ta tentando estudar outras coisas devagarzinho
11/05/2020 16:18 - Mariana: A mãe eu plantei ideia de fazer empedão para vender
11/05/2020 16:18 - Mariana: Pelo menos ela ocupa a cabeça
11/05/2020 16:18 - Mariana: E ainda lucra um pouco
11/05/2020 16:18 - Mariana: E eu ainda como toda semana hahahaha
11/05/2020 16:19 - Joao: hahahah
11/05/2020 16:19 - Joao: stonks
11/05/2020 16:19 - Mariana: o que é isso?
11/05/2020 16:28 - Joao: É um meme haha
11/05/2020 16:30 - Joao: É tipo quando você mostra solução pra algo de uma maneira diferente inédita
11/05/2020 16:30 - Joao: Meio difícil de explicar hahaha
11/05/2020 16:32 - Mariana: Hmmm
11/05/2020 16:32 - Mariana: Entendi 🤔
11/05/2020 16:41 - Joao: E suas irmãs, como estão?
11/05/2020 16:44 - Mariana: Ah nega continua na loja
11/05/2020 16:44 - Mariana: a*
11/05/2020 16:44 - Mariana: Passou na primeira fase junto comigo
11/05/2020 16:44 - Mariana: Diz que vai tirar a OAB
11/05/2020 16:46 - Joao: Mas ela ja se formou né?
11/05/2020 16:47 - Mariana: Aham, ano passado
11/05/2020 16:47 - Mariana: Não sei o que ela vai fazer da vida
11/05/2020 16:48 - Mariana: Diz que quer ser delegada
11/05/2020 16:48 - Mariana: Mas não estuda
11/05/2020 16:48 - Mariana: A Daiana ainda mora em SP e esta casada, a um tempinho já
11/05/2020 16:48 - Mariana: A Luana continua bem e está no segundo ano de BJ (mesmo ano em que a gente ficava)
11/05/2020 16:48 - Mariana: O tempo voa, né?
11/05/2020 17:15 - Joao: Nossa, já??
11/05/2020 17:15 - Joao: Sim, muito haha
11/05/2020 17:15 - Mariana: Poisé
11/05/2020 17:15 - Mariana: Eu ainda não me toquei ahahaha
submitted by heartless2000 to desabafos [link] [comments]


2020.10.02 20:07 CasaGolden A escolha do favor de Sansa: o caso de Sor Byron, o Bonito ( Parte 1)

“Quem pediria o favor de uma bastarda?
Harry, se ele tiver a sabedoria que os deuses deram para um ganso... mas não dê para ele. Escolha algum outro galante. Você não quer parecer muito ansiosa.” (TWOW, Alayne I)
Tal é o conselho que Mindinho da para Sansa Stark, agindo como sua filha bastarda Alayne Stone, quando ela se encontra com ele nos Portões da Lua depois da chegada do seu prometido Harry, o Herdeiro. Não é a orientação habitual que alguém pensaria que um pai daria para sua filha, mas este não é um relacionamento tradicional de pai/filha e Petyr não é um mentor ordinário. Enquanto ele não especifica o “galante” que Sansa deveria entregar seu favor, o raciocínio dele é claro: ele quer que ela encante e provoque Harry, mas ainda mantendo alguma aparência de preferência absoluta, para assim manter o Jovem Falcão encantado e interessado. Quando mais tarde ela dança com Harry no banquete pré-torneio, nós vemos que Alayne aceitou as palavras do pai no coração; ela está decididamente mais ousada e brincalhona com Harry, questionando ele sobre suas crianças bastardas, suas mães, e fazendo comentários bem sugestivos sobre ela ser toda a “pimenta” que ele vai querer. O infeliz Harry, previsivelmente em transe, pede pelo favor de Alayne, mas ela nega pra ele dizendo “Você não. Está prometido... para outro”.
Quem será esse “outro” tem intrigado o fandom desde o lançamento da amostra do capítulo há cinco anos. O capítulo não contem maiores revelações ou cenas dramáticas, mas este final age como certo cliffhanger, criando expectativas nos leitores de que o favor de Alayne terá um considerável significado narrativo. Ao escolher seu cavaleiro, nós sabemos que Alayne tem muitas opções, como Martin nos dá a litania de potenciais escolhas da lista de parceiros de dança no banquete, e, não esqueçamos, a conversa com dois personagens imprevisíveis que ela teve mais cedo naquele dia: Sor Shadrich de Vale Sombrio e Sor Lyn Corbray de Lar do Coração. Enquanto Sor Lyn continua sendo um candidato viável, por mais volátil e arriscado que ele seja, podemos excluir Sor Shadrich por enquanto, pois ele diz a Alayne e Myranda que não pretende competir no torneio.
É claro, os leitores sabem que o Rato Louco tem procurado pela Sansa Stark por um bom tempo, finalmente integrado nos serviços de Mindinho como cavaleiro andante ao lado de outros dois, e conhecendo Sansa depois que ela partiu do Ninho da Águia em seu capítulo final de AFFC. Como as conversas no pátio de treino revelam, Sor Shadrich agora sabe que a filha bastarda do Lorde Protetor é realmente a garota Stark desaparecida, e enquanto seu propósito anunciado fosse ganhar a recompensa pelo retorno dela para Porto Real, os leitores ainda estão incertos sobre suas verdadeiras motivações e o que ele irá decidir com essa descoberta. O favor de Sansa, operando neste viveiro fervente de tensões crescentes e subterfúgios, não é mais relevante como um mero gesto de cortesia, mas agora é uma potencial mudança de estratégia nos jogos por um jogador emergente.
Assim, qual cavaleiro seria a melhor decisão estratégica, tanto da perspectiva de Sansa (estando atenta ao crescimento de seu personagem) e de uma consideração mais ampla dos desenvolvimentos da trama envolvendo outros personagens e eventos? Essas questão nos leva seriamente a considerar Sor Byron o Bonito, o cavaleiro andante que nós vemos primeiramente como um do trio de homens que Mindinho contrata para seus serviços no fim de AFFC.
Para começar, uma pequena confissão é necessária: Esta teoria deve seu desenvolvimento à minha frustração em tentar descobrir a verdadeira identidade de Sor Byron, já que estou trabalhando a partir do pressuposto de que Sor Morgarth e Sor Shadrich estão operando sob falsos pretextos no que se refere às suas verdadeiras identidades / propósitos em vir para o Vale de Arryn. Já sabemos que Sor Shadrich está escondendo o fato de que estava procurando por Sansa, mas será que ele também poderia ser outra pessoa, ainda uma figura desconhecida que tem seus próprios motivos nessa busca? Uma teoria popular no fandom sugere que ele é Howland Reed, mas isso está fora do escopo de nossa investigação por enquanto. Com relação a Sor Morgarth, uma de nossas teorias “malucas” aqui em Pawn to Player alega que ele é realmente o Irmão Mais Velho da Ilha Quieta. Faz sentido narrativo, portanto, que Byron também não seja quem aparenta ser, e certamente não está lá para prestar serviço leal ao Senhor Protetor.
Um aspecto importante dessa teoria é que esses cavaleiros andantes parecem estar trabalhando juntos. Com a exceção do momento em que Sansa encontra Shadrich sozinho no pátio no capítulo liberado de TWOW, Martin reforça a imagem de três homens como uma unidade desde a primeira aparição deles no solar de Mindinho até a última aparição deles dançando com Alayne no banquete:
Exatamente como Petyr prometera, os jovens cavaleiros se amontoavam ao redor dela, disputando seu favor . Depois de Ben veio Andrew Tollett, o belo Sor Byron, Sor Morgarth do nariz vermelho, e Sor Shadrich, o Rato Louco. (TWOW, Alayne I)
Em particular, Martin parece querer que nos concentremos em suas aparências, quase como se houvesse pistas a serem discernidas dessas descrições. Isso ecoa nossa primeira introdução a eles em AFFC, quando os leitores deveriam reconhecer imediatamente o astuto Sor Shadrich:
Alayne o abraçou obedientemente e lhe deu um beijo na face.
– Lamento incomodar, pai. Ninguém me disse que tinha companhia.
– Você nunca incomoda, querida. Estava agora mesmo contando a esses bons cavaleiros como minha filha é atenciosa.
– Atenciosa e bela – disse um jovem e elegante cavaleiro, cuja espessa cabeleira loira caía em cascata até bem depois dos ombros.
– Sim – disse o segundo cavaleiro, um indivíduo entroncado com uma espessa barba salpicada de branco, nariz vermelho, proeminente e com veias rebentadas, e mãos nodosas, grandes como presuntos. – Não mencionou essa parte, senhor.
– Eu faria o mesmo se ela fosse minha filha – disse o último cavaleiro, um homem baixo e seco, com um sorriso sardônico, nariz pontiagudo e hirsutos cabelos cor de laranja. – Especialmente perto de homens grosseiros como nós.
Alayne riu.
– São grosseiros? – disse, brincando. – Ora, e eu que os tomei por galantes cavaleiros. (AFFC, Alayne II)
Deixando de lado seus atributos físicos por enquanto, devemos também prestar atenção em como suas respostas "coordenadas" e preparadas para a chegada de Alayne parecem ser. Não há hesitação ou demora. Um após o outro, cada um constrói a afirmação do outro, terminando com o comentário sugestivo de Shadrich sobre "grosseiros como nós". O que temos é uma impressão singular dos três cavaleiros, apesar de suas descrições variadas, levando a uma conclusão razoável de que eles decidiram combinar seus esforços e recursos para um objetivo comum. Se o objetivo é simplesmente sequestrar Sansa e devolvê-la ao cativeiro em KL como Shadrich fez Brienne acreditar, então a presença do Irmão Mais Velho como Morgarth certamente prejudicaria esse empreendimento. Além disso, embora Shadrich tenha se oferecido para dividir sua recompensa com Brienne, a exigência de dividi-la em três partes pareceria menos do que ideal, para não falar do risco de envolver tipos mercenários não confiáveis ​​que poderiam tentar roubar Sansa e ganhar o resgate total por si mesmos. Não somos informados dos detalhes de como exatamente eles foram contratados por LF em Vila Gaivota, mas que todos os três parecem confortáveis ​​na companhia um do outro é notável e sugere algum tipo de familiaridade ou conexão anterior.
Sor Byron, pela própria natureza de como Martin o descreve, é o mais fácil de ignorar, especialmente à luz das experiências de Sansa, que a ensinaram que exteriores dourados e belos muitas vezes podem ser enganosos, e que é muito melhor julgar alguém em seu caráter e ações. O fato da aparência de Byron lembrar um típico Lannister é provavelmente uma escolha autoral deliberada, destacando como Sansa não está mais cega ou mesmo atraída por esse ideal de beleza - que lhe causou considerável sofrimento e dor. Mas o que fazemos com Byron e por que ele está incluído neste grupo de potenciais ajudantes de Sansa se neste estágio de desenvolvimento dela ele parece ser evidentemente o cara errado? Ao tentar descobrir sua identidade, eu rapidamente percebi que poderia ser mais benéfico se concentrar no papel específico que ele poderia desempenhar na trama e é aí que a ideia de ele ser aquele a receber o favor de Alayne tomou forma.
A partir do momento em que conhece Alayne, Byron desempenha o papel do cavaleiro arrojado, elogiando sua aparência e beijando sua mão ao sair da sala. Ela o descreve como "elegante" e "jovem" e, mais tarde, no banquete, como "bonito". Não há sentido, no entanto, que o interesse de Alayne em Sor Byron vá além de sua apreciação do fato de que ele foi contratado para reforçar a guarda de LF nos Portões. Então, por que ela o escolheria para usar seu favor de todas as outras opções disponíveis? A razão mais óbvia é que ele é a escolha perfeita para atingir seu objetivo aparente de deixar Harry, o Herdeiro, com ciúmes, como LF a aconselha a fazer durante a conversa nas caves. Por conta própria, Sansa poderia dar seu favor a alguém como Sor Wallace, filho de Anya Waynwood, por quem ela claramente tem empatia e procura salvar do constrangimento quando ele dança com ela no banquete. Ou outra escolha poderia ter sido Sor Lyn Corbray, a quem ela aprecia como um lutador cruel e certamente deixará sua marca no torneio. Que Sor Lyn Corbray pode não ser mais leal a seu pai é algo que desperta a curiosidade de Alayne, um conhecimento potencial que ela poderia explorar no futuro. No entanto, Sor Wallace e Sor Lyn provavelmente não deixarão Harry com ciúmes, já que o primeiro é alguém com quem ele cresceu durante toda a vida, que é estranho e tímido, enquanto o último é conhecido por não se interessar pelos encantos das mulheres , e cuja seleção só pode servir para disparar os alarmes de LF. Byron, com sua notável boa aparência, porte elegante e modos corteses é o cavaleiro ideal para fazer Harry se sentir irritantemente inseguro. Depois de sua rápida conversa com Harry no banquete, Sansa soube ainda melhor do que antes que ele é um tipo superficial, que valoriza a aparência acima de tudo pela maneira como fala sobre seus amantes e, ao mesmo tempo, alguém que é bastante fácil de manipular. Sua primeira impressão de Harry é reveladora:
Sor Harrold Hardyng era um futuro senhor em cada centímetro; proporcional e bonito, aprumado como uma lança, duro de músculo. Homens com idade suficiente para terem conhecido Jon Arryn em sua juventude diziam que Sor Harrold tinha sua aparência, ela sabia. Ele tinha um tufo de cabelo loiro-areia, olhos azuis pálidos, nariz aquilino. Joffrey também era gracioso , ela lembrou a si mesma . Um monstro gracioso, é isso o que ele era. O pequeno Lorde Tyrion era mais gentil, mesmo retorcido. (TWOW, Alayne I)
Ainda não vimos nenhuma evidência de que Harry é um "monstro atraente"da mesma forma que Joffrey, mas a comparação é significativa. Isso ressalta o tema de aparência versus realidade que percorre o arco de Sansa e enfatiza a ironia de Byron ser o único a receber seu favor neste momento. Ao contrário da Sansa de antigamente, que se derreteu pelo Cavaleiro das Flores durante o Torneio da Mão, esta Sansa poderia escolher um cavaleiro valente para um propósito totalmente diferente, usando seu favor não como uma declaração decorativa de afeto, mas como uma isca deliberada. Isso se alinha perfeitamente com o papel secreto em que Sor Byron já poderia estar envolvido, e torna não apenas Harry, mas também Petyr Baelish, como as figuras enganadas. A escolha de Sor Byron uniria a relevância desses misteriosos cavaleiros errantes e apresentaria uma oportunidade para Sansa descobrir seu verdadeiro propósito. Até agora, os três parecem estar se mantendo discretos, mas os comentários de Sor Shadrich a Sansa no pátio sugerem que ele está planejando agir em breve. A escolha de Sor Byron, apesar de Sansa não ter conhecimento do que eles planejam ainda, pode ser vista como uma bênção simbólica de sua missão clandestina. Também expande o espectro da influência que ela tem exercido desde o planejamento até a execução do torneio dos cavaleiros alados.
submitted by CasaGolden to Valiria [link] [comments]


2020.10.02 09:03 UninformedImmigrant U wot m8? Estórias de um gajo que se mudou para o UK [Capítulo 3: Conduzir no UK]

Olá amigos. Hoje vamos novamente falar de carros, desta feita das diferenças que encontrei entre a condução no UK e em Portugal. Como é meu hábito e apanágio, vou desperdiçar o vosso tempo a explicar porque é que eu acho que as diferenças são o que são, em vez de prestar o serviço útil que seria especificar quais as diferenças exactas. Pode ser que se consigam tirar umas pelas outras.

Take-Aways Principais

Guinar para a direita em caso de emergência

Guinar (verbo): * dirigir um veículo abruptamente numa certa direcção, normalmente como reação a algo abrupto e inesperado; * mudar radicalmente de opinião acerca de um assunto, normalmente porque a opinião anterior deixou de nos ser vantajosa (ver: política).
Quando se começa a conduzir muito novo, como foi o meu caso, desenvolvem-se instintos para certas coisas. Por exemplo, se se nos apresenta um perigo de frente, então o instinto é o de encostar à direita primeiro e fazer perguntas depois; toda a gente treina a encostar à direita, por isso todos fazemos o mesmo e todos ficamos todos em segurança. Não tem que haver pânicos nem descontrolos; há que colocar o veículo em segurança (seja lá qual for o estado anterior) e depois logo se vê o que é que se faz e fez e de quem é a culpa.
Isto é, até conduzirmos num país em que toda a gente guina à esquerda, claro.
Um dia destes atravessava uma pequenina aldeia no interior profundo do Sudoeste. (Uma pequena tangente: as aldeias pequeninas do interior profundo do Sudoeste são das coisas mais bonitas que já vi. Tropeçam-se em abadias da idade média e em monumentos pré-históricos, é incrível.) Obviamente, a rua era estreita demais para caberem dois carros. Nestes casos noto os meus instintos continentais a tomarem conta da condução, e dou por mim a colocar o carro mais à direita que à esquerda. Não tem mal; de qualquer modo vou sozinho. Pouco depois a rua abre-se numa (espectacular) praça ampla e deparo-me com uma senhora num Range Rover em claro excesso de velocidade directamente à minha frente, dirigindo-se na minha direção e, portanto, na direcção do meu precioso carro novo. Eu guinei à direita, ela guinou à esquerda (dela), bom travão e ficámo-nos pelos embaraços. Ela deitou as mãos à cabeça, e eu tive que dar o braço a torcer; regressei ao meu lado da estrada de olhos fixos em frente. Travões foram testados, palavrões foram ditos, lições foram aprendidas.
Eu defendo que a adaptação à condução no UK se divide em 4 fases mais ou menos distintas:
  1. Primeiras semanas: "foda-se caralho de onde é que veio aquele não sei fazer nada ai vem aí uma rotunda AI FODA-SE AFINAL SÃO DUAS VALHA-ME NOSSA SENHORA VAMOS TODOS MORREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEER----"
  2. "Afinal isto até se faz": começa-se a ganhar alguma confiança e deixa-se o "piloto automático" tomar conta de vez em quando.
  3. "Afinal não": apanha-se um susto (vide senhora do Range Rover), e a condução volta a ser tensa.
  4. Verdadeira adaptação: depois de uns milhares de quilómetros e de umas idas a Portugal, um tipo nota finalmente que parece tão familiar conduzir de um lado como do outro. Não há hesitações, consegue-se prever o fluxo do trânsito, sabe-se onde andam as rodas, e por aí fora.
Este episódio marcou a minha fase 3. Naturalmente, neste momento encontro-me na última destas 4 fases, o que se consegue facilmente compreender uma vez que não vejo o futuro. Ainda assim parece-me razoável que assim seja: é comum os processos de aprendizagem e adaptação se fazerem em "tentativas", em ondas e bochechos até estabilizarem em algo confortável. Cavalgamos no sentido de nos sentirmos melhor, mais confiantes, e por isso tapamos buracos no chão com tábua fina. Quando pisamos a tábua ela racha, e aprendemos que temos que a trocar por tábua mais grossa.
O instinto é, pelo menos para mim, uma parte muito importante da condução. Eu habituei-me a ter uma noção quase extra-corpória de onde está o carro, onde vai passar, o que é que os outros estão e vão fazer, etc. E todo o processo é completamente inconsciente: basta-me ir com atenção e toda a condução se faz suavemente e por si própria. Aliás, uma das primeiras coisas que notei quando comecei a conduzir aqui foi o quão exausto estava depois de uma viagem; todo o processo era muito mais manual, muito menos fluído e muito mais difícil de manter.

Conduzir é mais que guiar, é comunicar

Eu não sei das vossas inclinações filosóficas, mas eu cá perco-me um bocado com pesquisas; vem com o trabalho na academia, suponho. Ora sucede que, segundo se consta em ramos como a Psicologia, a comunicação entre pessoas é muito mais do que verbal. Claro que todos nós sabemos, conscientemente ou não, que isso é verdade: uma mulher dizer "não" enquanto morde o lábio é muito diferente de dizer "não" enquanto nos esbofeteia, o que por sua vez é muito diferente de dizer "não" enquanto nos esfaqueia no abdómen. O que ela disse foi o mesmo, mas a intenção era claramente diferente. São essas subtis marcas não-verbais que fazem toda a diferença na interacção do dia-a-dia.
Ora a condução, na medida em que envolve uma série de processos de mediação, não é mais que uma forma de comunicação. Ao colocarmos o carro em certo local indicamos que queremos avançar; os piscas indicam para onde vamos (quando se usam); podemos acenar para ceder passagem, ou abanar a cabeça para explicar pacientemente que não pretendemos ceder passagem. Podemos buzinar para expressar descontentamento, ou ofensa, ou felicidade porque o Benfica ganhou. Podemos trocar o escape por um barulhento para comunicarmos a todo o mundo que somos profundamente atrasados mentais. Podemos colar o logo da FPF na mala do carro de modo a mostrarmos a todos que não só somos portugueses, como também não sabemos distinguir o futebol dos verdadeiros símbolos nacionais. Podemos até abalroar um peão ou um ciclista como forma de lhes fazermos ver que a estrada não é sítio para eles.
Todos estes actos são pequeninas mensagens que indicam aos outros utilizadores da via o que pretendemos fazer. A condução está cheia destas pistas. É como manter uma conversa: "eu vou para ali", dizemos nós com o pisca, "ok, mas eu passo primeiro", diz o outro condutor avançando, "ok, passa então", dizemos nós parando, e por aí fora. Ora, como em toda a boa forma de comunicação, povos diferentes falam línguas diferentes. Eu defendo que na condução se passa exactamente o mesmo.
Em Portugal a comunicação entre condutores é muito franca e aberta: toda a gente que vai mais devagar que eu é um caracol do caralho, e toda a gente que vai mais depressa é doido. Ninguém passa à frente porque eu é que sou importante, e outros que tais típicos silogismos Latinos. Obviamente que a mim, como português, a "língua" a mim me parece aberta, clara e óbvia. A habituação ao estilo português de condução permite-nos prever muito bem o que é que vai acontecer, e decidir de acordo com isso. Conseguimos saber quando esperar que o veículo à nossa frente acelere, sabemos como esperar que reaja a mudanças no limite de velocidade, sabemos como reagir a uma travagem na autoestrada, etc. Estamos integrados na massa de condutores que nos rodeia, aos quais estamos unidos por uma teia de micro-acções (não confundir com a fraude das micro-expressões) que nos fazem entender uns com os outros de forma natural, quais formigas no carreiro.
Um condutor estrangeiro topa-se à distância. Na minha terrinha é costume receberem-se alguns carros de matrícula francesa entre o fim de Julho e o início de Setembro, mas nem era preciso olhar para a matrícula! A forma como se posicionam, como contornam uma rotunda, até como avaliam quando entrar num cruzamento traem logo a estrangeirisse (ou a emigrância longa). Claro que o logo da FPF no vidro de trás acaba por denunciar muitos, mas garanto que também não era preciso. (Nota: ainda não apliquei no meu carro o obrigatório logo da FPF. Eu pensava que me chegava um pacote da embaixada assim que comprasse o carro, mas noto que até nas coisas importantes a diplomacia portuguesa me está a falhar.)
No UK, as pessoas parecem ter para a condução a mesma atitude que têm no dia-a-dia umas com as outras: uma certa vontade de não agravar, uma delicadeza assertiva e um pragmatismo típico que tornam o processo bastante diferente do nosso. Isto complica a habituação à condução aqui para lá do óbvio "fazer tudo ao contrário". Eu até diria que a condução à esquerda é uma falsa barreira, e que a adaptação é muito mais profunda que isso. Existem expectativas diferentes, dicas diferentes e assunções diferentes. Numa palavra, o trânsito inglês é "ordeiro". As filas unem-se por "zippering", os limites de velocidade são respeitados, as manobras anunciam-se atempadamente com piscas. As marcas da estrada são claras, abundantes e respeitadas. Não se fazem arrancadas, não se corta à frente de ninguém; estamos todos nisto juntos. O trânsito é cooperativo e não adversarial. Obviamente que há excepções, mas estamos aqui a falar no sentimento geral e esse é, sem dúvida, muito diferente do português.
Inicialmente, a sensação é assoberbante. É como tentar falar uma língua que nunca falámos antes. Eu não sei o que é que estas pessoas estão a fazer, nem porquê, nem com que intenção. Obviamente estamos todos a tentar chegar a algum lado, mas os detalhes escapam, e toda a gente sabe que o diabo está nos detalhes. É como ouvir alguém falar criolo: eu percebo algumas palavras, uma expressão aqui e ali que traem a origem portuguesa, mas a mensagem global ilude-me. Uma coisa que fez muita diferença foi entender que as rotundas pequeninas (aquelas desenhadas no chão) na realidade não são rotundas; são cruzamentos. Dá-se prioridade à direita, e não se entra lá dentro enquanto lá estiver alguém. Entender isto foi um salto enorme para mim.
Como é óbvio, o episódio ali acima da senhora do Range Rover foi coisa comum durante algum tempo. Entrei mal em rotundas, parei em cima de grelhas, fiz outras coisas completamente erradas por não entender um sinal, e por aí fora. Curiosamente, nunca andei em contramão nem nunca achei particularmente estranho conduzir ao contrário. A Maria diz que puxo um bocadinho à direita quando estou distraído, mas eu acho que é do vinho que ela bebe ao almoço.
Eu suspeito que haverá toda uma área de estudo acerca desta ideia de "conduzir é comunicação", porque não sou esperto o suficiente para estar aqui a descobrir ramos da filosofia. Até podia jurar que li um paper ou dois sobre as teorias de negociação de cruzamentos, e da forma como isso se podia codificar como linguagem. Ou então sou parvo. ¯\_(ツ)_/¯

Mais devagar é lesma, mais depressa é acelera

A velocidade é um exemplo óbvio de um aspecto da condução em que Portugal e o UK são radicalmente diferentes. Ora eu, português de gema, chego à A1 e afino o cruise control na velocidade mais elevada a que posso circular sem ser multado: 150. A essa velocidade, meros 30km/h acima do limite legal, vou constantemente a ultrapassar e a ser ultrapassado. Há uma certa formalidade em todos os desvios: a velocidade obriga a que as mudanças de faixa sejam feitas cuidadosamente, indicadas com antecedência, e até avisadas com sinais de luzes durante a noite. Acelera sim, parvo não.
Por outro lado, em terras de Sua Majestade a velocidade é o inimigo número 1; o condutor médio aqui seria visto em Portugal como "uma lesma do caralho". Mas pensemos um bocadinho: andar depressa é muito bonito, mas suponhamos que eu não sou novo, ou que estou cansado, ou que acabei de receber más notícias. Conduzir depressa nessas condições é geralmente uma má ideia mas, mais do que isso, a minha capacidade de prever o que fazem os aceleras fica fortemente diminuída. Se todos respeitarmos o limite, que por sua vez deve ser mais ou menos sensato, então garantimos que a estrada é um ambiente mais inclusivo e menos perigoso para todos. Consequentemente, torna-se muito menos excitante para nós, pessoas novas e (excessivamente) confiantes, que gostamos de apertar. Além disso, a velocidade é fortemente fiscalizada e as multas são muito caras.
Não, a sério, as multas são muita caras. Vi os preços e decidi que andar devagar já não me incomodava assim tanto.
Inicialmente, atravessar uma aldeia a 30mph trazia-me ânsias. "O que é que eu vou a fazer a esta velocidade? Vou ficar velho antes de lá chegar!"" Mas com o tempo habituei-me a um estilo de condução mais lânguido, mais relaxado. Posso ouvir uma musiquinha ou um podcast enquanto atravesso a aldeia nas calmas. Nada de mal me vai acontecer porque, francamente, indo a 30mph pára-se quase instantaneamente. É quase zen!
As estradas de campo, pelo menos para estes lados, são uma experiência completamente diferente. O limite de velocidade por omissão numa A ou B road é de 60mph, aproximadamente 100km/h, ou 10km/h mais alto que o limite português. A isto alia-se uma característica interessante das estradas secundárias inglesas: são muito estreitas e não têm bermas; aqueles 60mph parecem 200! É possível praticar uma condução muito divertida, perfeitamente dentro dos limites da legalidade e da segurança. Para pessoas se viram forçadas a comprar um carro menos pontente do que inicialmente esperavam, é muito bom ainda assim se conseguir tirar algum prazer da condução mais "dinâmica".
Ainda assim, na presença de outros carros volta-se ao ordeiro. E isto nota-se até na condução de outros: é comum ir calmamente por estas estradas, e ver um carro aproximar-se por trás com uma atitude mais aventureira, apenas para depois se colocar tranquilamente atrás de mim como se nenhuma pressa alguma vez tivesse tido. Nada de tailgating, nada de tentativas parvas de ultrapassagem, apenas refrescante respeito pelo meu direito de respeitar o limite de velocidade naquela particular situação. E quando há uma aberta ou uma secção de duas faixas, então lá vai ele com pressa outra vez. A chico-espertice parece mais rara.

Toda a gente em todo o lado

Há um aspecto da sociedade no UK, pelo menos aqui no Sul, que nunca vejo discutido quando se fala em viver cá: este país é muito mais congestionado que Portugal. Há mais pessoas em todo o lado, há escassez de casas, há muito trânsito. Eu estou habituado a atravessar a estrada de campo entre Coimbra e a Figueira a meio da noite sem me cruzar com absolutamente ninguém. Tal coisa nunca me aconteceu aqui. Mesmo com uma rotina algo fora do comum, estou sempre limitado pelo trânsito onde quer que vá. Isto resulta, geralmente, numa condução mais lenta e aborrecida do que aquilo a que podemos estar habituados em Portugal. Ou, agora que já estou habituado, numa condução mais zen.
A própria infrastrutura contribui de forma negativa para isto. Pelo menos em relação ao que estou habituado, a rede de autoestradas do UK é menos extensa que a portuguesa (em relação à população e à área). Eu estou muito habituado a, onde quer que vá em Portugal, haver autoestrada quase de porta a porta. Claro que ter vivido sempre em cidades com bons acessos é um factor importante! Mas há vários caminhos relativamente extensos que faço com frequência, entre sítios "importantes" aqui, para os quais não há nenhuma ligação rápida. De um modo geral, noto que demoro mais tempo a cobrir distâncias semelhantes vs o que fazia em Portugal. A distância Bristol-Londres parece muito, muito, muito maior que a distância Coimbra-Porto. Claro que é maior, mas parece ainda maior do que o maior que já é.
Com uma rede de autoestradas com menos cobertura, torna-se muito comum as estradas de campo, aquelas bonitas das quais a gente gosta, estarem congestionadas: trânsito de caminho casa-trabalho-casa, trânsito agrícola, camiões ou bicicletas, etc. Assim, apesar de o limite de velocidade nas estradas de campo ser elevado, é relativamente raro conseguir-se fazer uma viagem com alguma distância a uma velocidade média decente. Como as estradas são estreitas, e como há aquele respeito a todo o trânsito, é muito mais difícil resolver isso com ultrapassagens.
Um aparte, e sabendo que é uma opinião altamente controversa e que só me vai trazer chatices: eu entendo que se um ciclista
então é um filho da puta e devia-lhe crescer um ananás no cu. Eu percebo que toda a gente tem direito a utilizar a infraestrutura. Eu entendo que o ciclista tem tanto direito a usar a estrada como eu. Mas do mesmo modo que os camiões de vez em quando encostam para deixar passar a fila, não ficava nada mal ao menino da licra fazer o mesmo. Eu quando sei que vou andar devagar, por exemplo porque vou em passeio ou a ver a paisagem, então também encosto de vez em quando para deixar os outros passar; lá porque eu posso usar a estrada para fazer isso, não quer dizer que seja fixe atrasar toda a gente que tem o azar de vir atrás de mim. É altamente irritante fazer 10km ou mais em segunda atrás de uma fila gigante, e chegar atrasado a todo o lado, só porque o Barry decidiu que hoje era dia de salvar o planeta. Po caralho, Barry.
A condução em autoestrada é muito diferente da nossa. Obviamente que há aceleras, mas regra geral o trânsito flui "en bloc" a 75 mph, suspeito porque o cruise control é muito comum cá. A diferença de velocidade entre caros é muito menor, e simultaneamente a velocidade absoluta a que todos circulamos é mais baixa. A condução em autoestrada parece menos "formal" do que em Portugal. É mais fluída, mas de uma forma desagradável: os ingleses não têm reservas nenhumas em meter pisca e atravessarem-se à nossa frente a 75mph. As ultrapassagens são muito frequentes, mas fazem-se com diferenciais de velocidade muito mais baixos, e por isso demoram muito mais tempo. Há muito mais trânsito de pesados na autoestrada, por isso são mais esburacadas e vê-se muito "snail races", aquele fenómeno em que um camião que circula a 61.2mph demora 2847289167219 horas a ultrapassar um camião que circula a 61.19mph.
A questão do congestionamento também se aplica, naturalmente, ao estacionamento. Os lugares são relativamente limitados e normalmente são pagos. Nem todas as casas que estão disponíveis para arrendacomprar têm estacionamento associado e, particularmente nas cidades, ter estacionamento privado é claramente um luxo. Eu tenho estacionamento privado neste bloco de apartamentos, mas isso é relativamente raro até aqui no campo. Sempre que quero visitar algum local faço questão de escolher de antemão onde é que pretendo estacionar, e até aponto o GPS logo para o estacionamento. Mas nem tudo são más notícias: é normal haver estacionamento pago e relativamente fácil em qualquer sítio que se queira visitar, e os preços normalmente não são horripilantes. Um contra-exemplo fácil é o centro de Bournemouth, onde normalmente pago umas 8£ para estacionar durante 6 horas. E uma boa parte dos estacionamentos aceita pagamento contactless, e alguns até são completamente ticketless, o que até é fixe. De um modo geral:

Conclusão

Eu podia escrever sobre conduzir durante dias, e talvez revisite o assunto no futuro. Não só é uma actividade que me traz uma satisfação imensa, como é algo que me intriga intelectualmente. Parece obviamente uma má ideia alguém propôr "ei zé, vamos dar a cada pessoa um caixote de lata de 2 toneladas, e fazê-los andar em velocidade, em sentidos opostos, a meros centímetros uns dos outros". Toda a experiência parece condenada à catástrofe mas nós, do nosso jeito humano, lá fazemos a coisa funcionar. É muito interessante ver que não só fazemos com que a condução seja algo que seja útil, como povos diferentes têm abordagens diferentes à "solução" para que funcione. Nós cultivamos um estilo de condução, os ingleses outros, e com um bocadinhod e tradução até acabam por encaixar.
Como referi antes, nesta altura acredito que a condução à esquerda é um "red herring" (um peixe vermelho?) no que toca ao processo de adaptação à condução aqui. Conduzir à esquerda é estranho, concedo, mas não é o mais estranho. Uma parte crucial da condução é sermos capazes de prever o que os outros vão fazer, de sabermos o que esperar e, posto de uma forma simples, as coisas aqui são diferentes.
As estradas estreitas de campo foram a salvação da minha saúde mental durante o lockdown. Estar fechado o dia todo, legalmente impedido de sair para tudo o que não seja essencial e receoso do contágio, é algo que pesa na mente. A possibilidade de me fechar seguro dentro do carro e passear foi um escape gigante. Geralmente, adoro conduzir aqui, nem muito mais nem muito menos que em Portugal. São dois estilos diferentes, mas ambos têm as suas virtudes.
É importante mencionar novamente, para benefício de quem lê na diagonal, que a minha experiência é altamente individual e que procurei relatar o espírito geral da vivência através de uma generalização que pode não funcionar. Obviamente que há excepções; obviamente que há parvos em todo o lado, e por vezes o parvo sou eu.
Para o próximo episódio estou a pensar fazer uma espécie de "rescaldo das crises" e cobrir o Brexit e a pandemia mais ou menos como um. Apitem na caixinha se acham boa ideia.
Abraços, e obrigado por virem à minha TED talk.

Capítulos Anteriores

Referências

Hoje não há :)
submitted by UninformedImmigrant to portugal [link] [comments]